Volta à França 2019 - Antevisão 9ª Etapa

Dia da Bastilha.
Segundo dia consecutivo no maciço central e o terreno não muda. Não tem alta-montanha, mas o constante sobe e desce faz mossa no pelotão.

Mapa
Perfil
A etapa começa com uma uma descida, seguido de uma subida não categorizada até Chambles. Mas a primeira subida categorizada está colocada um pouco antes dos 40 Km e é logo de 1ª categoria, Mur d'Aurec-sur-Loire, ascensão extremamente empinada, são 3.2 Km a 10.7%
Segue-se 56 Km com muito sobe e desce, mas sem grandes dificuldades. O sprint intermédio em Arlanc está colocado ao Km 92, logo após uma longa descida de 15 Km.
Em Arlanc começa a segunda subida categorizada, mais 'suave' em relação à primeira, Cote des Guillamanches 7.8 Km a 4.1%. O terreno volta a dar tréguas, a etapa anterior neste capitulo era bem mais exigente, já que praticamente não deu tréguas.
A última contagem de montanha, a Cote de Saint-Just, são 3.6 Km a 7.3% e deve ser o placo de ataques decisivos para a resolução da etapa. Os últimos 12,5 Km são em descida, com uma pequena subida a meio, mas que não deve ter influência.

Últimos Km
Sprints intermédios: 
- Arlanc (Km 92.1), 
- Cote de Saint-Just (Km 157.7).

Subidas categorizadas: 
- Mur d'Aurec-sur-Loire (1ª Cat., 795 m, 3.2 Km a 10.7%, Km 36.4),
- Cote des Guillamanches (3ª Cat., 1018 m, 7.8 Km a 4.1%, Km 105.9),
- Cote de Saint-Just (3ª Cat., 734 m, 3.6 Km a 7.3%, Km 157.7).

Subidas do dia
Cidade de partida: Saint-Étienne

Praça principal de Saint-Étienne
Em Saint-Etienne, o design transpira pelas paredes. Através dos 700 hectares de parques e de espaços verdes, a escultura tem o seu lugar. As decorações urbanas trazem à cidade um ar renovado. E é, por esse motivo, membro da lista da UNESCO das cidades criativas.
Sempre em movimento, Saint-Etienne apresente grandes acontecimentos culturais, desportivos e festivais ao longo do ano.
A Bienal Internacional do Design, acontecimento importante e vanguardista aberto a todos, é ao mesmo tempo uma vitrine da criatividade em design e um verdadeiro laboratório vivo. Exposições temáticas, reuniões, conferências e performances questionam constantemente o olhar e a curiosidade dos visitantes.
Desde sempre, a cidade mantém uma estreita relação com a técnica e a indústria. Esta experiência e este know-how fazem com que hoje a cidade desenvolva projectos com muito potencial.

Cidade de partida: Brioude
Centro histórico da cidade de Brioude
A história da cidade remonta aos tempos romanos, quando "Brivas" era um pequeno forte militar que guardava a travessia do rio Allier na estrada de Augustonemetum (Clermont Ferrand) para Rouession (perto de Le Puy). O forte romano estava localizado ao sul da cidade actual, num ponto que é agora a bonita vila de Vieille Brioude.
A nova cidade de Brioude cresceu a partir do século IV no local do santuário de Saint Julien. Julien foi um centurião romano martirizado por causa da sua fé cristã, e o santuário em que estão preservadas até hoje algumas das suas relíquias, está localizado na cripta da basílica de Saint Julien, a grande igreja histórica de peregrinação no meio de Brioude.
O santuário original de Saint Julien remonta ao século IV ou V e, no final do século VI, atraía peregrinos de toda a França.
No século IX, Brioude tornou-se uma das cinco principais cidades de Auvergne mas, devido à sua localização, cercada por montanhas por todos os lados, excepto o norte, Brioude era muitas vezes isolada do resto da França. É em parte por essa razão que o tecido urbano de Brioude, com a sua arquitectura tradicional, nunca foi desfigurado pela modernização agressiva nos séculos XIX e XX.

Condições meteorológicas

Dia com céu limpo.
Temperatura a variar entre os 22 a 26ºC durante a etapa.
O vento vai soprar moderado de Norte, o que significa que soprará lateralmente a maioria da etapa.

Favoritos

Fuga?
Depois o espetáculo de Thomas de Gendt, esta etapa é ainda mais interessante para uyma fuga, já que a Deceuninck-QuickStep conseguiu o queria, ter a amarela no corpo de Alaphilippe, por essa razão, não se deve importar com uma fuga com gente longe na geral. Assim podem 'descansar' do enorme desgaste que já têm nas pernas.
A Bora-Hansgrohe e a Sunweb podem ter outras ideias, mas é muito dificil de controlar neste terreno e não é seguro que Matthews e Sagan sobrevivam à última subida, até pelo o desgaste dos últimos dias. A fuga desta vez leva com 3 estrelas.

⭐⭐⭐ Rui Costa, Tim Wellens, Jesus Herrada, Lilian Calmejane, Maximilian Schachmann, Alberto Bettiol, Omar Fraile, Fabio Felline, José Gonçalves
⭐⭐ Peter Sagan, Michael Matthews, Greg Van Avermaet
⭐ Julian Alaphilippe, Sonny Colbrelli, Tiesj Benoot, Alberto Bettiol, Matteo Trentin, Xandro Meurisse

A nossa aposta: Rui Costa
É sempre uma lotaria apostar quem ganhará a partir de uma fuga, pior ainda quando no dia anterior o rei das fugas ganhou uma etapa 200 Km em fuga, isso quer dizer que não é opção para esta etapa. Vamos puxar a brasa à nossa sardinha (portuguesa) e vamos com Rui Costa.
O poveiro está longe da geral, ou seja, tem uma certa liberdade e adapta-se perfeitamente a este terreno.


Joker: Peter Sagan
Se chegar um grupo de 30 ou 40 corredores, é provável que Sagan esteja nele e será dos mais rápidos. Tudo depende de como a sua equipa abordará a etapa.
A camisola amarela que o vencedor irá usar nesta etapa homenageia o estádio de futebol do AS Saint-Étienne, Stade Geoffroy-Guichard, que é também conhecido como 'o caldeirão'.



Seguir em directo: #tdf2019, #letour, #tourdefrance, #tdf

(a partir das 11:55)

(a partir das 13:10)

Horário Portugal continental




Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário