Kuurne-Bruxelles-Kuurne (1.HC) - Antevisão


Para finalizar o fim de semana de abertura das clássicas da primavera, teremos a segunda prova flamenga, a Kuurne-Bruxelles-Kuurne.
Conhecida por ser mais adaptada aos sprinters, a prova foi criada em 1945, esta será a 72ª edição. Todos os anos reúne uma lista de participantes de topo, principalmente entre os homens rápidos do pelotão internacional.
O recordista de vitórias é Tom Boonen com três triunfos.

História

últimos 10 vencedores
2009     Tom Boonen (BEL) Quick-Step
2010     Bobbie Traksel (NED) Vacansoleil
2011     Christopher Sutton (AUS) Team Sky
2012     Mark Cavendish (GBR) Team Sky
2013     Não se realizou devido às condições atmosféricas
2014     Tom Boonen (BEL) Omega Pharma–Quick-Step
2015     Mark Cavendish (GBR) Etixx–Quick-Step
2016     Jasper Stuyven (BEL) Trek–Segafredo
2017     Peter Sagan (SLK) Bora-Hansgrohe
2018     Dylan Groenewegen (NED) Lotto-Jumbo

Edição 2018 (Top-10)
1    Dylan Groenewegen (Ned) LottoNL-Jumbo    4:51:41   
2    Arnaud Demare (Fra) FDJ        
3    Sonny Colbrelli (Ita) Bahrain-Merida        
4    Pim Ligthart (Ned) Roompot-Nederlandse Loterij        
5    Justin Jules (Fra) WB Aqua Protect Veranclassic        
6    Jean-Pierre Drucker (Lux) BMC Racing Team        
7    Guillaume Boivin (Can) Israel Cycling Academy        
8    Lukasz Wisniowski (Pol) Team Sky        
9    Julien Vermote (Bel) Dimension Data        
10    Timothy Dupont (Bel) Wanty-Groupe Gobert

Percurso 

Kuurne > Kuurne, 201,5 Km

Como é tradição, a Kuurne-Bruxelles-Kuurne decorre no dia a seguir à Omloop. É uma clássica com uma natureza diferente de grande parte das clássicas Flamengas, isto porque, a prova apesar de ser marcada pelos 'muros' (Hellingens) e pelo pavé, é habitual o vencedor ser decidido por um pelotão compacto. Isto deve-se ao facto das grandes dificuldades situarem-se longe da meta.
O percurso deste ano em relação ao do ano passado, é bastante parecido, com uma ou outra pequena alteração. No menu, estão 12 Hellingens e 5 sectores de pavé.


Serão ao todo 12 Hellingens (subidas), a última será o Nokereberg, que se situa a quase 50 quilómetros da linha de meta, ou seja, ainda longe o que beneficia as equipas dos sprinters que podem reagrupar-se e trabalhar para uma chegada em pelotão compacto. Porém, não seria de estranhar a formação de grupos nestes muros.

Hellingens: 
- Volkegemberg (75 m, 1.0 Km a 4.3%, Km 33.2),
- Eikenmolen (89 m, 0.2 Km a 8.6%, Km 47.7),
- Onkerzeleberg (90 m, 1.7 Km a 3.8%, Km 68.8),
- Pottleberg (130 m, 1.7 Km a 1.8%, Km 84.2),
- Kanarieberg (150 m, 1.3 Km a 7.8%, Km 90.2),
- Kruisberg (117 m, 1.8 Km a 4.5%, Km 97.8),
- Hotond (160 m, 0.4 Km a 11.1%, Km 99.0),
- Cote de Trieu (121 m, 1.2 Km a 7.9%, Km 107.0),
- Oude Kwaremont (105 m, 2.1 Km a 4.3%, Km 116.9),
- Kluisberg (94 m, 0.9 Km a 7.1%, Km 123.6),
- Tiegemberg (78 m, 1.1 Km a 3.1%, Km 139.8),
- Nokereberg (60 m, 0.4 Km a 5.1%, Km 151.7).

Sectores de pavé:  
1. Holleweg (+, 700 m, Km 34.1),
2. Kruisberg (++, 900 m, Km 97.3),
3. Oude Kwaremont (+++, 1800 m, Km 116.6),
4. Nokereberg (+, 400 m, Km 151.7).

Startlist


Condições atmosféricas


Dia de chuva na Flandres com a temperatura a rondar os 12ºC. O vento irá soprar forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir os 30 Km/h.

Favoritos

⭐⭐⭐⭐⭐ Dylan Groenewegen
⭐⭐⭐⭐ Sonny Colbrelli, Matteo Trentin
⭐⭐⭐ Giacomo Nizzolo, Nacer Bouhanni, André Greipel, Pascal Ackermann
⭐⭐ Danny Van Poppel, Jempy Drucker, Magnus Cort, Edward Theuns, Jasper Stuven*, Oliver Naesen, Jasper Philipsen
⭐ Lorrenzo Manzin, Jurgen Roelandts, Silvan Dillier, Niki Terpstra, Yves Lampaert, Zdenek Stybar

*Jasper Stuyven não partiu devido a doença.

A nossa aposta: Dylan Groenewegen
Venceu a edição anterior e apresenta-se este ano como o principal favorito caso seja decidida em pelotão compacto. Está em boa forma como demonstrou no Algarve.
O grande entrave poderão ser as condições climatéricas, que potenciam os cortes no pelotão.

Outsider: Matteo Trentin
Entrou na temporada em grande e tem uma boa equipa ao dispor. Tanto é capaz de disputar a prova num sprint em pelotão compacto como num grupo reduzido ou mesmo isolada. Esta versatilidade faz dele um nome incontornável para a edição deste ano.

Seguir em directo: @KuurneBxlKuurne, #Kbk,


Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário