Tirreno-Adriatico (2.WT) - Antevisão


O Tirreno-Adriático, é atualmente uma das provas por etapas mais importantes, também conhecida como Corsa dei Due Mari (em Português, 'a corrida dos dois mares'), porque como indica o nome da corrida, corre-se entre dois mares (Tirreno e Adriático), ligando as duas costas.
A atestar a importância da mesma, é a quantidade de corredores de topo que habitualmente estão presentes na prova Italiana todos os anos, é uma parada de estrelas e este ano não vai fugir à regra.
Esta será a 53ª edição, a primeira realizou-se em 1966, e foi ganha por Dino Zandegu. A lista de vencedores é um autêntico rol de nomes gigantes da modalidade. Roger De Vlaeminck detém o recor de vitórias, com 6, mas a lista contém, Francesco Moser (2), Joop Zoetemelk (1), Tony Rominger (2), Fabian Cancellara (1), Vincenzo Nibali (2), Cadel Evans (1), Alberto Contador (1) e Nairo Quintana (2).
É das poucas provas 'históricas' que não foram vencidas por Eddy Merckx.

História

últimos 10 vencedores
2009 Michele Scarponi (ITA) Serramenti - Androni Giocattoli
2010 Stefano Garzelli (ITA) Acqua e Sapone
2011 Cadel Evans (AUS) BMC
2012 Vincenzo Nibali (ITA)Liquigas-Cannondale
2013 Vincenzo Nibali (ITA) Astana
2014 Alberto Contador (ESP) Tinkoff-Saxo
2015 Nairo Quintana (COL) Movistar
2016 Greg Van Avermaet (BEL) BMC
2017 Nairo Quintana (COL) Movistar
2018 Michal Kwiatkowski (POL) Team Sky

Edição 2018 (Top-10)
1    Michal Kwiatkowski (Pol) Team Sky    25:32:56   
2    Damiano Caruso (Ita) BMC Racing Team    0:00:24   
3    Geraint Thomas (GBr) Team Sky    0:00:32   
4    Tiesj Benoot (Bel) Lotto Soudal    0:01:06   
5    Adam Yates (GBr) Mitchelton-Scott    0:01:10   
6    Mikel Landa (Spa) Movistar Team    0:01:13   
7    Davide Formolo (Ita) Bora-Hansgrohe    0:01:15   
8    Jaime Roson (Spa) Movistar Team        
9    George Bennett (NZl) LottoNL-Jumbo    0:01:16   
10    Rigoberto Uran (Col) EF Education First-Drapac p/b Cannondale    0:01:22

Percurso

13/3 Etapa 1 (CRE) - Lido di Camaiore › Lido di Camaiore (21.5 Km)
14/3 Etapa 2 - Camaiore › Pomarance (195 Km)
15/3 Etapa 3 - Pomarance › Foligno (226 Km)
16/3 Etapa 4 - Foligno › Fossombrone (221 Km)
17/3 Etapa 5 - Colli al Metauro › Recanati (180 Km)
18/3 Etapa 6 - Matelica › Jesi (195 Km)
19/3 Etapa 7 (CRI) - San Benedetto del Tronto › San Benedetto del Tronto (10 Km)
Total: 1048.5 Km

A prova tem um percurso sem uma etapa de alta-montanha. Os dois contrarrelógios a abrir e a fechar a prova, terão um peso grande na decisão do vencedor.
A prova abre com o contarrrelógio colectivo, praticamente plano de 21,5 quilómetros, ao longo da costa de Lido di Camaiore. Equipas como a Sunweb, Jumbo-Visma, Deceuninck-Quick Step e Sky devem ganhar tempo às restantes.
A segunda etapa é para os homens da geral, o final em Pomarance é seletivo. As diferenças não devem ser grandes, mas já se vai ver quem está para lutar pelos primeiros lugares.
A terceira etapa é para os puro sangue do sprint.
A quarta etapa é constante sobe e desce. O final é ideal para ataques nos últimos 20 quilómetros.
A quinta etapa é a mais dura da prova. O circuito em Recanati de 22,8 quilómetros de extensão é duro, com rampas de 19% e será percorrido 4 vezes.
A sexta etapa é para sprinters.
A prova termina com o já tradicional contrarrelógio plano de apenas 10 quilómetros ao longo da costa do Adriático.

Perfis

13/3 Etapa 1 (CRE) - Lido di Camaiore › Lido di Camaiore (21.5 Km)



14/3 Etapa 2 - Camaiore › Pomarance (195 Km)


Sprints intermédios:
- Canneto (280 m, Km 138.8),
- Montecerboli (426 m, Km 158.7).

Subidas categorizadas:
- Castellina Marittima (367 m, 3.9 Km a 5.0%, Km 98.2),
- Serrazzano (528 m, 1.5 Km a 7.2%, Km 148.3),
- Pomarance (359 m, 6.8 Km a 3.6%, meta).



15/3 Etapa 3 - Pomarance › Foligno (226 Km)


Sprints intermédios:
- Monticiano (354 m, Km 45.9),
- Chiusi (349 m, Km 141.0).

Subidas categorizadas:
- Passo del Rospatoio (469 m, 5.3 Km a 5.3%, Km 67.5),
- La Foce (545 m, 5.3 Km a 4.6%, Km 123.0).

16/3 Etapa 4 - Foligno › Fossombrone (221 Km)


Sprints intermédios:
- Cartoceto (2,1 km a 6,2%) (230 m, Km 161.7),
- Fossombrone (113 m, Km 201.7 meta).

Subidas categorizadas:
- Villa del Monte (257 m, 1.4 Km a 8.7%, Km 127.7),
- Monteguiduccio (403 m, 2.7 Km a 7.1%, Km 183.9),
- I Cappuccini (323 m, 1.9 Km a 10.9%, Km 204.9),
- I Cappuccini (323 m, 1.9 Km a 10.9%, Km 214.2).

 
17/3 Etapa 5 - Colli al Metauro › Recanati (180 Km)


Sprints intermédios:
- Loreto (115 m, Km 98.5).

Subidas categorizadas:
- Recanati (1ª passagem na meta) (280 m, 3.4 Km at 7.3%, Km 112.4),
- Volta 1 (280 m, 3.3 Km a 7.4%, Km 135.0),
- Volta 2 (280 m, 3.4 Km a 7.2%, Km 157.7),
- Recanati (280 m, 3.4 Km a 7.3%, Meta).


18/3 Etapa 6 - Matelica › Jesi (195 Km)


Sprints intermédios:
- Morro d'Alba (197 m, Km 138.0),
- Lap 1 (92 m, Km 170.8).

Subidas categorizadas:
- Valico di Pietra Rossa (674 m, 12.5 Km at 3.3%, Km 53.4).

19/3 Etapa 7 (CRI) - San Benedetto del Tronto › San Benedetto del Tronto (10 Km)


Startlist

Aqui

Favoritos

Sprinters

⭐⭐⭐ Elia Viviani
⭐⭐ Peter Sagan, Fernando Gaviria
⭐Giacomo Nizzolo, Luca Pacioni, Davide Cimolai, Sacha Modolo, Nacer Bouhanni, Phil Bauhaus

Geral

⭐⭐⭐⭐⭐ Primoz Roglic
⭐⭐⭐⭐ Julian Alaphilippe, Tom Dumoulin
⭐⭐⭐ Wout Poels, Adam Yates
⭐⭐ Jakob Fuglsang, Thibaut Pinot, Tim Wellens
⭐ Alexey Lutsenko, Geraint Thomas

A nossa aposta: Primoz Roglic
Vencedor de forma enfática o UAE Tour e apresenta-se no Tirreno-Adriático como claro favorito. O percurso não é perfeito para o esloveno, mas dado a forma que demonstrou nos Emirados é difícil de não o considerar favorito. A seu favor também tem os contrarrelógios.

Outsider: Julian Alaphilippe
Bom percurso para as características do francês, mas no contrarrelógio final se a lógica imperar, irá perder tempo para Roglic ou Dumoulin, dois especialistas, apesar de ser curto e isso lhe beneficiar. A 5ª etapa também tem um pouco de dureza a mais para ele, mas se conseguir estar na luta é sinal que pode vencer a prova.

Portugueses

Rui Costa
Deve ser a posta para a geral da equipa árabe, embora com os dois contrarrelógios vemos complicada a presença do poveiro no top-10 final. A equipa irá focar-se mais em Gaviria para o sprint. 

Nélson Oliveira
Richard Carapaz é o líder da equipa e o Nélson é o principal contrarrelogista da equipa espanhola. É um elemento imprescindível para o contrarrelógio coletivo. Vencer a última etapa também não é descabido, no entanto o ciclista português prefere distâncias mais longas.

José Gonçalves
Não teve um inicio de temporada fácil, tal como toda a equipa que está muito apagada. Não esperamos nada de especial do barcelense, apesar do percurso em teoria ser bom para ele.

Ruben Guerreiro
Tem sido dos melhores da Katusha-Alpecin. Foi 8º no Tour Down Under, mas no Algarve esteve apagado. O percurso tem chegadas boas para ele, mas por estes dias é complicado apostar num ciclista da equipa 'helvética'.



(consultar programação do canal)


Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário