Guia geral da Vuelta 2017


Este sábado começa na cidade francesa de Nimes, a 72ª edição da Vuelta a España. Das três grandes voltas, é a mais recente e a que tem menos 'pedigree', mas ao longo da sua história, tem dado ao ciclismo grandes momentos de espectáculo.
Em 71 edições, os homens da casa dominam a lista de vencedores, com 32 vitórias, seguido dos franceses com 9, da Bélgica 7 e da Itália com 6.

História em números

Vitórias à geral:
1. Tony Rominger 3
1. Roberto Heras 3
1. Alberto Contador 3

Vitórias da camisola da montanha:
1. José-Luis Laguia 5
2. Jose Maria Jiménez 4
2. David Moncoutie 4

Vitórias da camisola dos pontos:
1. Sean Kelly 4
1. Laurent Jalabert 4
2. Erik Zabel 3

Mais dias de camisola amarela:
1. Alex Zulle, SUI 45 dias
2. Roberto Heras, ESP 34
3. Gustave Deloor, BEL 32
3. Delio Rodriguez, ESP 32
5. Tony Rominger, SUI 31
6. Julian Berrendero, ESP 29
6. Domingo Perurena, ESP 29
8. Alberto Contador, ESP 26
9. Manuel Costa, ESP 23
9. Abraham Olano, ESP 23

Vitórias de etapas:

1 Delio Rodriguez 39
2. Laurent Jalabert, FRA 18
2. Rik Van Looy, BEL 18
4. Sean Kelly, IRL 15
5. Mr. Kartens, NED 13
5. Freddy Maertens, BEL 13
7. Tony Rominger, SUI 12
8. Domingo Perurena, ESP 11
8. Julian Berrendero, ESP 11
8. Augustin Tamames, ESP 11

10 últimos vencedores:
2016 Nairo Quintana COL
2015 Fabio Aru ITA
2014 Alberto Contador ESP
2013 Chris Horner EUA
2012 Alberto Contador ESP
2011 Juan Jose Cobo ESP
2010 Vincenzo Nibali ITA
2009 Alejandro Valverde ESP
2008 Alberto Contador ESP
2007 Denis Menchov RUS

Percurso

 19/8 Etapa 1 (CRE) - Nimes › Nimes (13.7 Km)
 20/8 Etapa 2 - Nimes › Gruissan (203.4 Km)
 21/8 Etapa 3 - Prades Conflent Canigo › Andorra la Vella (158.5 Km)
 22/8 Etapa 4 - Escaldes-Engordany › Tarragona (198.2 Km)
 23/8 Etapa 5 - Benicàssim › Alcossebre (157.7 Km)
 24/8 Etapa 6 - Vila-Real › Sagunt (204.4 Km)
 25/8 Etapa 7 - Llíria › Cuenca (207 Km)
 26/8 Etapa 8 - Hellín › Xorret de Catí (199.5 Km)
 27/8 Etapa 9 - Orihuela › Cumbre del Sol (174 Km)
 28/8 Dia de descanso
 29/8 Etapa 10 - Caravaca Jubilar › Elpozo Alimentacion (164.8 Km)
 30/8 Etapa 11 - Lorca › Observatorio Astronómico de Calar Alto (187.5 Km)
 31/8 Etapa 12 - Motril › Antequera Los Dólmenes (160.1 Km)
 1/9 Etapa 13 - Coín › Tomares (198.4 Km)
 2/9 Etapa 14 - Écija › Sierra de La Pandera (175 Km)
 3/9 Etapa 15 - Alcala La Real › Sierra Nevada. Alto Hoya de la Mora (129 Km)
 4/9 Dia de descanso 
 5/9 Etapa 16 (CRI) - Circuito de Navarra › Logroño (40.2 Km)
 6/9 Etapa 17 - Villadiego › Los Machucos. Monumento Vaca Pasiega (180.5 Km)
 7/9 Etapa 18 - Suances › Santo Toribio de Liébana (169 Km)
 8/9 Etapa 19 - Caso. Parque Natural de Redes › Gijon (149.7 Km)
 9/9 Etapa 20 - Corvera de Asturias › Alto de L'Angliru (117.5 Km)
 10/9 Etapa 21 - Arroyomolinos › Madrid (117.6 Km)
Total: 3324,1 Km

Ao longo de 3 semanas, a terceira grande volta da temporada animarão as estradas de Espanha e também de França, que é de onde a prova partirá.
Ao longo de 3324,1 quilómetros, distribuídos por 21 etapas, os ciclistas terão 5 etapas planas, 8 etapas de média-montanha e para puncheurs, 5 etapas de alta montanha, 1 contrarrelógio individual e 1 contrarrelógio coletivo.
O número de chegadas em alto são nada mais nada menos do que, 8 (5 de alta montanha). A prova terão apenas 13,7 quilómetros de contrarrelógio coletivo e 40,2 quilómetros de contrarrelógio individual. 
Pelo o meio, haverão 2 dias de descanso.

Perfis
 19/8 Etapa 1 (CRE) - Nimes › Nimes (13.7 Km)

 20/8 Etapa 2 - Nimes › Gruissan (203.4 Km)

 21/8 Etapa 3 - Prades Conflent Canigo › Andorra la Vella (158.5 Km)

 22/8 Etapa 4 - Escaldes-Engordany › Tarragona (198.2 Km)

 23/8 Etapa 5 - Benicàssim › Alcossebre (157.7 Km)

 24/8 Etapa 6 - Vila-Real › Sagunt (204.4 Km)

 25/8 Etapa 7 - Llíria › Cuenca (207 Km)

 26/8 Etapa 8 - Hellín › Xorret de Catí (199.5 Km)

 27/8 Etapa 9 - Orihuela › Cumbre del Sol (174 Km)

 28/8 Dia de descanso

 29/8 Etapa 10 - Caravaca Jubilar › Elpozo Alimentacion (164.8 Km)

 30/8 Etapa 11 - Lorca › Observatorio Astronómico de Calar Alto (187.5 Km)

 31/8 Etapa 12 - Motril › Antequera Los Dólmenes (160.1 Km)

 1/9 Etapa 13 - Coín › Tomares (198.4 Km)

 2/9 Etapa 14 - Écija › Sierra de La Pandera (175 Km)

 3/9 Etapa 15 - Alcala La Real › Sierra Nevada. Alto Hoya de la Mora (129 Km)

 4/9 Dia de descanso 

 5/9 Etapa 16 (CRI) - Circuito de Navarra › Logroño (40.2 Km)

 6/9 Etapa 17 - Villadiego › Los Machucos. Monumento Vaca Pasiega (180.5 Km)

 7/9 Etapa 18 - Suances › Santo Toribio de Liébana (169 Km)

 8/9 Etapa 19 - Caso. Parque Natural de Redes › Gijon (149.7 Km)

 9/9 Etapa 20 - Corvera de Asturias › Alto de L'Angliru (117.5 Km)

 10/9 Etapa 21 - Arroyomolinos › Madrid (117.6 Km)
A nossa opinião: É um percurso muito duro, com muitas chegadas em alto, são no total 8, sendo que 5 são adequadas a trepadores, 3 a ciclistas mais explosivos (puncheurs) e a outra é um misto. Os velocistas terão algumas oportunidades, 5 etapas são completamente planas e ideais para eles.
Oportunidades para que as fugas tenham sucesso, são bastantes, tirando as etapas completamente planas, onde a probabilidade é baixa, nas restantes sobe um pouco, tudo dependerá de como a corrida será atacada/controlada pelas equipas.
Não é um percurso equilibrado, com a organização a dar um enfoque especial para as chegadas em alto e deixaram um pouco de lado as etapas de transição. Outro factor que apostaram foi num contrarrelógio individual relativamente longo, pouco mais de 40 quilómetros.
A abrir a prova, um contrarrelógio coletivo curto de 13,7 quilómetros de extensão, como aconteceu na edição de 2016.


Quais são as etapas-chave? 3, 11, 14, 15, 16, 17 e 20

A 3ª etapa, não acaba em alto, mas vai ser o primeiro teste entre os candidatos à geral. Tem duas contagens de 1ª categoria e uma de 2ª categoria. A ultima contagem (2ª cat.) situa-se a 7 quilómetros da meta.

A 11ª e 14ª etapas, são dias típicas da Vuelta, com as dificuldades a ficarem para a parte final da etapa. A 11ª tem duas contagens de 1ª categoria nos últimos 30 quilómetros, com a última a coincidir com a meta.

A 15ª etapa é curta, são apenas 130 quilómetros na Sierra Nevada, mas é tem duas contagens de montanha, de 1ª e a última a coincidir com o final, de categoria Especial, no Monachil. 

A 16ª etapa está colocada depois do dia de descanso, trata-se de um contrarrelógio individual de pouco mais de 40 quilómetros, que fará diferenças importantes. 

A 17ª etapa é dura, mas o pior está guardado para a subida final, os Los Machucos, que tem rampas de 28%. 

A etapa rainha está guardada para a penúltima etapa, a chegada ao mítico Alto do Angliru, será a última oportunidade para que os homens da geral lutem entre si num terreno que já é 'sagrado' para o ciclismo. A etapa antes do grande final no Angliru, ainda tem o Alto de la Cobertoria e o Alto del Cordal, que endurecem e muito o dia.

Lista de participantes

Favoritos

Geral individual

*****
Chris Froome
O britânico tem a Vuelta encravada, depois de diversas tentativas de vencer a prova, este ano a preparação foi mais focada neste objetivo. A equipa que lhe irá acompanhar também no papel é melhor que aquela que lhe tem sido dada noutras edições.
Já foi três vezes 2º classificado, este ano parte para a Vuelta como o grande favorito.

****
Fabio Aru
Foi campeão italiano e pareceu voltar à sua melhor forma. Começou o Tour em grande forma, mas acabou por ceder na parte final, que o impediu de fazer pódio.
Chega à Vuelta com o objetivo de lutar por ela, venceu em 2015 a prova e sabe como a vencer. A Astana terá também Miguel Angel Lopez, que pode ser uma ajuda importante.

Vincenzo Nibali
O seu grande objetivo para este ano era o Giro. Acabou no 3º lugar atrás de Dumoulin e Quintana, não se pode dizer que foi um fracasso total, mas sendo Nibali, a expectativa é sempre que ele vença.
Depois do Giro, focou a sua prestação nesta Vuelta e chega como um dos grandes favoritos, além do mais, não tem o Tour nas pernas, parte em vantagem, nesse particular.

***
Adam Yates
O britânico esteve no Giro, onde conseguiu um decepcionante 9º lugar, a sorte também não esteve do seu lado. Chega à Vuelta onde será conjuntamente com Esteban Chaves, líder da Orica-Scott. O percurso da prova assenta-lhe bem, já que há um misto de chegadas em alto, onde ele pode fazer a diferença. O contrarrelógio individual é o seu grande problema.

Romain Bardet
Depois de ter lutado pela vitória no Tour, onde esteve bem, mas que fraquejou no contrarrelógio de Marselha, chega á Vuelta com pergaminhos a defender. No entanto, o francês fará pela primeira vez Tour e Vuelta no mesmo ano, aliás, ele das três grandes voltas, apenas participou no Tour.
É uma incógnita a condição que chega à Vuelta.

**
Wilco Kelderman
A Sunweb está a realizar uma temporada de sonho, venceu o Giro e no Tour ganharam 4 etapas, a camisola dos pontos e da montanha. O holandês teve muito azar no Giro e chega à Vuelta como líder da equipa.
Defende-se bem no contrarrelógio e na montanha se voltar ao melhor nível, pode ser uma dor de cabeça para os principais favoritos.

Ilnur Zakarin
O russo realizou um bom Giro e preparou-se afincadamente para a Vuelta. É um ciclista muito atacante que num dia bom, pode fazer diferenças importantes na montanha.
No contrarrelógio é bipolar, capaz de grandes exibições, como de actuações desastrosas.

*
Steven Kruijswijk
Não esteve bem no Giro, acabando por abandonar. Desde daí, foi 3º na Volta à Suiça e foi 5º no Tour de l'Ain, este último resultado não sendo brilhante, serviu para aquecer os motores para a Vuelta.
Defende-se bem no contrarrelógio e para disputar os primeiros terá de voltar ao nível do Giro 2016.

Alberto Contador
Irá ser homenageado pela organização da Vuelta e tem a honra de usar o dorsal número 1 na sua última prova como profissional. 
No Tour demonstrou que está longe do que já foi, mas é um dos homens que pode sempre romper a corrida.

Outros: Wilco Kelderman, Domenico Pozzovivo, Warren Barguil, Bob Jungels, Marc Soler, Esteban Chaves, Louis Mentjes, Miguel Angel Lopez, Daniel Moreno

Pontos
O número baixo de etapas para sprinters na Vuelta, faz com que esta classificação seja muitas vezes disputada entre os homens da geral. No ano passado, Fabio Felline venceu esta classificação e Nairo Quintana (vencedor da geral) ficou em 2º. 
Este ano, pensamos que esta camisola irá ser disputada pelos homens da geral, ou então por alguém com o perfil parecido a Fabio Felline.

Aqui ficam aqueles que achamos os principais candidatos a vencer esta classificação: John Degenkolb, Sacha Modolo, Magnus Cort Nielsen, Matteo Trentin e Jonas van Genetchen.

Montanha
A classificação da montanha é uma das mais complicadas de prever. A grande maioria das vezes, é ganha não pelo melhor trepador, mas pelo ciclista que fixa como objectivo vencer esta camisola, colocando-se nas diversas fugas e arrecadando os pontos. Nas duas últimas edições, foi isso que aconteceu com Omar Fraile que as ganhou. 
Os ciclistas que lutarem pela geral também são fortes candidatos a arrecadar esta classificação.

Aqui ficam aqueles que achamos os principais candidatos a vencer esta classificação: Omar Fraile, Warren Barguil, Chris Froome, Rafal Majka, Vincenzo Nibali, Rui Costa e Luis Leon Sanchez

Combinado
A classificação do combinado é aquela que junta a classificação geral, mais a da montanha e a dos pontos. Esta classificação calcula-se da seguinte forma: se um ciclista vencer a geral (1 ponto), fizer segundo na montanha (2 pontos) e quinto nos pontos (5 pontos), tem no total 1+2+5=8 pontos. 
Quem obtiver menos pontos ganha.
Habitualmente os grandes candidatos a vencer esta classificação são os homens da geral, por essa razão os candidatos não diferem daqueles apresentados acima, na classificação geral.

As nossas apostas

Pódio:
1. Chris Froome
2. Vincenzo Nibali
3. Fabio Aru

Os restantes do top-10 (sem ordem estabelecida): Adam Yates, Romain Bardet, Wilco Kelderman, Ilnur Zakarin, Alberto Contador, Steven Kruijswijk, Daniel Moreno

#LV2017 #laVuelta #Vuelta2017 #laVuelta2017 





Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

4 comentários:

  1. Obrigado pelo excelente guia, já agora uma curiosidade, o autor do blog joga Velogames? Que tal uma liga do blogue?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado! Sobre o Velogames, fazemos sempre Liga, aqui:
      https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1953898188217375&set=a.1508099426130589.1073741828.100007916387505&type=3

      League Name: Etapa Rainha Superliga
      League Code: 299214422

      Eliminar
    2. I'm in!

      Acho que devias transformar o perfil Facebook numa página, gostava de seguir o blogue por lá sem ter de "ser amigo" de alguém que não conheço pessoalmente (dando assim acesso aos meus dados pessoais).

      Eliminar
    3. Já temos página de facebook!

      https://www.facebook.com/etaparainhablog

      Eliminar