Guia da Volta a Portugal 2017


A 79ª edição da Volta a Portugal, a prova mais amada pelos portugueses, marca também os 90 anos desde a sua primeira edição.
O primeiro vencedor foi Augusto de Carvalho, ciclista do Carcavelos, que foi o primeiro a percorrer os 1965 quilómetros divididos em 18 etapas. Na altura, haviam três categorias, Forte, Fracos e Militares.
Os ciclistas portugueses dominam a lista de vencedores com 57 vitórias, mas na última década o domínio tem sido espanhol. Desde 2004, das 13 edições disputadas, 10 foram conquistadas por ciclistas do país vizinho, com destaque para as 5 vitórias de David Blanco, que faz dele o recordista de vitórias.

História

últimos 10 vencedores
2006 David Blanco (ESP) Comunidad Valenciana
2007 Xavier Tondo (ESP) LA–MSS
2009 David Blanco (ESP) Palmeiras Resort–Tavira
2010 David Blanco (ESP) Palmeiras Resort–Prio
2011 Ricardo Mestre (POR) Tavira–Prio
2012 David Blanco (ESP) Efapel–Glassdrive
2013 Alejandro Marque (ESP) OFM–Quinta da Lixa
2014 Gustavo Veloso (ESP) OFM–Quinta da Lixa
2015 Gustavo Veloso (ESP) W52–Quinta da Lixa
2016 Rui Vinhas (POR) W52–FC Porto

Edição 2016 (Top-10)
1 Rui Vinhas (Por) W52/FC Porto 16:57:56
2 Gustavo Cesar Veloso (Spa) W52/FC Porto 0:01:31
3 Daniel Eduardo Moreira Silva (Por) Radio Popular - Boavista 0:02:49
4 Raul Alarcon Garcia (Spa) W52/FC Porto 0:03:30
5 Jóni Silva Brandão (Por) Efapel 0:03:54
6 Manuel Antures Amaro (Por) La Aluminios/Antarte 0:05:08
7 Henrique Casimiro (Por) Efapel 0:06:03
8 Vicente Garcia De Mateos Rubio (Spa) Louletano - Hospital de Loule 0:06:30
9 Rui Miguel Sousa Barbosa (Por) Radio Popular - Boavista 0:06:44
10 Ricardo Vilela (Por) Caja Rural-Seguros RGA 0:07:21

Percurso


 4/8 Prólogo - Lisboa › Lisboa (5,4 Km)
 5/8 Etapa 1 - Vila Franca de Xira › Setúbal (203 Km)
 6/8 Etapa 2 - Reguengos de Monsaraz › Castelo Branco (214,7 Km)
 7/8 Etapa 3 - F, C, Rodrigo › Bragança (162,1 Km)
 8/8 Etapa 4 - Macedo de Cavaleiros › Mondim de Basto (Sr,ª da Graça) (152,7 Km)
 9/8 Etapa 5 - Boticas › Viana do Castelo (179,6 Km)
 10/8 Etapa 6 - Braga › Fafe (182,7 Km)
 11/8 Dia de descanso
 12/8 Etapa 7 - Lousada › St, Tirso (Monte N, Sr,ª da Assunção) (161,9 Km)
 13/8 Etapa 8 - Gondoma › Oliveira de Azeméis (159,8 Km)
 14/8 Etapa 9 - Lousã › Guarda (184,1 Km)
 15/8 Etapa 10 (CRI) - Viseu › Viseu (20,1 Km)
Total: 1626,1 Km

Perfis

 4/8 Prólogo - Lisboa › Lisboa (5,4 Km)


Este ano Lisboa em vez de ser o palco do final é do inicio. O prólogo tem 5,4 quilómetros planos, tem partida e chegada na praça do Império, ao lado CCB e em frente ao Mosteiro dos Jerónimos.
Não devem haver grandes diferenças entre os favoritos.

 5/8 Etapa 1 - Vila Franca de Xira › Setúbal (203 Km)

Partida de Vila Franca de Xira (Parque Urbano) em direção a norte, mais concretamente Santarém, onde encontram a primeira contagem de montanha categorizada da prova (4ª cat. km 40,9). De Santarém os corredores dão a volta e regressam para sul até à região de Setúbal, onde terão duras contagens de na zona da Arrábida ), Alto das Necessidades (3ª cat. km 172,6) e Alto da Arrábida (3ª cat. km 189,7).
A meta fica na Avenida Luísa Todi, em Setúbal.

 6/8 Etapa 2 - Reguengos de Monsaraz › Castelo Branco (214,7 Km)

O Alentejo será o pano de fundo da maioria do percurso da 2ª etapa, com partida no coração da região, em Reguengos de Monsaraz, na Praça da Liberdade. Será um dia longo, que pode ser marcada pelo o intenso calor, habitual nesta época do ano na zona. Os corredores terão de ultrapassar três contagens de montanha: Monte Paleiros (3ª cat. km 125,8), Serra de Ródão (4ª cat. km 179,7) e Retaxo – Cebolais de Cima (4ª cat. km 202,2), que estão colocadas na segunda parte da etapa.
A chegada a Castelo Branco será na Avenida Nuno Álvares.

 7/8 Etapa 3 - Figueira de Castelo Rodrigo › Bragança (162,1 Km)

Ao quarto dia, a prova muda-se bem para o Nordeste do país. A partida será em Figueira de Castelo Rodrigo, no Largo Serpa Pinto. Num dia já com alguma dureza, mas nada de extraordinário, são três as contagens de montanha: Vila Nova de Foz Côa (3ª cat. 28,7), Torre de Moncorvo (3ª cat. km 46,2) e Serra de Bornes (2ª cat. km 88,7). Destaque para esta última, são 8,9 Km a 6,3%, 785 metros de subida acumulada.
Em Bragança, os ciclistas farão uma primeira passagem pela meta, que se situa na Dom Sancho I.

 8/8 Etapa 4 - Macedo de Cavaleiros › Mondim de Basto (Sr,ª da Graça) (152,7 Km)

Esta é uma das chegadas míticas da prova. A etapa tem partida de Macedo de Cavaleiros, do Parque Municipal de Exposições, os ciclistas seguem em direção a Mondim de Bastos, pelo caminho apanham o Alto do Pópul (3ª cat. km 64,3) e o Alto do Velão (2ª cat. km 114,3). Ao contrário de outros anos, a duríssima subida da Barragem do Alvão não está colocada no percurso, o que significa que não haverá seleção antes do Monte Farinha.
A chegada à Sª da Graça é sempre um dos momentos mais significativos da prova em todas as edições, com o mar de gente a apoiar os ciclistas. A subida é de 1ª categoria, são 11,6 quilómetros a 6,6%, 950 metros de subida acumulada.

 9/8 Etapa 5 - Boticas › Viana do Castelo (179,6 Km)

A chegada ao Santuário de Santa Luzia tem sido um clássico nos últimos anos. A partida é em Boticas, na Avenida de Chaves, em direção ao litoral, pelo caminho encontrarão duas contagens de montanha: Montalegre (3ª cat. km 6,8) e subida de Covide (2ª cat. km 103,2) no parque nacional do Gerês.
A chegada a Santa Luzia é ideal para os puncheurs, que têm aqui uma oportunidade de brilharem.

 10/8 Etapa 6 - Braga › Fafe (182,7 Km)

Nas últimas edições Braga tem recebido chegadas, este ano recebe uma partida. A 6ª etapa parte da cidade dos Arcebispos, mas concretamente da Praça Municipal, bem no centro da cidade.
O dia tem no menu quatro contagens de montanha: Bom Jesus (3ª cat. km 40,2), Viso (1ª cat. km 131,1), Salto da Pedra Sentada (2ª cat. km 164,3) e Golães (4ª cat. km 178,4). Destaque para o Viso e para o sterrato em Fafe, que também foi usado na edição de 2016.
A chegada será na Praça 25 de abril.

 11/8 Dia de descanso

 12/8 Etapa 7 - Lousada › St, Tirso (Monte N, Sr,ª da Assunção) (161,9 Km)

Chegada em alto, na Nossa Srª da Assunção em Santo Tirso. A partida será em Lousada na Praça do Sr. dos Aflitos, num dia sem grandes dificuldades antes da subida final, apenas uma contagem de montanha e de 4ª categoria, Serra de Campelos.
A subida final da Nossa Srª da Assunção tem 6,3 quilómetros de extensão a 6,2% de inclinação média.

 13/8 Etapa 8 - Gondomar › Oliveira de Azeméis (159,8 Km)

A partida será junto ao Multiusos de Gondomar e ruma a sul, com passagem por três contagens de montanha: Vila Viçosa (3ª cat. km 59,2), Gamarão (2ª cat. km 87,3) e Chão de Ave (3ª cat. km 107,4).
Em Oliveira Azeméis, irá haver uma primeira passagem pela meta a faltarem 30,5 quilómetros, a meta está colocada na Avenida D. Maria I.

 14/8 Etapa 9 - Lousã › Guarda (184,1 Km)

Esta é a etapa rainha da prova. O grande momento do dia será a subida ao Alto da Torre, que será realizada pela vertente de Seia, uma ascensão muito longa, 31,2 quilómetros de extensão a 5,2% de inclinação média, são mais de 1750 metros de subida acumulada nesta ascensão.
O dia tem ainda mais quatro subidas categorizadas: Góis (3ª cat. km 6,5), Mouronho (4ª cat. km 37,7), Fernão Joanes (3ª cat. km 158.9) e na Guarda (3ª cat. km 174,8). A última coincide com a meta, a mesma usada na edição do ano passado.

 15/8 Etapa 10 (CRI) - Viseu › Viseu (20,1 Km)

No ano passado, o último dia também foi um contrarrelógio individual em Lisboa, este ano será em Viseu. São pouco mais de 20 quilómetros praticamente planos, que beneficiarão os especialistas neste tipo de esforço.
Se as diferenças forem curtas entre os primeiros, a prova pode apenas ser decidida no último dia.

Lista de participantes

W52/FC PORTO
1 VINHAS Rui
2 ALARCON GARCIA Raul
3 MESTRE Ricardo
4 CARVALHO António
5 CESAR VELOSO Gustavo
6 SILVA Joaquim
7 CALDEIRA Samuel
8 ANTUNES Amaro

EFAPEL
11 PAULINHO Sérgio
12 MESTRE Daniel
13 SILVA Rafael
14 CASIMIRO Henrique
15 SILVA Bruno
16 BARBIO António
17 TRUEBA DIEGO Alvaro
18 DEL PINO Jesus

RP - BOAVISTA
21 SOUSA Rui
22 BENTA João
23 SILIN Egor
24 RODRIGUES David
25 GONCALVES Domingos
26 CARDOSO Filipe
27 GUERRERO BONILLA Pablo
28 GOMES Luís

LA / METALUSA BLACKJACK
31 PINTO Edgar
32 FONTE César
33 AFONSO Luis
34 MATIAS João
35 DE ALMEIDA Guillaume
36 VILLALOBOS SOLIS Roman
37 ANGULO SAMPEDRO Antonio
38 SANCHO Hugo

SPORTING TAVIRA
41 NOCENTINI Rinaldo
42 MARQUE PORTO Alejandro
43 EZQUERRA Jesús
44 FERNANDES Luis
45 FIGUEIREDO Frederico
46 PEREIRA Válter
47 SILVESTRE Fabio
48 GONZALEZ Mario

LOULETANO - HOSPITAL DE LOULE
51 GARCIA DE MATEOS RUBIO Vicente
52 DE LA FUENTE David
53 ALMEIDA Nuno
54 FERREIRA Hélder
55 PAULINHO Pedro
56 HERNÁNDEZ Óscar
57 RODRIGUES Rui
58 EVANGELISTA André

JLT CONDOR
61 BIBBY Ian
62 LAVERACK Edward
63 GULLEN James
64 LAMPIER Steven
65 SLATER Alistair
66 BRADBURY Edmund
67 FRAME Alex
68 DOWNING Russel

ISRAEL CYCLING ACADEMY
71 DEMPSTER Zakkari
72 DÍAZ GALLEGO José Manuel
73 GOLDSTEIN Roy
74 LOWNDES Jason
75 NEILANDS Krists
76 PERRY Benjamin
77 SAGIV Guy
78 SCHREURS Hamish

UNIEURO TREVIGIANI - HEMUS 1896
81 ZAHIRI Abderrahim
82 MUÑOZ Matias
83 VIEL Mattia
84 MOLTENI Marco
85 RAVANELLI Simone
86 SIDDIKOV Dilmurdjon
87 TIVANI German Nicolas
88 VEGA MERODIO Sergio

H&R BLOCK PRO CYCLING
91 SAMUEL Travis
92 CARTIER Alexis
93 LAVERY Philip
94 MACANALLY Ryan
95 NADON Marc-Antoine
96 O'BRIEN Conor
97 PRENDERGAST Christopher
98 RUPNIK Jure

METEC - TKH CONTINENTAL CYCLINGTEAM P/B MANTEL
101 ARIESEN Johim
102 EISING Tijmen
103 GMELICH MEIJLING Jarno
104 HAMELINK Jasper
105 KOUWENHOVEN Sjoerd
106 KRUL Stef
107 DE LAAT Jasper
108 LINDENBERG Jim

GM EUROPA OVINI
111 BROGI Adriano
112 LANDER Sebastian
113 DI SANTE Antonio
114 PACCHIARDO Davide
115 PARRINELLO Antonio Casimir
116 ROTONDI Matteo
117 RUSCETTA Andrea
118 TIZZA Marco

TEAM VORARLBERG
121 SCHELLING Patrick
122 BALDAUF Sébastian
123 HONIG Reinier
124 LIENHARD Fabian
125 DER Zsolt
126 FRIESECKE Gian
127 SCHIR Théry
128 JÄGER Patrick

EUSKADI BASQUE COUNTRY-MURIAS
131 BARTHE Cyril
132 JUARISTI Txomin
133 GONZÁLEZ Adrián
134 BIZKARRA ETXEGIBEL Mikel
135 LIZARRALDE DELGADO Eneko
136 UDONDO SANTAMARIA Gotzon
137 GONZÁLEZ PRIETO Aitor
138 OLABERRIA ARRUABARRENA Pello

TEAM DAUNER D&DQ AKKON
141 MAMOS Philipp
142 VAN PUYVELDE Jan
143 BACKOFEN Moritz
144 FIEGE Lorenz
145 BRENNER Nico
146 THURAU Sven

KUWAIT - CARTUCHO.ES
151 REBELLIN Davide
152 GUTIERREZ REVUELTA José Manuel
153 THURAU Bjorn
154 SCHUMACHER Stefan
155 BOYS Matt
156 ANDEMESKEL Awet Gebremedhin
157 GRIJALBA PEREZ Fernando
158 MRAOUNI Salaheddine

BIKE AID
161 HOLLER Nikodemus
162 KANGANGI Suleiman
163 KIPKEMBOI Salim
164 SCHAFER Timo
165 RUGG Timothy
166 MENGIS GHEBREINDRIAS Amanuel
167 VAN ENGELEN Adne
168 HABTOM TEKLE Awet

ARMÉE DE TERRE
171 GAUDIN Damien
172 GUYOT Yann
173 LEBRETON Kevin
174 LEVASSEUR Jordan
175 MAINARD Jérôme
176 POULHIES Stéphane
177 ALAPHILIPPE Bryan
178 ROSTOLLAN Thomas

Favoritos

Quem irá vencer a classificação da montanha?
A classificação da montanha é daquelas muito complicadas de prever, até porque por exemplo alguém que tenha liberdade para estar em fugas, tem alguma vantagem sobre os homens da geral.

Amaro Antunes
Tem realizado um ano muito bom, com algumas exibições brilhantes, inclusive perante concorrência do World Tour.
De entre os principais nomes para a geral, é na nossa opinião o melhor trepador deste ano.

Bruno Silva
Vencedor da classificação da montanha em 2015 e na edição do ano passado, tentou lutar, mas não teve sucesso. Acreditamos que este ano volte a tentar vencer a camisola azul e pelo o histórico tem de ser considerado um dos favoritos.

Frederico Figueiredo
É um dos líderes da Sporting/Tavira e por essa razão, será complicado vencer esta classificação. Mas sendo um dos melhores na montanha do pelotão português, é um nome a ter em conta e caso tenha alguma liberdade a equipa verde e branca não deverá abdicar de ganhar uma classificação.

César Fonte
Venceu a classificação da montanha do Grande Prémio JN e focado pode ser um sério candidato a vencê-la também na Volta a Portugal. Não é um grande trepador, mas compensa isso, com o facto de poder ter liberdade.

Outros: Raul Alarcón, César Fonte, João Benta, Jesus Del Pino, Henrique Casimiro

Quem são os sprinters a seguir de perto?
A qualidade de velocista que têm estado na prova nos últimos anos, não é muito elevada. No pelotão nacional, também não são muitos os sprinters. Destaque para o infortúnio de Luis Mendonça, que não irá poder participar por lesão.

Daniel Mestre
É talvez o melhor sprinter do pelotão português da atualidade. No ano passado venceu duas etapas na Volta a Portugal e este ano já leva três na temporada, duas no GP JN e uma no GP Torres Vedras.
Nas etapas com chegada em pelotão compacto é o principal candidato.

Vicente Garcia de Mateos
Até 2015 era um sprinter, mas em 2016 revelou-se na montanha e perdeu alguma potência para disputar sprints nas etapas planas. No entanto, a escassez de velocistas faz dele um nome a ter em conta nas chegadas ao sprint.

Johim Ariesen
Dos que não fazem parte do pelotão nacional, Ariesen é o mais conhecido. Este ano já leva 4 vitórias, uma delas na Volta ao Alentejo e tem sprintado bem. MEsmo em chegadas que não totalmente planas, safa-se bem.

Samuel Caldeira
O algarvio faz parte da máquina azul, que tem dominado a prova nos últimos anos. É um ciclista que se sacrifica pelos líderes, mas quando pode tenta estar na disputa das chegadas ao sprint.
Este ano voltará a trabalhar muito durante as etapas, mas também terá as suas oportunidades.

Outros: Jesus Ezquerra, Mikel Bizkarra, Ian Bibby, Damien Gaudin

Quem são os jovens a seguir de perto?
Juventude é o que não falta, mas a maioria é desconhecida. Dos ciclistas 'jovens' destacamos três deles.

António Barbio
Ciclista ainda jovem, mas já com alguma experiência. Estreou-se na Volta em 2013 e no ano passado fez a sua segunda participação. Não tem ainda resultados relevantes na maior prova nacional, mas já tem alguns resultados interessantes noutras provas, principalmente em 2016.
A sua função principal será apoiar os seus líderes: Paulinho, Mestre e Casimiro.

Luis Gomes
Ciclista muito talentoso, que já vai mostrando qualidade. A sua principal função será trabalhar para Rui Sousa, João Benta e Egor Silin, mas não será de surpreender se estiver envolvido nalgumas fugas.
Venceu uma etapa na Volta a Portugal do futuro de 2016.

Zahiri Abderrahim
Com a ausência de João Almeida, o jovem marroquino deve ser o líder da equipa. Não se espera que esteja na luta pelos primeiros lugares, espera-se sim que numa ou noutra etapa se mostre.
Tem realizado um bom ano.

Jose Manuel Diaz Gallego
O jovem espanhol é um dos ciclistas mais interessantes da formação israelita. Este ano já mostrou alguns laivos de talento na Volta à Croácia e Volta às Astúrias.
É um dos favoritos a ganhar a classificação da juventude.

Outros: Krists Neilands, Pello Olaberria, Guy Sagiv, Jason Lowndes

Quem são os favoritos à geral individual?
A W52-FC Porto tem sido a grande dominadora das últimas edições, dando-se ao luxo de colocar vários nos dez primeiros. Este ano não deve ser excepção, a equipa azul e branca é de longe a que apresenta o melhor conjunto, com uma série de ciclistas capazes de fazer nos primeiros lugares, o que constitui uma vantagem táctica sobre as restantes equipas.
Portanto é natural que a equipa de Nuno Ribeiro domine a lista de favoritos e com a ausência de Joni Brandão, o favoritismo ainda se adensa mais.

Gustavo Veloso
Venceu em 2014 e 2015, apenas não ganhou a edição do ano passado, porque Rui Vinhas beneficiou de uma jogada táctica de Nuno Ribeiro e os adversários subestimaram-no em demasia.
Além de na montanha ser um dos melhores, ainda tem o contrarrelógio para fazer a diferença, é o melhor ciclista em Portugal nessa especialidade.

Raúl Alárcon
Tem realizado uma temporada de sonho. O maior feito foi a vitória na Volta às Astúrias onde dominou um pelotão que contou com Nairo Quintana. Também venceu o GP JN de forma categórica.
Em 2016 foi 4º na Volta a Portugal e este ano pelo o que tem mostrado é mesmo candidato ao pódio.


Amaro Antunes
A equipa azul e branca já era fortíssima e não satisfeita foi buscar só um dos melhores ciclistas portugueses da actualidade. O algarvio este ano venceu a etapa rainha da Volta ao Algarve, dando espectáculo.
Tem realizado um ano muito bom e a prova disso, é que lidera o ranking nacional. O seu principal ponto fraco, é o contrarrelógio.

Rui Vinhas
Viveu um sonho na edição anterior. Conquistou a amarela numa fuga e nunca mais a largou. Este ano é complicado repetir, porque será um corredor mais marcado.
Tem realizado um ano dentro das expectativas, foi 2º na prova de fundo do campeonato  nacional.

Edgar Pinto
Regressou ao pelotão português com o objetivo claro de tentar ganhar a Volta a Portugal. Tem uma equipa toda para si, comprometida no sonho.
Edgar Pinto é um ciclista muito regular, mas sempre lhe faltou algo para chegar mais longe. Na nossa opinião estar nos 5 primeiros lugares já seria um bom resultado.

Vicente Garcia de Mateos
Transformou-se de sprinter num todo o terreno. O espanhol foi 8º na edição do ano passado e este ano já venceu o GP Abimota e a Clássica Aldeias do Xisto.
A sua regularidade é uma das suas imagem de marca, capaz de estar nos primeiros numa etapa plana e numa de montanha.

Rinaldo Nocentini
Com a ausência de Joni Brandão, o italiano volta a ser o líder da equipa. No ano passado acabou por ceder à dureza da Volta, este ano deverá estar mais preparado. 
A Sporting/Tavira ainda tem Frederico Figueiredo e Alejandro Marque, como corredores que podem estar nos primeiros lugares.

Egor Silin
Foi uma das contratações mais surpreendentes do ano. O russo saiu do World Tour para uma equipa Continental portuguesa, uma situação que atualmente é uma raridade.
Ainda não mostrou muito este ano, tem estado longe do esperado, mas sendo um corredor com as credenciais que ele tem, merece uma menção.

Rui Sousa
É o eterno candidato, em 2017 fará a sua 17ª participação na Volta a Portugal. Com 41 anos a probabilidade de alguma vez ganhar a prova, é cada vez menor. Apesar disso, é obrigatório mencioná-lo. 
Em teoria é o líder da RP-Boavista, que além dele tem, Egor Silin e João Benta, corredores a ter em conta para a geral.

Outros: Henrique Casimiro, António Carvalho

Seguir em directo: #eugostodavolta, #voltaportugal, RTP1

Nota: Todos os dias haverá uma antevisão da etapa seguinte.

Agradecimento especial ao Pedro Rodrigues, por ter desenhado os perfis. 




Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário