Trofeo Laigueglia (1.HC) - Antevisão


Depois do GP Costa degli Etruschi, o Trofeo Laigueglia é a 2ª prova UCI do calendário italiano. Este ano celebra sua 54ª edição, sendo Filippo Pozzato o ciclista com o maior número de vitórias, foram três triunfos.
Ao longo dos anos, alguns dos melhores ciclistas do pelotão mundial conseguiram ganhar a prova, entre eles: Eddy Merckx (1973 e 1974), Roger de Vlaeminck (1980), Lance Armstrong (1993), Johan Museeuw (1995) e Michele Bartoli (1997).
Em 2015, subiu de escalão, para a categoria 1.HC. As paisagens maravilhosas da Liguria e o percurso interessante fazem desta prova uma das mais interessantes nesta fase da temporada.

História
últimos 10 vencedores
2007 Mikhail Ignatiev (RUS) Tinkoff Credit Systems
2008 Luca Paolini (ITA) Acqua & Sapone–Caffè Mokambo
2009 Francesco Ginanni (ITA) Diquigiovanni–Androni
2010 Francesco Ginanni (ITA) Androni Giocattoli
2011 Daniele Pietropolli (ITA) Lampre–ISD
2012 Moreno Moser (ITA) Liquigas–Cannondale
2013 Filippo Pozzato (ITA) Lampre–Merida
2014 José Serpa (COL) Lampre–Merida
2015 Davide Cimolai (ITA) Lampre–Merida
2016 Andrea Fedi (Ita) Southeast - Venezuela

Edição 2016 (Top-10)
1 Andrea Fedi (Ita) Southeast - Venezuela 5:00:55
2 Sonny Colbrelli (Ita) Bardiani CSF 0:00:02
3 Grega Bole (Slo) Nippo - Vini Fantini
4 Fabio Felline (Ita) Trek-Segafredo
5 Francesco Gavazzi (Ita) Androni Giocattoli - Sidermec
6 Diego Ulissi (Ita) Lampre - Merida
7 Arthur Vichot (Fra) FDJ
8 Matteo Busato (Ita) Southeast - Venezuela
9 Matteo Montaguti (Ita) AG2R La Mondiale
10 Pierre-Roger Latour (Fra) AG2R La Mondiale 0:00:08

Percurso
Laigueglia > Laigueglia, 192,5 Kms
As provas de um dia italianas, habitualmente são um misto de montanha com terreno plano, beneficiando ciclistas versáteis, que têm de ser bons finalizadores, mas que também aguentem subidas de média-montanha.
O percurso varia de ano para ano, mas tem sempre em comum o facto de Laigueglia ser o centro da prova, que dá sentido ao nome. Porém, o percurso este ano é praticamente o mesmo do de 2016, só para variar um bocadinho. Como tal, a partida sairá do centro da cidade, com a primeira parte da prova a ser percorrida ao longo da costa da Ligúria, até os ciclistas virarem para o interior, onde irão até Bezzo. Ao fim de 30 Kms, começam as dificuldades, com a subida para Amasco, seguido de uma curta descida e nova subida para Onzo.
Segue-se uma longa descida, uma curta zona mais plana e subida para Cima Paravenna e nova descida longa, em direção à costa, onde se dirigem para Laigueglia. Aos 98,1 Kms, os corredores passam pela linha de meta pela 1ª vez e seguem para o Capo Mele e voltam para Laigueglia, através da cidade de Albenga.
Nova passagem pela meta, quando faltarem 32,6 Kms e aí iniciam um circuito de 10,6 Kms de extensão, que percorrerão por 3 vezes. O circuito contém o Colla Micheri (2,1 km, 7,8%) na fase inicial. Na última volta, o Capo Mele (2 km, 3,5% ) também estará incluído, situa-se a 3,9 Kms do final.



Startlist

Condições atmosféricas

O mau tempo marcou o GP Costa degli Etruschi e as coisas prometem não serem diferentes para o Trofeo Laigueglia. Duranto todo o dia, há 50% de hipóteses de que a chuva faça a sua aparição.
A temperatura prevê-se que rondará os 13ºC, na maioria do percurso. Mas é o vento que pode fazer maiores estragos, soprará forte de Norte. No circuito final, o vento soprará de costas na primeira parte, lateralmente na subida de Colla Micheri e na parte final de costas.

Favoritos
A exibição de Diego Ulissi no GP Costa degli Etruschi, reforça o estatuto dele como um grandes favoritos para esta prova. A sua versatilidade, ou seja, capaz de passar bem a montanha e ser um ciclista com uma ponta final longe interessante, faz dele um dos melhores do pelotão internacional neste tipo de provas
Fabio Felline é outro dos grandes nomes presentes na prova. Correrá com as cores da selecção italiana. É forte a subir e excelente finalizador, se conseguir chegar no grupo da frente, é um candidato forte a ganhar. A única incógnita, é o seu estado físico, já que se vai estrear em em 2017.
A Androni-Giocatolli apresenta duas flechas, Francesco Gavazzi e Rodolfo Torres. Dois ciclistas de características diferentes, um mais trepador, neste caso Rodolfo Torres e outro com características mais próximas de um sprinter. A equipa poderá desta forma, atacar a corrida de duas formas e tem material para se adaptar às circunstâncias da mesma.
O vencedor do GP la Marseillaise, Arthur Vichot, também marcará presença e é naturalmente um dos candidatos, apesar de ter abandonado a Étoile Bessèsges por doença. Dependerá de como foi a sua recuperação. 
A seleção italiana também contará com outro nome de peso, Matteo Trentin. O ciclista da Quick-Step Floors, esteve presente no Dubai, onde ajudou com sucesso, Marcel Kittel.
Mauro Finetto mostrou estar em boa forma nas provas que disputou em França. Juntamente com o facto de ser um ciclista que costuma brilhar nas clássicas italianas, tem de ser outro nome a vigiar de perto.
A Direct Energie terá dois homens em boa forma, Lilian Calmenaje e Sylvain Chavanel. Os dois estiveram em destaque nas provas francesas, com Calmenaje a conquistar a Étoile Bessèges e Chavanel a ser 5º
Por último referência para o recordista de vitórias na prova. Filippo Pozzatto já está bem longe do melhor, mas nunca se sabe o que pode fazer neste tipo de provas. No GP Costa degli Etruschi, trabalhou para Manuel Belletti, aqui será juntamente com Matteo Busato, as apostas da sua equipa.

***** Diego Ulissi, Fabio Felline
**** Francesco Gavazzi, Matteo Trentin, Mauro Finetto
*** , Filippo Pozzato, Arthur VichotLilian Calmejane
** Maxime Bouet, Moreno Moser, Rodolfo Torres
* Alberto Bettiol, Matteo Busato, Jonathan Hivert, Sylvain Chavanel, , Matti Breschel, Davide Cimolai, Romain Hardy, Riccardo Minali

A nossa aposta: Fabio Felline
Outsider: Francesco Gavazzi

Seguir em directo: @il_Laigueglia; #trofeolaigueglia

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário