Análise da Team Sky 2015


A Sky partia para mais um ano com a ambição de estar na luta de todas as grandes voltas e de tentar obter resultados positivos nas clássicas, com destaque para a participação de Bradley Wiggins no Paris-Roubaix.

Logo no inicio do ano, Richie Porte sagrava-se campeão australiano de contrarelógio, num ano em que venceu por 9 vezes.
O mesmo corredor voltaria a vencer no Tour Down Under, na 5ª etapa, numa prova que terminou em 2º da geral atrás do compatriota Rohan Dennis.
Fevereiro foi um mês de grande sucesso para a equipa britânica, começou com Elia Viviani a vencer a 2ª etapa do Dubai tour. No Algarve, Geraint Thomas venceu a 2ª etapa mais a geral final e Porte venceu a 4ª etapa.
Na Andaluzia, o duelo entre Froome versus Contador, num dos momentos do ano, o ciclista da Sky sairia vencedor por apenas 2 segundos, venceu a 4ª etapa e geral. Na abertura das clássicas da primavera, a Omloop Het Nieuwsblad Elite, Ian Stannard conseguiu a proeza de a vencer numa situação em que estava sozinho contra 3 homens da Etixx - Quick Step.

Em março, Richie Porte voltaria a brilhar com a vitória na geral do Paris-Nice, pelo caminho venceu as 4ª e 7ª etapas. Uma das caras novas estreou-se a ganhar com a camisola da Sky, Wout Poles arrecadou a 4ª etapa do Tirreno-Adriático.
Geraint Thomas também estava a ter um grande inicio de temporada, em março venceu a E3 Harelbeke. Ben Swift também venceu neste mês, a 2ª etapa da Settimana Internazionale Coppi e Bartali e para finalizar o mês, mais uma para Richie Porte, ganhou a geral da Volta à Catalunha.

Em abril e já a pensar no Paris-Roubaix, Bradley Wiggins, ganhou a 3ªb etapa dos 3 dias de Panne. O britânico era a principal aposta da Sky para o Paris-Roubaix, seria a sua última corrida pela equipa. No entanto, a prova não lhe correu de feição, apesar de ter tentado, acabaria por nem ser o melhor da Sky, chegou na 18ª posição.
Ainda neste mês, mais duas vitórias para Richie Porte, no Giro del Trentino, ganharia a 2ª etapa e a geral. O australiano com um começo de ano impressionado, perfilava-se com um dos grandes favoritos para o Giro.
Maio começou bem, com Lars-Petter Nodhaug venceu a 1ª etapa e geral do Tour of Yorkshire. Mas o mês seria marcado pelo Giro, onde a equipa confiava em Richie Porte, que estava a realizar um 2015 de sonho. Mas tudo correu mal ao australiano, que nas primeiras etapas de montanha ainda aguentou com os da frente, mas depois do Wheelgate, Porte afundou-se, acabando por abandonar. A Sky acabaria por vencer 2 etapas, Elia Viviani a 2ª etapa e Vasil Kiryienka a 14ª, num contrarelógio individual.
O Tour estava perto e a última prova para prepará-lo era o Critérium du Dauphiné, onde a equipa deu bons sinais. Peter Kennaugh venceu a 1ª etapa e a grande aposta da equipa para o Tour, Froome venceu a geral e as 7ª e 8ª etapas. Ainda em junho, Vasil Kiryienka sagrou campeão europeu e bielorusso de contrarelógio e Peter Kennaugh campeão britânico de estrada.

No principal objectivo do ano, a equipa conseguiria o principal objectivo, que era a vitória na geral de Chris Froome, o britânico venceu a 10ª etapa e com a ajuda de toda a equipa, mas principalmente de Richie Porte e Geraint Thomas, aguentou o ataque final de Nairo Quintana e da Movistar no Alpe d'Huez.

Chris Froome no pódio em Paris
Após o sucesso na maior prova do mundo, em agosto a equipa continuou a ganhar, Sérgio Henao venceu a 6ª etapa da Volta à Polónia, Elia Viviani venceu a 1ª etapa do Eneco Tour e Leopold Konig ganhou a 3ª etapa da Volta à República Checa.
Em setembro no Tour of Britain, era uma prova importante para a equipa, já que corria em casa. A 1ª, 3ª e 8ª etapas foram vencidas por Elia Viviani e Wout Poels triunfou na 5ª etapa. 
A Vuelta não correu de feição, Froome era a aposta da equipa, no entanto o britânico foi obrigado a abandonar. Nicolas Roche salvou a honra da equipa, ao vencer a 18ª etapa, Mikel Nieve foi o melhor na geral, acabando no 8º lugar.
Nos mundiais, Vasil Kiryienka confirmou o bom ano, ao conquistar o título mundial de contrarelógio, sucedendo a Bradley Wiggins. Perto do final da temporada, no Abu Dhabi, a equipa venceu duas etapas, por Elia Viviani, a 2ª e 4ª. Wout Poels esteve muito perto de conquistar a prova.
Para finalizar o ano, mais uma vitória de Kiryienka num contrarelógio individual, o Chrono des Nations.

Curiosidades e dados estatísticos 
País: Grã-Bretanha
Classificação UCI 2015: 3º
Número de vitórias em 2015: 44 (2ª equipa com mais vitórias em 2015)
Melhor ciclista no ranking UCI 2015: Chris Froome (6º)
Corredor com mais Kms em 2015: Salvatore Puccio (13 891 kms, 42º entre todos os ciclistas em 2015)
Corredor com mais dias de competição: Vasil Kiryienka (89 dias, 27º entre todos os ciclistas em 2015)
Corredor com maior número de vitórias: Richie Porte (9 vitórias, 12º entre todos os ciclistas em 2015)
Orçamento: 20 milhões de Euros
Fornecedor de bicicletas: Pinarello
Outros componentes: Shimano

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário