Bruyneel acusa LeMond de ser obcecado com Armstrong e doping mecânico

Fonte da imagem: Getty Images Sport
LeMond tem feito parte da equipa que investiga a utilização de motores nas bicicletas em competição. Tanto ele como a sua mulher trabalharam com a polícia francesa, durante o Tour de France, em busca de mais informação sobre o assunto. 
No final do mês passado, quando foi publicado o documentário da CBS 60 Minutos sobre o doping mecânico (podem ver o vídeo aqui) o nome de Lance Armstrong foi referido, algo que Bruyneel fez questão de comentar.

Numa entrevista à revista belga Humo, Bruyneel acusou LeMond de ser obcecado por Armstrong.
"Eu não sei o que se passa com LeMond. Não é normal estar tão obcecado com Armstrong. Ele percebeu que as pessoas estão cada vez menos indignadas com o Lance, porque ficou claro que ele era apenas um dos muitos que se dopava e, é por isso que LeMond está à procura de algo novo para manchar o nome dele. Mas ele não vai conseguir. Pode continuar a tentar até ao ano 3000 que não vai encontrar doping mecânico".
Após defender Armstrong, Bruyneel atacou LeMond, levantando suspeitas sobre a sua carreira:
"LeMond sabe que nada que o possa afectar sairá para o público. Qualquer coisa que ele possa ter feito não será comprovável hoje em dia. Ele sempre afirma que ganhou limpo enquanto toda a sua geração é suspeita de ter usado doping. A mim parece-me impossível. Ele gosta de ouvir que é o único americano que venceu o Tour ou, melhor ainda, que ele é o único vencedor do Tour de France". 

"Na sua época LeMond fez o que pôde para parecer bom, com aquela cara de bebé, sempre a sorrir, o francês falado com uma pronuncia americana acentuada. Mas no mundo do ciclismo todos sabem que ele não é boa pessoa. Eu costumo compará-lo com Laurent Fignon. Para o exterior ele parecia um professor mal-humorado, mas no pelotão todos o lembram como uma pessoa adorável. LeMond era o oposto, um idiota".

Também pode interessar:

Lola Cycling Team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário