La Flèche Wallonne (1.WT) - Antevisão


Foi criada para aumentar as vendas de um jornal, o Les Sports durante a década de 1930 e teve a sua primeira edição em 1936. Só não decorreu em 1940, devido à segunda guerra mundial.
Desde 1983 que a Flèche Wallone termina com a peregrinação até ao “O caminho das capelas”, termo religioso que se aplica àquele que é conhecido como Muro de Huy, devido à presença de sete capelinhas em plena subida. 
Nos primeiros anos de vida, a prova fazia parte do fim de semana da Liège-Bastogne-Liège, que era conhecido como 'o fim de semana das Ardenas'. Realizava-se ao sábado e a La Doyenne, ao domingo, nessa altura o melhor corredor no conjunto das duas recebia uma prémio especial, porém, hoje em dia isso deixou de fazer parte da tradição.
Alejandro Valverde é o recordista de vitórias, com 4 triunfos, 3 dos quais alcançados nas últimas 3 edições. Marcel Kint, Eddy Merckx, Moreno Argentin e Davide Rebellin seguem-se com 3 conquistas. Os belgas dominam a prova com 38 vitórias, contra as 18 dos italianos e as 8 dos franceses.

História
Últimos 10 vencedores da Prova
2007 Davide Rebellin (Ita) - Gerolsteiner
2008 Kim Kirchen (Lux) - Team Columbia
2009 Davide Rebellin (Ita) - Serramenti PVC Diquigiovanni-Androni Giocattoli
2010 Cadel Evans (Aus) - BMC Racing Team
2011 Philippe Gilbert (Bel) - Omega Pharma-Lotto
2012 Joaquim Rodriguez (Esp) - Team Katusha
2013 Daniel Moreno (Esp) - Team Katusha
2014 Alejandro Valverde (Esp) - Movistar Team
2015 Alejandro Valverde (Esp) - Movistar Team
2016 Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team

Edição 2016
1 Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team 4:43:57    
2 Julian Alaphilippe (Fra) Etixx - Quick-Step         
3 Daniel Martin (Irl) Etixx - Quick-Step         
4 Wouter Poels (Ned) Team Sky    0:00:04    
5 Enrico Gasparotto (Ita) Wanty - Groupe Gobert    0:00:05    
6 Samuel Sánchez Gonzalez (Spa) BMC Racing Team         
7 Michael Albasini (Swi) Orica-GreenEdge         
8 Diego Ulissi (Ita) Lampre - Merida         
9 Warren Barguil (Fra) Team Giant-Alpecin         
10 Rui Costa (Por) Lampre - Merida

Percurso
Binche › Huy (200,5 km)


O traçado tem algumas alterações em relação à edição do ano passado, a começar pelo local de partida, que volta a ser Binche, desde de 2013 que não partida desta cidade. A primeira parte da prova é calma e sem grandes dificuldades. É preciso esperar até aos 130 Kms para as dificuldades aparecerem e até ao fim da prova, são nove muros.
O primeiro é o Côte d'Amay e logo a seguir o Côte de Villers le-Bouillet. A primeira passagem pela meta será aos 146,5 Kms. Depois os corredores percorrerão duas voltas a um circuito, que além do Mur d'Huy, tem a Côte d'Ereffe (2.1km at 5%) e a Côte de Cherave (1.3km 8.1%).

A partir de 1983 o final da prova tem sido sempre no Mur de Huy. No ano passado, eram doze as subidas(muros), este ano, são 'apenas', nove:

Quadro das subidas
O Mur de Huy será ultrapassado por três ocasiões, a corrida tem sido decidida na última ascensão, que coincide com a linha de meta. Veremos se este ano, os ataques e a seleção não será feita antes, ou volta a repetir-se a histórias das ultimas edições.

Startlist
Aqui

Condições meteorológicas
Será um dia fresco, com temperaturas a rondar os 11ºC. Não se espera chuva, com o vento a soprar de nordeste, o que significa que em certas zonas do percurso, o vento estará de frente.

Favoritos
O vencedor das últimas três edições, tem de ser considerado o maior favorito e é obviamente o homem a bater. Alejandro Valverde além de ter vencido as últimas três edições, tem realizado uma temporada de 2017 fantástica, o que ainda reforça mais o seu caso. Apesar de não ter estado bem na Amstel Gold Race, o espanhol com a ausência de Gilbert, se era o grande favorito, agora ainda mais o é.
Numa segunda linha está, Daniel Martin, que com as ausências de Alaphilippe e Gilbert, é a aposta principal da Quick-Step Floors. O irlandês foi 3º na edição do ano passado, 2º em 2014, 4º em 2013 e 6º em 2012.
Sérgio Henao este ano tem estado bem, venceu o Paris-Nice e na Amstel Gold Race, foi ele que teve a iniciativa decisiva para definição do grupo que discitui a vitória. O Mur d'Huy cabe bem nas suas características, curta e explosiva.
A Sky também tem Michal Kwiatkowski, que está a ter um ano de 2017 muito bom, voltando à melhor forma. Nos anos em que estava em grande forma, foi 5º em 2013 e 3º em 2014.
A Orica-Scott tem em Michael Albasini a grande aposta para a Flèche Wallone. A consistência do suiço nesta prova, impressiona. Foi 7° em 2016, 3° em 2015, 7° em 2014, 21° em 2013, 2°em 2012, 11° em 2011, 10° em 2010, 9° em 2009 e 7° em 2008. 
Enrico Gasparotto, não está na forma do ano passado, onde foi 5º, mas o italiano é a principal aposta da Bahrain-Merida, já que Ion Izagirre não tem a explosividade necessária para o Mur d'Huy.
Tim Wellens é dos poucos que atacará antes da última subida ao Mur d'Huy. provavelmente não terá sucesso novamente, mas nos últimos anos é dos poucos que tenta.
O final no Mur de Huy não é o ideal para Rui Costa. O ano passado fez o seu melhor resultado ao ser 10º e com certeza, este ano irá tentar melhorar essa classificação. 

***** Alejandro Valverde
**** Daniel Martin, Sérgio Henao
*** Michal Kwiatkowski, Michael Albasini
** Enrico Gasparotto, Diego Ulissi, Tim Wellens
*  Rui Costa, Petr Vakoc, Daniel Moreno, Michael Woods, Rigoberto Uran, Warren Barguil, Alexis Vuillermoz

A nossa aposta: Alejandro Valverde
Outsider: Sérgio Henao

Seguir em directo: @flechewallonne, #FlecheWallonne
(A partir das 13:30, hora de Portugal Continental)
(A partir das 14:30, hora de Portugal Continental)

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário