Volta à França 2019 - Antevisão 17ª Etapa

Etapa de transição que chega a um dos locais mais visitado pela prova, Gap, e de boa memória para os portugueses, pelas vitórias de etapa em 2010 por Sérgio Paulinho e 2013 por Rui Costa. Com os Alpes já no horizonte, este é um dia para um fuga, o terreno também ajuda.

Mapa
Perfil
Etapa de 200 Km, que faz a ligação para os Alpes. Os primeiros 100 Km são em falso plano, a primeira de duas contagens de montanha está localizada 4500 metros depois. Os ciclistas continuam a subir até ao topo do Col de Mévouillon, que não está categorizada.
Os 85 Km seguinte não tem dificuldades de relevo, até que o Col de la Sentinelle aparece, com os seus 5,2 Km a 5,4%. Os ataques decisivos serão aqui.
Os últimos 8,5 Km são em descida para Gap. Não é um dia muito duro, são 2400 metros de subida acumulada, mas com a montanha dos próximos 3 dias, a fuga tem enorme probabilidade de ter sucesso.


Últimos Km

Sprint intermédio:
Km 62 - Vaison-la-Romaine

Subidas categorizadas: 
Km 104,5 - Cote de la Rochette du Buis (4ª Cat,2.3 Km a 5.4%),
Km 191,5 - Col de la Sentinelle (3ª Cat. 5.2 Km a 5.3%)

Cidade de partida: Pont du Gard

Pont du Gard
A Pont du Gard é uma ponte-aqueduto construída pelos Romanos no século I d.C. É excepcional pelas suas dimensões, pois conta com 49 metros de altura. Foi constituída com 3 filas de arcos sobrepostos (6 arcos no primeiro nível, 11 arcos no segundo nível e 47 arcos na origem), o que constitui igualmente um feito raríssimo para a época. Cerca de mil homens trabalharam nesta obra colossal concluído-a em apenas 5 anos.
Finalmente é notável pelo seu excelente estado de conservação que o leva actualmente a ser admirado como uma obra-prima. É o único exemplo de ponte antiga com 3 andares ainda erguida actualmente.
Em 1985, a UNESCO inclui este excepcional monumento na lista dos patrimónios da humanidade.

Cidade de chegada: Gap
Gap
Gap tem uma localização perfeita na entrada dos Alpes. Em pleno II Guerra Mundial, Gap fazia parte da zona livre. Mas a sua localização fez com que passa-se a fazer parte da zona ocupada em 1942, altura em que os alemães colocaram cerca de mil soldados na cidade para assegurar o controlo daquele ponto-chave de entrada nos Alpes. Gap só voltou a fazer parte da zona livre graças à resistência de alguns combatentes franceses apoiados pela população local.
No Tour, Gap tem já uma forte tradição. Esta será a 18ª vez que Gap é palco de uma etapa do Tour. Para nós portugueses é sinónimo de muitas alegrias. Sérgio Paulinho venceu ali em 2010 e Rui Costa também venceu em 2013.

Condições meteorológicas

Dia instável (existe a possibilidade de chuva no final da etapa) e com temperaturas elevadas, a rondar os 34ºC.
Vento fraco de Sul, não será um dia onde o vento será um factor.

Favoritos

Fuga?
É um dia com fuga escrita em todo o perfil da etapa. Com a contagem de montanha já perto do final, que não sendo extraordinariamente dura, é seletiva e poucos sprinters aguentavam.
A juntar a isso, os Alpes estão à porta, com 3 dias muitos duros pela frente, por essa razão, há interesse em que o ritmo não seja muito elevado no pelotão.
A lista de gente candidatos a estar em fuga é longa.

Possíveis fugitivos
Ag2r - Gallopin, Naesen
Arkea Samsic - Gesbert
Astana - Lutsenko, Bilbao, Fraile, G.Izagirre, LL Sanchez
Bahrain Merida - Teuns, Mohoric
Bora Hansgrohe- Muhlberger, Sagan
CCC - Geschke, Greg Van Avermaet
Cofidis - Herrada, Simon
Deceuninck QuickStep
Dimension Data - Valgren
EF -Bettiol, Clarke
Groupama FDJ -Kung
Ineos
Jumbo Visma
Katusha Alpecin - Gonçalves, Politt
Lotto Soudal - Wellens, Benoot, De Gendt
Mitchelton Scott - Matteo Trentin, Daryl Impey
Movistar
Sunweb - Matthews
Total Direct Energie - Calmejane, Turgis
Trek Segrafredo -Stuyven
UAE - Costa
Wanty Groupe Gobert- Meurisse

⭐⭐⭐ Matteo Trentin, Peter Sagan, Michael Matthews
⭐⭐ Oliver Naesen, Jasper Stuyven, Greg Van Avermaet
⭐ Rui Costa, Xandro Meurisse, Tim Wellens, Alexey Lutsenko, Nils Politt

A nossa aposta: Michael Matthews
Ainda não venceu e pode ter aqui a sua oportunidade, tem de se colocar no movimento certo e entrar na fuga. A contagem de montanha perto da meta está perfeitamente ao seu alcance.

Joker: Greg Van Avermaet
Também está a seco neste Tour e procura uma razão para sorrir. Esta é uma oportunidade de ouro para o campeão olimpico.
A última subida do dia é à sua medida, não é muito dura, mas ele pode fazer a diferença naquelas rampas.

A camisola amarela que o vencedor irá usar homenageia o aqueduto romano de Pont du Gard, que atravessa o rio Gardon, que se situa a cerca de 23 Km a Nordeste de Nîmes.


Seguir em directo: #tdf2019, #letour, #tourdefrance, #tdf
TV: Eurosport 1 (a partir das 11:20)  RTP 2 (a partir das 13:10)

Horário Portugal continental




Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário