Paris-Nice (2.WT) - Antevisão


A 78ª edição da 'corrida do Sol' arranca este domingo numa pequena localidade situada a uns quilómetros da capital francesa.
A prova realizou-se pela primeira vez em 1933 e foi vencida por Alfons Schepers da Bélgica.O Paris-Nice é muitas vezes referenciado como o 'verdadeiro' inicio da temporada de ciclismo, no entanto, nos últimos anos com a introdução de novas provas, cada vez menos se faz essa referência.
O ciclista com mais sucesso no Paris-Nice é o Irlandês Sean Kelly que venceu sete edições consecutivas, entre 1982-1988, um feito notável. A lista de vencedores é de autêntico luxo, sendo uma das provas com maior prestigio a seguir às Grandes Voltas. Além do já referenciado Sean Kelly, Jacques Anquetil, Eddy Merckx, Joop Zoetemelk, Raymond Poulidor, Miguel Indurain, Tony Rominger, Laurent Jalabert  e Alberto Contador.

História

últimos 10 vencedores
2009 Luis León Sánchez (ESP) Caisse d'Epargne
2010 Alberto Contador (ESP) Astana
2011 Tony Martin (GER) HTC–Highroad
2012 Bradley Wiggins (GBR) Team Sky
2013 Richie Porte (AUS) Team Sky
2014 Carlos Betancur (COL) Ag2r–La Mondiale
2015 Richie Porte (AUS) Team Sky
2016 Geraint Thomas (GBR) Team Sky
2017 Sérgio Henao (COL) Team Sky
2018 Marc Soler (ESP) Movistar

Edição 2018 (Top-10)
1    Marc Soler (Spa) Movistar Team    30:22:41   
2    Simon Yates (GBr) Mitchelton-Scott    0:00:04   
3    Gorka Izagirre (Spa) Bahrain-Merida    0:00:14   
4    Ion Izagirre (Spa) Bahrain-Merida    0:00:16   
5    Tim Wellens (Bel) Lotto Soudal        
6    Dylan Teuns (Bel) BMC Racing Team    0:00:32   
7    Patrick Konrad (Aut) Bora-Hansgrohe    0:00:44   
8    Alexis Vuillermoz (Fra) AG2R La Mondiale    0:01:54   
9    David De La Cruz (Spa) Team Sky    0:02:15   
10    Felix Grossschartner (Aut) Bora-Hansgrohe    0:02:35

Percurso

10/3 Etapa 1 - Saint-Germain-en-Laye › Saint-Germain-en-Laye (138.5 Km)
11/3 Etapa 2 - Les Bréviaires › Bellegarde (163.5 Km)
12/3 Etapa 3 - Cepoy › Moulines/Yzeure (200 Km)

13/3 Etapa 4 - Vichy › Pélussin (210.5 Km)
14/3 Etapa 5 (CRI) - Barbentane › Barbentane (25.5 Km)
15/3 Etapa 6 - Peynier › Brignoles (210.5 Km)
16/3 Etapa 7 - Nice › Col de Turini (181.5 Km)
17/3 Etapa 8 - Nice › Nice (110 Km)
Total: 1206 Km

O percurso deste ano pode ser dividido em duas partes, com o contrarrelógio a ser a referência que faz a transição.
As primeiras três etapas são ideais para os homens rápidos, o único factor que pode mudar muito o desenrolar são as condições atmosféricas, não é aqui que os homens da geral vão ganhar a prova, mas podem-na perder, atenção aos cortes no pelotão. A 4ª etapa tem um final que assenta melhor a ciclistas explosivos e a ataques perto do final.
O contrarrelógio vai ser importante para definir a primeira ordem entre os homens da geral. Os trepadores terão de minorizar as perdas para manterem as hipóteses intactas.
A 6ª etapa é de transição, não é de montanha, mas também não é plana. 
As duas últimas etapas são as que irão decidir o vencedor, a 7ª termina no Col de Turini, uma subida muito dura, 14.9 Km a 7.3%, num dia com seis contagens de montanha. A etapa final tem tido o mesmo percurso nas últimas edições, com muita emoção. São seis contagens de montanha, de 2ª e 1ª categoria. A descida do Col de Quatre Chemins até à meta em Nice já se tornou numa tradição e uma imagem de marca da última etapa.

Perfis

10/3 Etapa 1 - Saint-Germain-en-Laye › Saint-Germain-en-Laye (138.5 Km)


Sprints intermédio:
- Les Flambertins (182 m, Km 119.7),
- Saint-Germain-en-Laye (71 m, Km 135.8).

Subidas categorizadas: 
- Cote de Beynes (3ª Cat., 104 m, 1.0 Km a 4.9%, Km 20.2),
- Cote de Beule (3ª Cat., 177 m, 2.8 Km a 4.7%, Km 111.9).

11/3 Etapa 2 - Les Bréviaires › Bellegarde (163.5 Km)


Sprints intermédios: 
- Méréville (127 m, Km 84.5),
- 1ª passagem na meta (113 m, Km 140.5).

Subidas categorizadas: 
- Cote de Senlisse (3ª Cat., 171 m, 0.9 Km a 5.6%, Km 26.3),
- Cote des Granges-le-Roi (3ª Cat., 149 m, 1.4 Km a 3.6%, Km 54.1).

12/3 Etapa 3 - Cepoy › Moulines/Yzeure (200 Km)

Sprints intermédios: 
- Chatillon-Coligny (130 m, Km 23.5),
- Bagneux (200 m, Km 180.2).

13/3 Etapa 4 - Vichy › Pélussin (210.5 Km)


Sprints intermédios:
- Saint-Priest-la-Prugne (756 m, Km 34.5),
- 1ª passagem pela meta (445 m, Km 191.9).

Subidas categorizadas:
- Cote de Cheval Rigon (3ª Cat., 590 m, 7.6 Km a 3.1%, Km 17.9),
- Cote de Trèves (2ª Cat., 384 m, 3.2 Km a 5.2%, Km 152.2),
- Cote de Condrieu (1ª Cat., 320 m, 2.2 Km a 7.5%, Km 168.2),
- Cote de Saint-Michel-sur-Rhone (2ª Cat., 347 m, 3.3 Km a 6.0%, Km 182.9),
- Cote de Chavanay (2ª Cat., 330 m, 4.1 Km a 3.4%, Km 201.4).

14/3 Etapa 5 (CRI) - Barbentane › Barbentane (25.5 Km)

15/3 Etapa 6 - Peynier › Brignoles (210.5 Km)

Sprints intermédios: 
- Col de la Bigue (1 km @ 6,8%) (418 m, Km 146.9),
- Camps-la-Source (1 km @ 3,2%) (302 m, Km 173.1).

Subidas categorizadas: 
- Cote de la Sainte-Baume (2ª Cat., 677 m, 5.2 Km a 5.0%, Km 114.2),
- Cote de Mazaugues (3ª Cat., 492 m, 1.4 Km a 5.4%, Km 131.1),
- Cote de Sainte-Philomène (2ª Cat., 433 m, 8.1 Km a 3.0%, Km 159.2).

16/3 Etapa 7 - Nice › Col de Turini (181.5 Km)

Sprints intermédios:
- Coursegoules (997 m, Km 72.9),
- La Bollène-Vésubie (679 m, Km 170.8).

Subidas categorizadas: 
- Cote de Gattières (2ª Cat., 262 m, 4.5 Km a 4.7%, Km 10.8),
- Cote de Gourdon (2ª Cat., 735 m, 7.8 Km a 4.1%, Km 47.6),
- Cote de Coursegoules (2ª Cat., 979 m, 8.5 Km a 4.8%, Km 70.8),
- Cote de Gilette (3ª Cat., 603 m, 2.1 Km a 7.1%, Km 126.8),
- Cote de Pelasque (1ª Cat., 705 m, 5.7 Km a 6.3%, Km 161.9),
- Col de Turini (1ª Cat., 1605 m, 15.3 Km a 7.2%, META).

17/3 Etapa 8 - Nice › Nice (110 Km)

Sprints intermédios:
- Levens (541 m, Km 24.4),
- La Turbie (479 m, Km 79.0).

Subidas categorizadas: 
- Côte de Levens (2ª Cat., 473 m, 6.2 Km a 5.8%, Km 20.8),
- Côte de Chateaueuf (2ª Cat., 624 m, 5.3 Km a 4.5%, Km 36.9),
- Col de Calaison (2ª Cat., 478 m, 6.3 Km a 4.4%, Km 51.7),
- Côte de Peille (1ª Cat., 650 m, 6.5 Km a 6.9%, Km 67.8),
- Col d'Eze (1ª Cat., 502 m, 1.7 Km a 8.5%, Km 84.0),
- Col de Quatre Chemins (2ª Cat., 327 m, 5.5 Km a 5.4%, Km 101.8

Startlist

Aqui

Condições meteorológicas

Para a primeira etapa é esperada chuva e muito vento, ideal para que hajam cortes no pelotão. A meteorologia adversa já é uma tradição na prova e este ano não deverá ser diferente.

Favoritos

Sprinters
⭐⭐⭐ Dylan Groenewegen
⭐⭐ Arnaud Demare, Fabio Jakobsen, Sam Bennett
⭐ Alexander Kristoff, Michael Matthews, Caleb Ewan, Marcel Kittel, André Greipel, Bryan Coquard

Geral
⭐⭐⭐⭐⭐ Simon Yates
⭐⭐⭐⭐ Ion Izagirre, Egan Bernal, Wilco Kelderman
⭐⭐⭐ Miguel Angel Lopez, Ilnur Zakarin, Nairo Quintana
⭐⭐ Bob Jungels, Ivan Sosa, Romain Bardet, Marc Soler
⭐ Rigoberto Uran, Warren Barguil, Sergio Henao, Domenico Pozzivovo, George Bennett

A nossa aposta: Simon Yates
Ganhou ritmo nas duas primeiras etapas da Vuelta a Andalucia para depois vencer a etapa rainha da prova. O britânico foi 2º no ano passado a apenas 4 segundos de Soler e este ano volta à prova francesa para conseguir aquilo que não conseguiu em 2018.
Melhorou muito no contrarrelógio, por isso deve-se defender bem e nas últimas duas etapas tem a hipótese de se exibir no seu terreno.

Outsider: Egan Bernal
Já mostrou algum nível na Colômbia, onde acabou a trabalhar para Sosa. Aqui já deverá estar a um nível muito bom, o únic problema é o contrarrelógio individual.
A Sky não tem estado muito feliz neste inicio de temporada, com o alinhamento que apresentam no Paris-Nice têm obrigação de fazer um bom resultado e lutar pela vitória.

Seguir em direto: @ParisNice, #ParisNice
(consultar programação do canal)




Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário