Volta a Portugal 2019 - Antevisão 3ª etapa

Mais uma etapa que não é carne nem peixe. A prova vai em direção ao interior, com uma chegada numa cidade que já se tornou clássica, Castelo Branco.

Mapa
Perfil
Esta é a segunda etapa mais longa da edição deste ano. Os primeiros 70 Km são praticamente planos, com duas metas volantes pelo meio, em Alpiarça (Km 11) e Abrantes (76 Km).
A primeira subida categorizada é a de Penhascoso, subida de 4ª categoria. O terreno nos últimos 100 Km, é de constante sobe e desce. A subida mais dura é a de Gavião, com 4.3 Km a 5.3%, que está sensivelmente a 70 Km da meta.
Os últimos 30 Km tem no menu a subida à Serra de São Miguel e Retaxo Cebolar de cima, esta última é bem longa, mas muito suave, são 13.3 Km a 2.3%.
Os ultimos 3 Km são já em Castelo Branco, em subida, mas muito suave. Mais uma vez as rotundas marcam o final e a reta da meta é em empedrado. Samuel Caldeira foi o último a vencer nesta chegada, em 2017.

Últimos Km
Metas Volantes:  
Km 11 - Alpiarca
Km 76 - Abrantes
Km 170 - Vila Velha de Rodao

KOM SPRINTS: 
Km 94 - Penhascoso (4ª Cat., 2.7 Km a 4.1%, ), 
Km 123 - Gaviao (3ª Cat., 4.3 Km a 5.3%, ), 
Km 163 - Serra de São Miguel (4ª Cat., 4.0 Km a 4.2%, ), 
Km 186.5 - Retaxo Cebolais de Cima (4ª Cat., 13.3 Km a 2.3%, ).




Cidade de partida: Santarém

Mercado municipal de Santarém
A capital do Ribatejo, com mais de 60 000 habitantes divididos por 18 freguesias. Povoado muito antigo, os primeiros relatos da sua existência remontam ao séc. VII A.C.
Conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques em março de 1147, a capital ribatejana foi palco de muitas Cortes, mas a sua importância foi decrescendo ao longo do tempo em detrimento de Lisboa.
A lezíria e o rio Tejo dominam a paisagem ao redor de Santarém, que conta com um património rico, destacam-se: Sé Catedral, Muralhas da Porta do Sol, Igreja de Nossa Srª da Graça e Mercado Municipal.

Cidade de chegada: Castelo Branco

Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco 
Castelo Branco pertence ao distrito com o mesmo nome. É ainda sede de concelho com 25 freguesias (após a reorganização territorial passaram a 19). Em 2006, num estudo da DECO, Castelo Branco foi considerado o segundo distrito do país com melhor qualidade de vida.
Um dos produtos mais conhecidos da região é o bordado de Castelo Branco. Trata-se de colchas de linho bordadas a fio de seda natural com inspiração oriental. 
Castelo Branco ostenta um vasto e rico património. Ao passearmos pela cidade verificamos que existem diversas influências como os Templários e até aos judeus. No património arquitectónico é observável vários estilos, manuelino, barroco ou mesmo o renascentista. Não percam o Castelo, que se pensa ter sido construído na idade média, o Paço Episcopal que actualmente é o Museu Francisco Tavares Proença Júnior e até o Jardim do Paço Episcopal com a Escadaria dos Reis.

Condições meteorológicas

Dia de muito calor e seco, com as temperaturas a poderem chegar aos 36ºC. O vento vai soprar moderado de Oeste, significa que grande parte da etapa será feito com vento a favor.

Favoritos

Fuga?
Não.
Mais um dia que a fuga não vai ter sucesso. Dia para as equipas dos sprinters controlarem a corrida e no final lançarem as suas cartas.
É uma chegada muito particular, os homens da W52-FC Porto são claros candidatos, Daniel Mestre está em boa forma e Samuel Caldeira sabe como vencer em Castelo Branco.
Luis Mendonça esteve bem na etapa anterior, esta assenta-lhe melhor, menos empinado o final.
Ainda das equipas portugueses, temos João Matias, que tem sido uma desilusão até ao momento, a 1ª etapa era perfeita para ele e este longe de a disputar, veremos o que faz nesta. Daniel Freitas é outro homem a ter em conta.
Das equipas estrangeiras, Mateo Malucelli é talvez o sprinter puro mais poderoso, tem de estar melhor colocado, na 1ª etapa, falhou nesse aspeto, o que lhe custou a disputa pela vitória.
Markel Aristi, venceu a 2ª etapa, mas o final era duro, em Castelo Branco não acreditamos que consiga repetir, a chegada é mais suave. Ao contrário de Davide Appollonio, que tem aqui nova oportunidade de ganhar.

⭐⭐⭐Daniel Mestre, Luis Mendonça
⭐⭐ Samuel Caldeira João Matias, Davide Appollonio, Mateo Malucelli
⭐ August Jensen, Daniel Freitas, Bram Welten, Markel Aristi

A nossa aposta: Daniel Mestre
Está em grande forma e tem cheirado a vitória. Esta chegada por ser em empedrado e em ligeira subida, dá-lhe ligeira vantagem sobre homens como Appollonio ou Malucelli.
Pensamos que esta será entre ele e Mendonça.

Joker: Samuel Caldeira
Venceu em 2017, dá-se muito bem no empedrado e está em grande forma. A equipa tem duas cartas fortes para esta chegada, resta saber em quem irão apostar e que papel terá o Algarvio, se irá trabalhar para Daniel Mestre ou tem liberdade para tentar repetir a vitória de etapa.


Seguir em directo: #eugostodavolta#voltaportugal@VoltaPortugal
TV: RTP 1 (a partir das 15:00)

Horário Portugal continental

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário