Volta a Portugal 2018 - Antevisão 4ª etapa

Esta etapa prometia ser demolidora, no entanto, a organização decidiu encurtá-la e tirar a ascensão à Torre. O pretexto utilizado foi o do calor, curiosamente depois de 3 dias em que os corredores estiveram expostos a temperaturas acima dos 40ºC, mas aí não houveram problemas.
Mesmo assim a etapa fará diferenças importantes e hoje teremos uma ideia de quem está na Volta para ganhar.

Mapa
Perfil

Subida final às Penhas da Saúde
Etapa encurtada e sem Torre. 
A partida é da Guarda, local da chegada nas últimas duas edições da etapa que passava pela Torre. Os primeiro 20 quilómetros são dominados por uma longa descida e os 30 seguintes são em plano, até à primeira subida do dia. 
A primeira versão da etapa, a subida à Torre era feita por Seia, na nova a subida irá ser feita logo por Gouveia até às Penhas Douradas, mais curta e menos dura. O calor não justifica esta decisão, já que quanto mais se sobe a temperatura baixa e depois de não se ter feito nada nas três etapas anteriores, este argumento é ainda mais ridículo.
Das Penhas Douradas desce-se até Manteigas segue-se para a subida de Sarzedo, uma subida relativamente curta e com uma percentagem de inclinação baixa (5,8%), prepara a subida final, a mais dura do dia e aquela que fará maiores diferenças.
A subida da Covilhã para as Penhas da Saúde é muito dura, são cerca de 12 quilómetros a 8% e esperam-se diferenças muito significativas.

Metas Volantes:
- Gouveia (627 m, Km 54.7),
- Covilha (543 m, Km 122.2).

Subidas categorizadas: 
Penas Douradas (1ª Cat., 1413 m, 18.3 Km a 4.4%, Km 73.4), 
Sarzedo (3ª Cat., 835 m, 5.2 Km a 4.8%, Km 107.6), 
Penhas da Saúde (HC, 1487 m, 11.9 Km a 8.0%, META).

Cidade de partida: Guarda

Sé da Guarda (📸Wikimedia)
A cidade da Guarda é sede de concelho com 55 freguesias (após a reorganização territorial passaram a 43). É ainda a capital do Distrito da Guarda.
É conhecida como a Cidade dos 5 F's, que significam Forte, Farta, Fria, Fiel e Formosa. Forte por causa da torre do castelo e das suas muralhas; Farta devido à riqueza do vale do Mondego; Fria pela sua localização a grande altitude; Fiel porque Álvaro Gil Cabral, Alcaide-Mor do castelo da Guarda recusou-se a entregar as chaves da cidade ao Rei de Castela durante a crise de 1383-85 e Formosa pela sua beleza natural. 
Ao visitar a Guarda passeie calmamente pelo seu centro histórico, nele encontra vários monumentos arquitectónicos. Não perca a Sé da Guarda, que é lindíssima.

Cidade de chegada: Penhas da Saúde

Chalés de montanha (📸Logitravel)
As Penhas da Saúde pertence ao município da Covilhã e é sobretudo uma estância de inverno, a principal da Serra da Estrela.
Situa-se a 1500 metros de altitude e é o principal ponto de partida para aceder à Torre durante o inverno, já que no topo da Serra da Estrela não há alojamento turístico.
O ar puro e refrescante é também muito apreciado pelos turistas no verão, que procuram fugir ao calor intenso da época.

Condições meteorológicas

Temperaturas muito altas, que podem ultrapassar novamente os 40 ºC, nas Penhas Douradas e da Saúde será um pouco mais baixa, a rondar os 33ºC! O vento vai soprar fraco.

Favoritos

⭐⭐⭐ Raúl Alarcon, Jóni Brandão
⭐⭐ António Carvalho, Henrique Casimiro
⭐ Edgar Pinto, Gustavo Veloso, Vicente De Mateos, João Benta

A nossa aposta: Raúl Alarcon
Não esperou pela Serra da Estrela para mostrar ao que veio. Já tem a camisola amarela e o que mostrou na etapa anterior foi uma superioridade preocupante em relação a todos os adversários.
É um todo terreno, tanto lhe faz ser plano, a subir ou a descer, é competente em tudo e não fica à espera dos outros como alguns, que preferem ficar a ver e a chupar a roda.

Outsider: António Carvalho
A W52-FC Porto é a equipa mais forte e António Carvalho é um dos melhores trepadores do pelotão português da última década.
Este ano é um candidato ao pódio e se a equipa irá proteger Alarcon, não será de todo de estranhar que para isso use António Carvalho como um elemento de ataque, de forma a ter várias opções para a geral, como aconteceu em 2017 em que esse papel coube a Amaro Antunes.



(a partir das 15:00)

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário