Volta a Portugal 2018 - Antevisão 2ª etapa

Depois de um primeiro dia no forno, temos um segundo também no forno e ainda mais quente, que é para os ciclistas ficarem bem cozidinhos.
O interior Alentejano amanhã será palco de mais uma etapa em condições bizarras. Pelos vistos o Protocolo para condições meteorológicas extremas (EWP) em Portugal.

Mapa
Perfil

Últimos Km
Perfil dos ultimos 5 Km

Mais um dia a atravessar a bela região do Alentejo, que em agosto se torna num autêntico inferno devido ao calor.
Desta vez a etapa percorre o interior alentejano, liga Beja a Portalegre, num total que roça os 200 quilómetros. Apesar de não ter qualquer subida categorizada, está longe de ser um dia completamente plano e o terreno pode ser propicio a cortes no pelotão devido ao vento.
Mas o mais incompreensível é a parte final ter uma contagem de montanha, com 3 quilómetros a 5%, o penúltimo é a 6%, o último é em falso plano.

Sprints intermédios:
- Vidigueira (208 m, Km 26.9), 
- Vila Vicosa (401 m, Km 121.6), 
- Monforte (251 m, Km 166.7).

Zona de abastecimento:  
- Redondo (277 m, Km 104.0).

Cidade de partida: Beja


Beja é uma cidade portuguesa pertencente à região do Alentejo.O Concelho de Beja está dividido em 12 freguesias, completando uma área de 1 106,44 km².
Crê-se que a cidade foi fundada cerca de 400 anos a.C., pelos celtas.
Nos séculos III e II a.C. houve o processo de romanização das populações locais e esta cidade passou a fazer parte da civilização romana, pertencendo a uma região muito romanizada e sendo chamada de Pax Julia.
O património cultural de Beja é vastíssimo mas destaco quatro monumentos que não devem mesmo perder, o Carmelo do Sagrado Coração de Jesus, o Castelo de Beja, a Sé Catedral e a Ermida de Santo André.

Cidade de chegada: Portalegre


Portalegre é sede de um município com 447,14 km² de área, subdividido em 7 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Castelo de Vide, a nordeste por Marvão, a leste pela Espanha, a sul por Arronches e Monforte e a oeste pelo Crato.
Segundo uma lenda, descrita por Frei Amador Arrais na sua obra "Diálogos" de 1589, Portalegre teria sido fundada por Lísias no século XII a.C.,na sequência do desaparecimento da sua filha Maia. Acredita-se hoje que a lenda resultou de fantasias de alguma forma apoiadas na existência de uma lápide com uma dedicatória ao imperador romano Lúcio Aurélio (161-192).
O nome de Portalegre terá origem em Portus Alacer (porto, ponto de passagem, e alacer, alegre).

Condições meteorológicas

Temperaturas muito altas, que podem passar os 40 ºC e aproximarem-se dos 50 ºC, o que deveria levar à aplicação do Protocolo para condições meteorológicas extremas (EWP), mas como estamos em Portugal, é bem capaz que se realize.
O vento também vai soprar fraco.

Favoritos

⭐⭐⭐  Daniel Mestre, Vicente Garcia de Mateos
⭐⭐  Luís Mendonça, Rafael Silva, Oscar Pelegri
⭐  Enrique Sanz, Olivier Pardini, César Martingil, João Matias

A nossa aposta: Daniel Mestre
Não esteve na disputa em Albufeira, o que para constitui uma surpresa. É um dos sprinters mais fortes do pelotão português e também é bastante versátil e por essa razão a chegada a Portalegre assenta-lhe bem.
A Efapel terá de o colocar corretamente nos últimos quilómetros.

Outsider: Domingos Gonçalves
Para este tipo de chegadas seletivas, o ciclista do RP-Boavista é sempre um nome a ter em conta. Tem realizado uma boa temporada e na Volta espera-se que dê continuidade.



(a partir das 15:15)


Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário