Volta a Portugal 2019 - Antevisão 6ª etapa

Dia de descanso ultrapassado, o pelotão muda-se para Trás-os- Montes onde vão encontrar uma etapa que à primeira vista parece fácil, mas não o é.

Mapa

Perfil
Etapa com quase 194 Km e olhando para o perfil, podíamos pensar que é um dia tranquilo, nada mais errado, são mais de 3600 m de subida acumulada, um valor bem parecido ao da etapa da Torre.
Os primeiros 60 Km são os mais duros, com 3 contagens de montanha, todas de 3ª categoria, terreno ideal para a formação de uma fuga. Os primeiros 40 Km segue o rio Douro em direção a Espanha e depois viram para norte.

Primeiros 60 Km
Após os 60 Km, a o terreno é um pouco mais amigável, mas o constante sobe e desce, num percurso rompe-pernas, continua e fará o desgaste. Os últimos 25 Km voltam a testar as pernas dos ciclistas, com as subidas de Gimonde e a de Bragança com um 2300 m a 6,2%, a cerca de 14 Km da meta.
No último Km, há uma rampa de 400 metros a 5,1%.

Últimos 25 Km


Metas Volantes:  
- Freixo de Espada à Cinta (461 m, Km 44.4),
- Mogadouro (734 m, Km 88.8),
- Vimioso (694 m, Km 124.3).

Subidas categorizadas: 
- Torre de Moncorvo (3ª Categoria, 371 m, 5.2 Km a 4.6%, Km 5.3),
- Freixo de Espada à Cinta (Ecocentro) (3ª Categoria, 553 m, 7.1 Km a 4.6%, Km 40.3),
- Serra de Reboredo (3ª Categoria, 772 m, 8.9 Km a 3.3%, Km 53.7).

Cidade de partida: Torre de Moncorvo
Igreja Matriz de Torre de Moncorvo
Torre de Moncorvo é uma vila pertencente ao Distrito de Bragança, na confluência dos rios Sabor e Douro. É sede de um município, subdividido em 13 freguesias.
Numa visita à Vila de Torre de Moncorvo, não passa desapercebida, a sua Igreja Matriz classificada como Património Nacional e considerada como o maior templo religioso de Trás-os-Montes.
Para visitar esta vila , aconselha-se um percurso a pé pelo centro histórico, Núcleo Medieval onde se incluem as casas solarengas, o Museu do Ferro, as inúmeras “oficinas artesanais” de venda de produtos regionais e confecção da “amêndoa coberta de Moncorvo”.

Cidade de chegada: Bragança
Bragança
Bragança pertence ao distrito com o mesmo nome e é sede de concelho com 49 freguesias.
A cidade foi fundada no século II a.C. pelos Celtas, que a baptizaram como "Brigância". O nome, ao longo dos tempos, foi-se latinizando tornando-se em Bragança. Durante a ocupação romana a cidade era conhecida como "Juliógriga", em homenagem a Júlio César.
Numa visita a Bragança não podem perder o Castelo e a sua história medieval. A Domus Municipalis é um monumento único na Península Ibérica. De arquitectura Românica, pensa-se que o edifício terá sido construído no século XV, aquando da reconstrução do castelo.
E já que estão em Bragança, que tal um passeio pelo Parque Natural de Montesinho?

Condições meteorológicas

Mudança de condições, a chuva pode aparecer. A temperatura rondará os 27ºC toda a etapa.
O vento soprará moderado de Sudoeste, o que significa os primeiros 40 Km com vento lateral e o restante da etapa de costas.

Favoritos

Outro dia ideal para que uma fuga tenha sucesso. A primeira parte da etapa é propicio à formação da mesma, com elementos de qualidade, já que o terreno é durinho.
Equipas como o Boavista que procuram uma vitória de etapa, têm de assumir mais cedo a perseguição e não deixar para os últimos Km, como aconteceu na etapa anterior. Outra solução é eles colocarem homens na fuga, Luis Mendonça apesar de ser um sprinter, também é capaz de se envolver em escapadas neste tipo de terreno, o mesmo serve para João Matias da Vito-Feirense.
A equipa do camisola amarela, apesar de ter homens que finalizam bem, apenas irá controlar a fuga se a mesma tiver alguém perigoso para a geral, neste momento estão mais preocupados em gerir forças que a procurar vitórias de etapa. O mesmo acontecerá com a Efapel e o Louletano.
No entanto, não é de todo descabido que o final seja em pelotão compacto, tudo dependerá de quem estiver em fuga.

⭐⭐⭐ Marco Tizza, Luis Mendonça, Daniel Mestre
⭐⭐Markel Aristi, João Matias, Daniel Freitas, August Jensen
⭐ Domingos Gonçalves, Thibaut Guernalec, Samuel Caldeira, Vicente De Mateos

A nossa aposta: Luis Mendonça
O sprinter do Boavista é um ciclista versátil, como é tradição no nosso ciclismo, os velocistas cá do burgo são corredores que passam relativamente bem pequenas cotas e até média montanha.

Joker: Thibaut Guernalec
O francês tem sido uma boa surpresa, com um excelente prólogo e na etapa antieror esteve envolvido na discussão na mesma.
Esta ainda se adequa mais às suas características, o final não é tão duro. É um dos principais candidatos a estar na fuga.

Seguir em directo: #eugostodavolta#voltaportugal@VoltaPortugal
TV: RTP 1 (a partir das 15:00)

Horário Portugal continental

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário