Paris-Tours (1.HC) - Antevisão


A temporada caminha a passos largos para o seu final e o Paris-Tours é uma das provas mais importantes nesta altura do ano. Não sendo um monumento, não deixa de ser muito importante e podia perfeitamente estar no calendário do World Tour.
A edição deste ano será a 112ª, uma das mais antigas presentes no calendário. Os belgas dominam a lista de vencedores com 41 vitórias seguidos dos franceses com 31. É uma clássica muito ao jeito dos sprinters, não é por acaso que é conhecida como a 'clássica dos sprinters' e a lista de vencedores de facto tem um número apreciável de velocistas.

História

últimos 10 vencedores
2008 Philippe Gilbert (BEL) Française des Jeux
2009 Philippe Gilbert (BEL) Silence-Lotto
2010 Oscar Freire (ESP) Rabobank
2011 Greg Van Avermaet (BEL) BMC Racing Team
2012 Marco Marcato (ITA) Vacansoleil-DCM
2013 John Degenkolb (GER) Argos-Shimano
2014 Jelle Wallays (BEL) Topsport Vlaanderen-Baloise
2015 Matteo Trentin (ITA) Etixx - Quick Step
2016 Fernando Gavíria (COL) Etixx - Quick Step
2017 Matteo Trentin (ITA) Quick-Step Floors

Edição 2017 (Top-10)
1    Matteo Trentin (Ita) Quick-Step Floors    5:22:51   
2    Søren Kragh Andersen (Den) Team Sunweb        
3    Niki Terpstra (Ned) Quick-Step Floors    0:00:01   
4    André Greipel (Ger) Lotto Soudal    0:00:07   
5    Maximiliano Richeze (Arg) Quick-Step Floors        
6    Oliver Naesen (Bel) AG2R La Mondiale        
7    Yves Lampaert (Bel) Quick-Step Floors        
8    Andrea Pasqualon (Ita) Wanty - Groupe Gobert        
9    Mike Teunissen (Ned) Team Sunweb        
10    Jean-Pierre Drucker (Lux) BMC Racing Team

Percurso

Chartres > Tours, 211.5 Km

Perfil

A prova tinha características ideais para os sprinters, no entanto, este ano a organização decidiu endurecer um pouco o percurso e ainda adicionar setores de terra batida nos últimos 50 Km . Por essa razão duvidamos que esta edição seja dominada pelos sprinters.
Os primeiros 150 Km são praticamente planos, onde o principal interesse está nos possíveis cortes no pelotão devido ao vento. A partir da Côte de Nazelles-Négron, a dureza começa com as cotas a sucederem-se e os setores de terra batida também.
Ao todo são 7 cotas categorizadas e 9 setores de terra (12,5 Km), a colocação à entrada de cada secção é muito importante. Por essa razão ter um bloco organizado e capaz de colocar os líderes têm vantagem em relação às equipas mais desorganizadas.

Muros:
- Côte de Nazelles-Négron (98 m, 0.6 Km a 6.7%, Km 150.4), 
- Côte de Goguenne (91 m, 0.7 Km a 5.8%, Km 171.6), 
- Côte de Montfort (93 m, 0.7 Km a 4.5%, Km 176.2), 
- Côte de La Rochère (93 m, 0.4 Km a 10.7%, Km 183.4), 
- Côte de La Valléè Chartier (93 m, 0.7 Km a 5.8%, Km 189.2), 
- Côte de Vouvray (90 m, 0.5 Km a 5.3%, Km 194.6),
- Côte de Rochecorbon (100 m, 0.8 Km a 4.7%, Km 201.3).

Setores de terra: 
1. Château de Valmer (⭐, 400 m, Km 162.6),
2. La Vallée de Rayé (⭐⭐, 1400 m, Km 164.8),
3. Vauvelle (⭐⭐⭐, 2500 m, Km 174.2),
4. Les Pâtures (⭐⭐, 1900 m, Km 178.3),
5. La Bézardière (⭐⭐, 1200 m, Km 182.4),
6. La Coudraie (⭐⭐, 1000 m, Km 184.4),
7. Noue du Saule (⭐⭐⭐, 1500 m, Km 188.2),
8. Val Cèsar (⭐⭐, 1700 m, Km 191.0),
9. Chemin de la Croix Besnard (⭐, 800 m, Km 198.8).

Detalhe dos setores de terra
A chegada a Tours tem uma viragem para a esquerda a 800 metros do fim, que dá acesso à reta de meta. Num grupo numeroso a colocação antes da curva é essencial. 

Mapa do último Km
Startlist

Aqui

Condições meteorológicas

Dia com possibilidade chuva, temperatura a rondar os 17ºC e vento forte de Nordeste, que significa que na maior parte do percurso estará de costas.


Favoritos

⭐⭐⭐⭐⭐ Oliver Naesen
⭐⭐⭐⭐ Arnaud Demare, Philippe Gilbert, Yves Lampaert
⭐⭐⭐ Christophe Laporte , André Greipel, Dylan Groenewegen, Tiesj Benoot,
⭐⭐ Niki Terpstra, Sep Vanmarcke, Timothy Dupont, Timo Roosen,  Søren Kragh Andersen
⭐ Florian Senechal,  Edvald Boasson Hagen, Andrea Pasqualon, Jonas Van Genechten, Fabio Jakobsen 

A nossa aposta: Oliver Naesen
Está em grande forma, é um ciclista que além da sua qualidade para andar em percursos destes, tem uma boa ponta final. Está a realizar um final de temporada muito forte e tem uma equipa forte para o apoiar que conta com: Vandenbergh, Duval, Dillier, Gougeard, Cosnefroy e Venturini.

Outsider: Philippe Gilbert
Regressou à competição com uma vitória. Está em forma nesta fase da temporada e conta com a melhor equipa, onde além dele Lampaert, Senechal e Terpstra podem fazer estragos.
O percurso é favorável ao belga e num sprint reduzido, é um favorito.

Seguir em directo: @ParisTours#ParisTours
(a partir das 14:15 hora de Portugal continental)

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário