Volta à França 2018 - Antevisão 12ª Etapa

Terceiro e último dia nos Alpes, com o final a situar-se num dos marcos mais importantes do ciclismo, o Alpe d'Huez.

Rescaldo 11ª etapa:

Dia marcado pelo domínio absoluto da Sky. A etapa era curta, com muita montanha e desde cedo se percebeu que seria realizada a todo gás.
Sagan mais uma vez foi dos primeiros a mexerem-se para arrecadar os pontos do sprint intermédio. Além de Sagan, o grupo continha: Warren Barguil (Fortuneo-Samsic), Damiano Caruso (BMC Racing), Romain Sicard (Direct Energie) e Dani Navarro (Cofidis). Na ascensão do Montée de Bisanne, rapidamente se juntaram à frente o grupo perseguidor: Julian Alaphilippe (Quick-Step Floors), Mathias Frank (AG2R La Mondiale), Chad Hagan, Soren Kragh Andersen (Sunweb), Maxime Bouet, Amael Moinard, Romain Hardy (Fortuneo-Samsic), Gorka Izaguirre (Bahrain-Merida), Marc Soler (Movistar), Tejay van Garderen, Stefan Kung (BMC), Pawel Poljanski (Bora-Hansgrohe), Michael Valgren, Tanel Kanger, (Astana), Serge Pauwels (Dimension Data), Thomas De Gendt, Tomasz Marczynski (Lotto Soudal), Rein Taaramae, Jerome Cousin (Direct Energie), Toms Skujins (Trek-Segafredo), Jesus Herrada, Anthony Perez (Cofidis), Mikel Nieve, Damian Howson (Mitchelton-Scott), Darwin Atapuma (UAE Team Emirates), Arthur Vichot, Rudy Molard (Groupama-FDJ), Guillaume Martin (Wanty Groupe Gobert), Pierre Rolland (EF-Drapac).
Alaphilippe arrecadou os pontos da montanha, reforçando a liderança.
No Col de Pré a corrida animaria com o ataque de Valverde a meio da ascensão, coma Sky a liderar o grupo de favoritos. O murciano fez a ponte para o colega de equipa, Marc Soler. Enquanto isso Barguil, Alaphilippe e  De Gendt, que tinham escapado, tinham novamente companhia na frente, o grupo era novamente grande. Barguil passaria na frente no top, Alaphilippe tinha ficado para trás.
Rigoberto Uran era a primeira vitima no pelotão, ficava para trás o segundo classificado da edição de 2017. No topo, a dupla da Movistar estava com 1 minuto e 10 de avanço sobre o pelotão.
Em Cormet de Roselend, a Bahrain-Merida decidiu trabalhar na frente do pelotão, o que fez com que a diferença de Valverde começasse a diminuir.

A subida final foi bastante movimentada e as diferenças foram consideráveis. Tom Dumoulin na descida atacou com a ajuda de Sore Kragh Andersen e apanharia Valverde.
Nieve atacou na frente e descarregou os colegas de fuga. Enquanto isso, Valverde acabaria por ceder ao ritmo de Dumoulin. No grupo dos favoritos, depois do trabalho de Kwiatkowski, Thomas atacou e apanhou Dumoulin, Froome não satisfeito também acabou de descarregar Quintana, Roglic, Bardet e companhia, num autêntico monólogo da Sky.
Thomas quando viu Froome chegar, disparou na frente, passou Nieve e venceu a etapa. Froome ainda tentou se livrar de Dumoulin, mas o holandês acabaria mesmo por terminar mais forte que o britânico.
Geraint Thomas é o novo camisola amarela.

Combativo do dia: Alejandro Valverde (Movistar)

Classificação da 11ª etapa:
1 Geraint Thomas (GBr) Team Sky 3:29:36    
2 Tom Dumoulin (Ned) Team Sunweb 0:00:20    
3 Chris Froome (GBr) Team Sky         
4 Damiano Caruso (Ita) BMC Racing Team 0:00:22    
5 Mikel Nieve (Spa) Mitchelton-Scott         
6 Daniel Martin (Irl) UAE Team Emirates 0:00:27    
7 Jesus Herrada (Spa) Cofidis, Solutions Credits 0:00:57    
8 Romain Bardet (Fra) AG2R La Mondiale 0:00:59    
9 Vincenzo Nibali (Ita) Bahrain-Merida         
10 Nairo Quintana (Col) Movistar Team

Geral individual (Top-10):
1 Geraint Thomas (GBr) Team Sky 44:06:16    
2 Chris Froome (GBr) Team Sky    0:01:25    
3 Tom Dumoulin (Ned) Team Sunweb 0:01:44    
4 Vincenzo Nibali (Ita) Bahrain-Merida 0:02:14    
5 Primoz Roglic (Slo) LottoNL-Jumbo 0:02:23    
6 Steven Kruijswijk (Ned) LottoNL-Jumbo    0:02:40    
7 Mikel Landa (Spa) Movistar Team 0:02:56    
8 Romain Bardet (Fra) AG2R La Mondiale 0:02:58    
9 Nairo Quintana (Col) Movistar Team 0:03:16    
10 Daniel Martin (Irl) UAE Team Emirates

Diferenças entre os líderes:
1. Geraint Thomas (Team Sky)
2. Chris Froome (Team Sky) a 1’25″
3. Tom Dumoulin (Team Sunweb) a 1’44”
4. Vincenzo Nibali (Bahrain-Merida) a 2’14”
5. Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo) a 2’23”
6. Steven Kruijswijk (LottoNL-Jumbo) a 2’40”
7. Mikel Landa (Movistar Team) a 2’56″
8. Romain Bardet (AG2R La Mondiale) a 2’58”
9. Nairo Quintana (Movistar Team) a 3’16”
10. Dan Martin (UAE Team Emirates) a 3’16”
11. Alejandro Valverde (Movistar Team) a 4’28″
12. Jakob Fuglsang (Astana) a 4’53″
13. Ilnur Zakarin (Katusha-Alpecin) a 4’58”
15. Bob Jungels (Quick-Step Floors) a 5’50″
16. Adam Yates (Mitchelton-Scott) a 5’51″
22. Rafal Majka (Bora-Hansgrohe) a 13’19″
23. Bauke Mollema (Trek-Segafredo) a 13’45”
30. Rigoberto Urán (EF-Drapac) a 31’03″

Etapa 12


Perfil da 12ª etapa

Col de la Madeleine

Lacets de Montvernier

Col de la Croix de Fer
Alpe d'Huez
Os primeiros 30 quilómetros são tranquilos, mas a tranquilidade termina abruptamente já que os ciclistas terão de subir o Col de la Madeleine.
Depois da descida de Madeleine, os Lacets de Montvernier, uma das subidas mais belas é o próximo ponto de interesse, a ascensão é de 2ª categoria. Descida curta e começa a ascensão ao Croix de Fer, uma subida muito longa, que vai moendo as pernas dos ciclistas.
A descida do Croix de Fer é como a subida, ou seja, longa. Depois há uma parte plana, são cerca de 15 quilómetros, até chegar ao inicio da subida final, o lendário Alpe d'Huez, que com os seus 21 cotovelos, são 13,8 quilómetros a 8,1% de gradiente médio.

Sprints intermédios:  
- Saint-Jean-De-Maurienne (548 m, Km 91)

Subidas categorizadas:
- Col de la Madeleine (Cat. Especial, 2000 m, 25.3 Km a 6.2%, Km 53.5),
- Lacets de Montvernier (2ª Cat., 782 m, 3.4 Km a 8.2%, Km 83),
- Col de la Croix de Fer (Cat. Especial, 2067 m, 29 Km a 5.2%, Km 121),
- Alpe d'Huez (Cat. Especial, 1850 m, 13.8 Km a 8.1%, Km 175.5).

Cidade de partida: Bourg-Saint-Maurice

Estância de esqui Les Arcs
Bourg-Saint-Maurice é uma cidade francesa, localizada no departamento de Saboia, na região de Auvérnia-Ródano-Alpes (Rhône-Alpes)
É uma cidade que vive sobretudo do turismo, particularmente dos desportos de inverno, devido à estância de esqui Les Arcs. As outras principais fontes de rendimento da região são a indústria agro-alimentar e a industria da madeira.
Para quem preferir visitar a cidade no verão, existem várias actividades como passeios de bicicleta, caminhadas e vários locais a visitar. Entre eles destacamos a Capela de Saint-Grat de Vulmix (datada do século XV), a Maison de la
Pomme (museu da maçã) e o Museu dos Minerais.
Tal como é característico de toda a frança, também aqui a gastronomia tem um papel fundamental. Experimentem as Crozets de Savoie (uma massa que fica deliciosa quando gratinada), o Beaufort (um queijo de estilo alpino, mas com mais sabor), O Farçon (uma espécie de pudim de pão
embebido em leite, com passas e açafrão) e os Bugnes (uma massa frita, polvilhada com açúcar).

Local de chegada: Alpe d'Huez


A subida do Alpe d'Huez deve ser a mais mítica do Tour. O primeiro a vencer neste palco foi Fausto Coppi em 1952. Depois disso já foi palco de de etapas do tour por mais 31 vezes. A última vez foi em 2013, e o vencedor da etapa foi o francês Chistophe Riblon.
Joaquim Agostinho venceu no Alpe d'Huez em 1979 e na curva 14 da subida, podemos ver um busto em bronze do ciclista. A estátua é comemorativa pela sua vitória na etapa, no ano em que foi 3º classificado da geral pela segunda vez.

Condições meteorológicas

Probabilidade baixa de chuva, com a temperatura acima dos 20ºC durante o dia na região. O vento soprará muito fraco de Noroeste.

Favoritos

⭐⭐⭐ Chris Froome
⭐⭐ Geraint Thomas, Nairo Quintana, Daniel Martin
⭐Primoz Roglic, Romain Bardet, Tom Dumoulin, Vincenzo Nibali

A nossa aposta: Chris Froome
Vai querer ganhar numa das subidas mais lendárias do ciclismo mundial e pôr o seu nome na lista de vencedores. Por essa, razão, acreditamos que a Sky irá controlar a corrida para que Froome em Alpe d'Huez faça o ataque decisivo.

Outsider: Nairo Quintana
Foi uma decepção em La Rosière, perdeu mais tempo para Froome, Dumoulin e Thomas. Tem de dar tudo e mais do que isso, não pode esperar pelos outros, tem de assumir a responsabilidade.
Alpe d'Huez é uma subida que se adapta na perfeição às suas características, não tem desculpas. Ou faz a diferença ou então bem pode esquecer a vitória na geral.


Seguir em directo: #tdf2018, #letour, #tourdefrance, #tdf

(a partir das 11:00, hora de Portugal Continental)
 (a partir das 13:00, hora de Portugal Continental, passa para a RTP1 às 14:00)



Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário