Campeonato do mundo CRE 2018 - Antevisão


Desde 2012 que a UCI fez regressar aos mundiais de ciclismo, o contrarelógio por equipas no programa.
Entre 1962 e 1995, esta prova era disputada por selecções nacionais, desde 1995 até 2012 a especialidades deixou de se realizar. A atual Quick-Step, que então se chamava Omega-Pharma-Quick-Step foi a primeira campeã do mundo neste novo formato, repetiria em  2013 e 2016. Enquanto que em 2014 e 2015 a BMC foi a vencedora e no ano passado a Team Sunweb estreou-se na lista de ganhadores.
Este formato será substituído pelo regresso ao modelo das seleções.

Edição 2017

1    Team Sunweb    0:47:50        
2    BMC Racing Team    0:00:08         
3    Team Sky    0:00:22             
4    Quick-Step Floors    0:00:35        
5    Orica-Scott    0:01:03        
6    Movistar Team    0:01:19         
7    Team LottoNL-Jumbo    0:01:20             
8    CCC Sprandi Polkowice    0:01:44        
9    Katusha-Alpecin    0:01:46         
10    Bora-Hansgrohe    0:01:55         
11    Astana Pro Team    0:02:16        
12    Trek-Segafredo    0:02:50         
13    Joker Icopal    0:03:08         
14    Sangemini - Mg. K Vis    0:05:02               
15    Uno - X Hydrogen Development Team    0:05:10             
16    Team Fixit.No    0:05:21        
17    Team Sparebanken Sør    0:05:30        

Percurso

Ötztal › Innsbruck (62.8 Km)


O percurso é profundamente afectado pela subida de Axams, que começa aos 40 Km de prova, depois de um percurso praticamente plano até aí.



A ascensão tem cerca de 4 Km de extensão, a 6% de inclinação máxima, os primeiros 2 Km são os mais duros, com 8% de média e rampas que podem passar os 10%. Depois de alcançar o topo até Gotzens, curta descida e uma ligeira subida até iniciar uma descida íngreme para o vale. Os últimos 10 Km são completamente planos.
Como em qualquer contrarrelógio por equipas, gerir o esforço entre os vários elementos é crucial. Queimar todos os roladores nos primeiros 40 Km não é boa ideia, porque os últimos 10 são planos.

Startlist


Condições atmosféricas


Probabilidade baixa de chuva, temperatura alta para a época do ano, 28ºC. O vento vai soprar moderado, no inicio da tarde de Oeste e depois muda para Sul.

Favoritos

⭐⭐⭐⭐⭐ BMC
Equipa campeã do mundo em 2014 e 2015, foram batidos pela Etixx-QuickStep em 2016 e em 2017 pela Sunweb. No entanto, nas provas durante o ano têm sido consistentemente a melhor equipa na especialidade, apresenta uma equipa fortíssima e bem oleada, liderada por Rohan Dennis e Stefan Kung.

⭐⭐⭐⭐ Team Sunweb
Surpreendeu no ano passado, chegrama a Bergen como outsiders e acabaram por arrasar. Têm nas fileiras um dos melhores especialistas, Tom Dumoulin e com um percurso como este, não será surpresa se renovarem o título.

⭐⭐⭐ Team Sky, Quick-Step Floors
A Sky apresentou no ano passado a melhor equipa possível, mesmo assim foi insuficiente. Este ano, não apresentam a melhor equipa, mas têm um conjunto muito forte com destaque para, Castroviejo, Kiriyenka, Moscon e Kwiatkowski. Não são os principais favoritos, mas seguramente vão lutar pelo pódio.
A Quick-Step Floors em tempos foi a melhor equipa nesta especialidade. Neste momento não tem uma equipa muito forte, mas mesmo assim apresentam um conjunto homogêneo e que pode e deve lutar pelas medalhas. O problema está na subida, a Quick-Step das principais equipas é aquela que poderá perder mais tempo nesse troço do percurso.

⭐⭐ Mitchelton-Scott, LottoNL-Jumbo
A Mitchelton-Scott está motivada pela vitória de Simon Yates na Vuelta. A equipa australiana não tem nenhum super-contrarrelogista, mas compensa isso com uma enorme consistência e unidade de todos os elementos. Os contrarrelógios coletivos deles este ano correram bem e notou-se trabalho de casa.
A LottoNL-Jumbo se tivesse Primoz Roglic no alinhamento tinha mais uma estrela. Mas sem o esloveno, fica-se pelas duas estrelas. A equipa holandesa não está na máxima força, mas mesmo assim apresenta um conjunto interessante com Jos Van Emden a ser o principal motor.

⭐ Katusha-Alpecin, Bora-Hansgrohe, Movistar
A Katusha no papel parece uma grande equipa para este contrarrelógio, porém, a equipa russa passa por uma crise desportiva profunda. 
A Bora-Hansgrohe tem um conjunto interessante, onde a principal peça para esta prova é Macjei Bodnar. 
A Movistar em outros anos era uma candidata ao pódio, agora não o é. Nélson Oliveira é o principal especialista no conjunto.

A nossa aposta: Luta muito equilibrada entre Sunweb e BMC, que cairá para a equipa americana.

Apostas no sector feminino:
1. Team Sunweb
2. Boels Dolmans
3. Mitchelton-Scott





Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário