Giro 2018 - Antevisão 6ª Etapa

No último da Sicilia, chega o primeiro grande teste aos candidatos à geral individual, num dia com final no Monte Etna.



A etapa começa em Caltanissetta e apesar de não haverem contagem de montanha categorizadas, o terreno não é completamente plano, principalmente nos primeiros 90 quilómetros, que são de constante sobe e desce, típico da Sicília.
Aos 125 quilómetros, em Ponte Barca, começa uma longa subida em falso plano, são cerca de 14,5 quilómetros a 3,4%, seguido de uma descida curta até ao inicio da subida ao Etna.
A ascensão ao Etna, irá ser realizado por uma vertente diferente da edição passada. Desta vez começa em Ragalna e ao invés de se subir até ao Rifugio Sapienza, os ciclistas irão até a Observatório Astrofísico. São 15 quilómetros a 6,5%, numa chegada que não deve definir os primeiros lugares, mas que nos mostrará quem não será candidato.
Existem duas rampas complicadas, que rondam os 14% e 15% (ver imagem seguinte).


Subida do Etna

Últimos 3 Km

Sprints intermédios:
- Enna (688 m, Km 29.0),
- Piazza Armerina (684 m, Km 60.9).

Subidas categorizadas:
- Etna (1ª Cat., 1733 m, 15.1 Km a 6.4%, META).

Zona de abastecimento:
- Km 96.5.

Cidade de partida: Caltanissetta


Caltanissetta é uma cidade italiana da região da Sicília, província com o mesmo nome. A cidade mistura-se na paisagem montanhosa do centro da Sicília, que durante alguns períodos do ano se torna ainda mais bonita e convidativa para um passeio.
Na região encontra-se a Reserva Natural Orientada de Monte Capodarso e o Valle dell'Imera Meridionale, caracterizada pela presença dos sítios arqueológicos de Sabucina e Gibil Gabib, evidência da antiga população Sicani, que esteve estabelecida no centro da Sicília.

Local de chegada: Etna


O Etna é um vulcão ativo situado na parte oriental da Sicília, entre as províncias de Messina e Catânia. É o mais alto vulcão da Europa e um dos mais altos do mundo, com cerca de 3343 metros de altitude (o seu tamanho varia devido às frequentes erupções).

O vulcão está muitas vezes em actividade, mas, normalmente, as erupções não oferecem grande perigo à população que vive nas localidades próximas. Os solos vulcânicos em redor propiciam variados ecossistemas, com bons campos para a agricultura, vinhedos e hortas espalhados no sopé da montanha. O Etna foi considerado um dos 16 vulcões da década pelas Nações Unidas. Faz também parte da lista de Património Mundial da UNESCO devido à sua localização, por ser a maior montanha localizada numa ilha e o 5° vulcão mais ativo do mundo.

Condições meteorológicas

Probabilidade baixa de chuva, a temperatura rondará os 20ºC e o vento irá soprar fraco.

Favoritos

*** Thibaut Pinot, Domenico Pozzovivo, Tom Dumoulin
** George Bennett, Fabio Aru, Simon Yates, Miguel Angel Lopez, Davide Formolo
* Carlos Betancur, Tim Wellens, Chris Froome, Esteban Chaves, Michael Woods

A nossa aposta: Domenico Pozzovivo
O pequeno italiano está em grande forma e mesmo o azar que teve na parte final da etapa anterior, não o impediu de dar espectáculo nas rampas finais.
Terá de atacar nas rampas mais difíceis para eliminar a maioria dos adversários e pelo o que mostrado neste Giro, é um dos que poderá fazer já amanhã.

Outsider: Simon Yates
Também tem estado muito forte e pelo que mostrou até agora, é um candidato natural à vitória. Juntando a isso, a sua equipa tem sido a mais forte até ao momento, continua a ter diversas soluções e pode controlar a corrida.


Diferenças entre os principais candidatos à geral:
1. Rohan Dennis (BMC)
2. Tom Dumoulin (Team Sunweb) a 1″
3. Simon Yates (Mitchelton-Scott) a 17″
7. Domenico Pozzovivo (Bahrain-Merida) a 28″
9. Thibaut Pinot (Groupama-FDJ) a 34″
11. Carlos Betancur (Movistar Team) a 35″
12. Davide Formolo (Bora-Hansgrohe) a 37″
14. Esteban Chaves (Mitchelton-Scott) a 47″
18. Michael Woods (EF-Drapac) a 53”
19. Chris Froome (Team Sky) a 55″
20. George Bennett (LottoNL-Jumbo) a 56″
23. Fabio Aru (UAE Team Emirates) a 57″
35. Wout Poels (Team Sky) a 1’37″
39. Miguel Ángel López (Astana) a 1’57″

Seguir em directo: , @giroditalia
(a partir das 12:15, hora de Portugal Continental)



Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário