Guia Giro d'Itália 2017 - Favoritos

Geral individual (maglia rosa)

*** 3 estrelas

Nairo Quintana
Vencedor da edição de 2014 e atualmente um dos melhores em provas de três semanas. Este ano decidiu arriscar tentar vencer o Giro e o Tour, um objetivo muito complicado, o último a consegui-lo foi Marco Pantani.
A seu favor tem a muita montanha que há ao longo da prova, principalmente na última semana, que é onde pode fazer a diferença. Contra si, tem os quase 70 quilómetros de contrarrelógio.

Vincenzo Nibali
Duas vezes vencedor da prova, a última delas na edição passada. É naturalmente o grande rival de Quintana, abdica de obter resultados noutras próprias para centrar a sua preparação exclusivamente nos seus objetivos e este ano não foi diferente.
A seu favor tem a experiência e ser um ciclista completo. Capaz de descer como poucos, pode passar por isso o segredo da sua vitória. Contra si, está a muita montanha, o italiano é um dos melhores trepadores do pelotão, no entanto, Quintana nos dias de hoje se não é o melhor a subir (principalmente em provas por etapas), anda lá muito perto.

** 2 estrelas

Mikel Landa
Divide a liderança da equipa com Geraint Thomas. Em 2015 fez uma prova sensacional e no ano passado teve a oportunidade de liderar uma equipa, mas acabou por ser obrigado a abandonar com problemas gástricos.
Este ano tem nova oportunidade, a seu favor tem a muita montanha e uma equipa que pode fazer a diferença. Contra ele, tem o facto de haver muitos quilómetros de contrarrelógio e também o facto de ter de dividir a liderança da equipa.

Steven Kruijswijk
O holandês costuma aparecer muito forte no Giro e este ano não deverá ser diferente. Em 2016 estava a caminho da vitória, mas um erro numa descida deitou fora essa oportunidade.
A seu favor joga o facto de ser capaz de subir com os melhores e de se defender bem na luta contra o relógio. Contra si, o facto de não saber lidar com a pressão da melhor forma e de não ter uma equipa para o ajudar tão forte como outras.

Adam Yates
Foi 4º classificado no último Tour, numa demonstração da sua qualidade e também a confirmação que já é um ciclista a ter em conta para as provas de três semanas.
A seu favor tem o facto de ter uma boa equipa para o apoiar em todos os terrenos. Contra ele, tal como para outros, o número de quilómetros de contrarrelógio.

* 1 estrela 

Ilnur Zakarin
No ano passado, estava na luta pelos primeiros lugares e numa descida deitou tudo a perder. Lidera a Katusha-Alpecin e já é um nome habitual nos primeiros lugares nas provas por etapas, falta a confirmação definitiva nas grandes voltas.
A seu favor joga o facto de ser um percurso com 70 quilómetros de contrarrelógio, disciplina que se defende bem e que lhe dá vantagem em relação aos trepadores. Contra si, o facto de ser um ciclista com uma técnica bastante rudimentar, que já lhe valeu vários dissabores, principalmente a descer.

Thibaut Pinot
O francês este ano, decidiu 'trocar' o Tour pelo Giro. Ele estará na prova francesa, mas já admitiu que apenas irá tentar caçar etapas. No Giro, o objetivo será diferente, a luta será pela classificação geral.
A seu favor está o facto de ter uma boa equipa para o ajudar. Contra si, está a sua inconsistência e a debilidade nas descidas, que já foi pior, mas que continua a ser uma das suas fragilidades.

Geraint Thomas
Lidera a equipa conjuntamente com Mikel Landa. O galês irá pela primeira vez liderar uma equipa numa grande volta. É uma das incógnitas, será que Thomas é um ciclistas capaz de lutar pelos primeiros lugares numa grande volta? 
A seu favor, o facto de ter uma equipa forte a apoia-lo e na sua última prova, o Tour of the Alps, mostrou estar em grande forma. Contra si, o facto de ter de estar sempre a grande nível durante 3 semanas e também de não ter uma equipa exclusivamente concentrada em si, apesar de ser uma das melhores em prova.

Tom Dumoulin
O holandês para esta temporada emagreceu com o objetivo de conseguir ser uma ameaça real neste Giro. Poderá sacrificar alguma potência para os contrarrelógios, no entanto, irá conseguir subir melhor. Em 2015 até bem perto do fim, esteve na liderança na Vuelta, acabando por perder alguns lugares no último dia de montanha, quando foi incapaz de seguir os melhores. No ano passado liderou o Giro, mas acabaria por abandonar.
A seu favor está o facto de haver muitos quilómetros de contrarrelógio, apesar da alteração física (emagreceu), continuará a ser dos melhores nesta disciplina. Contra si, o facto da terceira semana não ter um metro plano.

Rui Costa
No papel não é um dos principais favoritos. Existe a dívida de o português irá com o objetivo da classificação geral ou apenas 'caçar' etapas.
Vai ser mais uma oportunidade para ver se ele é um ciclista capaz de manter um nível altíssimo durante três semanas. Começou o ano em grande forma.
A seu favor tem a pouca pressão que tem nos seus ombros, se conseguir estar nos 10 melhores no final da prova, será um sucesso. Contra si, o facto de não ter uma equipa forte para o apoiar e a terceira semana haver alta-montanha em doses industriais.

Outsiders: Bob Jungels, Rohan Dennis, Davide Formolo, Wilco Kelderman, Tejay Van Garderen, Domenico Pozzovivo, Bauke Mollema

Top 10 Edição 2016:
1    Vincenzo Nibali (Ita) Astana Pro Team    86:32:49   
2    Esteban Chaves (Col) Orica-GreenEdge    0:00:52   
3    Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team    0:01:17   
4    Steven Kruijswijk (Ned) Team LottoNl-Jumbo    0:01:50   
5    Rafal Majka (Pol) Tinkoff Team    0:04:37   
6    Bob Jungels (Lux) Etixx - Quick-Step    0:08:31   
7    Rigoberto Uran (Col) Cannondale Pro Cycling    0:11:47   
8    Andrey Amador (CRc) Movistar Team    0:13:21   
9    Darwin Atapuma (Col) BMC Racing Team    0:14:09   
10    Kanstantsin Siutsou (Blr) Dimension Data    0:16:20   
---
14    Andre Cardoso (Por) Cannondale Pro Cycling    0:34:12

Classificação dos pontos

*** 3 estrelas

Giacomo Nizzolo
Vencedor das duas últimas edições. Curiosamente nunca venceu etapas no Giro, porém a sua regularidade consegue compensar a falta de vitórias de etapa.
A seu favor joga a regularidade e a consistência Contra ele, joga o facto de ter iniciado a temporada muito tarde, devido a problemas num joelho.

Fernando Gavíria 
O colombiano já é um dos melhores sprinters do pelotão. Chega ao Giro completamente focado na prova italiana.
Ao contrário de outros não deverá abandonar a prova antes da 3ª semana, que o devem fazer para prepararem o Tour.
A seu favor tem o comboio da Quick Step Floors que terá ao seu dispor. Contra si está a sua inexperiência, já que se estreia numa grande volta.

** 2 estrelas

Sacha Modolo
Na Volta à Croácia mostrou estar em boa forma. Ao contrário de Nizzolo, já venceu duas etapas do Giro, mas a sua inconsistência não lhe permite ganhar esta classificação.
A seu favor tem o facto de estar a passar um bom momento de forma e ter realizado um inicio de temporada interessante, inclusive nas clássicas do pavé. Contra si, tem a sua inconsistência, a pouca fiabilidade e uma equipa menos forte do que outras.

Caleb Ewan
O australiano tem realizado uma boa temporada, com seis vitórias de etapa. Chega ao Giro como um dos principais sprinters que estarão em prova, juntamente com Gavíria e Greipel. Na edição do ano passado, venceu uma etapa.
A seu favor tem uma equipa que o apoiará nas chegadas. Contra si, está na sua ainda inconsistência, quando corre fora da Austrália, num dia é capaz de bater qualquer um, no dia seguinte, desaparece.

* 1 estrela 

Sam Bennett
Sem Peter Sagan, a Bora-Hansgrohe tem Bennett e Pelucchi como homens para os sprints. O irlandês já venceu uma etapa este ano, foi no Paris-Nice.
A seu favor tem o facto de não ser um dos corredores marcados nas chegadas, podendo usar isso a seu favor. Contra ele, tem o facto da sua equipa estar longe de ser a ideal.

André Greipel
É o sprinter presente com maior palmarés. Terá uma equipa de luxo para o ajudar, com um 'comboio' que impressiona. Em praticamente todas as participações nas grandes voltas, ganha pelo menos uma etapa, este ano não deverá ser diferente.
A seu favor tem uma equipa de luxo para o ajudar. Contra a sua candidatura a esta classificação, está o provável abandono da prova antes da 3ª semana, para preparar o Tour.

Outsiders: Sam Bennett, Jakub Marezcko, Manuel Belletti, Matteo Pelucchi, Niccola Ruffoni

Top 10 Edição 2016:
1    Giacomo Nizzolo (Ita) Trek-Segafredo    209     pts
2    Matteo Trentin (Ita) Etixx - Quick-Step    184   
3    Sacha Modolo (Ita) Lampre - Merida    163   
4    Diego Ulissi (Ita) Lampre - Merida    156   
5    Daniel Oss (Ita) BMC Racing Team    133   
6    Maarten Tjallingii (Ned) Team LottoNl-Jumbo    103   
7    Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team    92   
8    Nikias Arndt (Ger) Team Giant-Alpecin    88   
9    Alexander Porsev (Rus) Team Katusha    80   
10    Steven Kruijswijk (Ned) Team LottoNl-Jumbo    76 

Classificação da montanha

*** 3 estrelas

Pierre Rolland
Esta é das classificações mais complicadas de serem previstas. Dos nomes presentes, o francês da Cannondale-Drapac parece ser um dos que pode discutir esta classificação. Para isso terá de estar muito tempo em fuga e arrecadar os pontos necessários nas passagens de montanha.
Se não apostar na classificação geral, Rolland terá liberdade para entrar nas fugas.

Giovanni Visconti
O italiano da Bahrain-Merida venceu esta classificação em 2015. Este ano volta a ser um candidato nesta classificação, caso a equipa lhe dê alguma liberdade e não se limite a trabalhar para Nibali.

** 2 estrelas

Alexander Geniez
O espírito atacante de Geniez, faz com que seja um nome plausível para disputar esta classificação. É um corredor que sobe relativamente bem.

Diego Rosa 
Na edição do ano passado a Sky venceu esta classificação através de Mikel Nieve. O abandono de Landa permitiu que Nieve tivesse a liberdade e o basco aproveitou.
Este ano, a equipa britânica trás dois líderes e tem uma equipa muito forte para os suportar. Um desses nomes é Rosa, que é um ciclista de enorme qualidade.

* 1 estrela 

Alexander Foliforov
Surpreendeu todo o mundo, quando no ano passado voou na cronoescalada do Giro. No recente Tour of the Alps venceu esta classificação e não será de estranhar que tente fazer o mesmo no Giro.

Dario Cataldo
Sem Scarponi e Aru, a Astana terá de redefinir objetivos. E um dos que pode entrar na mira da equipa cazaque é esta classificação. Um dos ciclistas na equipa que pode lutar pela camisola azul é Cataldo. O ciclista italiano é um dos que todos os anos anima a prova, estando constantemente em fugas.

Omar Fraile
Venceu as duas últimas edições desta classificação na Vuelta. É um ciclista combativo e que nas grandes voltas tenta sempre estar no maior número de fugas possíveis. 
O papel na Dimension Data para este Giro, não deverá ser diferente.

Outsiders: Os homens da geral (Quintana, Nibali, Pinot, Kruijswijk, Landa, Yates, Zakarin), Valerio Conti, Gorka Izagirre, Michael Woods

Top 10 Edição 2016:
1    Mikel Nieve (Spa) Team Sky    152     pts
2    Damiano Cunego (Ita) Nippo - Vini Fantini    134   
3    Darwin Atapuma (Col) BMC Racing Team    118   
4    Stefan Denifl (Aut) IAM Cycling    109   
5    Giovanni Visconti (Ita) Movistar Team    77   
6    Alexander Foliforov (Rus) Gazprom-Rusvelo    66   
7    Rein Taaramae (Est) Team Katusha    62   
8    David Lopez Garcia (Spa) Team Sky    54   
9    Michele Scarponi (Ita) Astana Pro Team    51   
10    Steven Kruijswijk (Ned) Team LottoNl-Jumbo    42 

 

Classificação da juventude

*** 3 estrelas

Adam Yates 
É o grande favorito a vencer esta classificação e um dos candidatos ao pódio. Tem uma equipa muito forte para o apoiar.
No ano passado foi 4º no Tour e este ano aparece no Giro para tentar repetir o que o seu colega de equipa (Esteban Chaves) fez em 2016.

** 2 estrelas

Davide Formolo
Sai para a prova como líder da Cannondale-Drapac para o Giro deste ano. Depois de prometer muito, tem custado a afirmar-se entre os melhores. Em 2015 foi 31º e no ano passado, ficou no mesmo lugar e foi 4º na juventude, atrás de Jungels, Sebastian Henao e Valerio Conti.
Esta temporada tem dado alguns sinais que está próximo de dar o passo seguinte, será que neste Giro conseguirá lutar por estar entre os 10 primeiros? Esperemos que sim.

Bob Jungels
Em 2016 realizou um grande Giro, venceu a juventude e foi 6º da classificação geral. É um ciclista completo, capaz de andar com os primeiros no contrarrelógio e de se defender bem na montanha.
Chega ao Giro com ambições de fazer o mesmo ou melhor do que em 2016, apesar da concorrência este ano ser um pouco superior.

* 1 estrela 

Hugh Carthy
A Cannondale-Drapac não tem apenas Formolo. Hugh Carthy despontou em 2016 na Caja Rural e transferiu-se este ano para o World Tour, onde era pretendido por diversas equipas. 
O seu talento é inegável, é um excelente trepador que experimentará pela primeira vez o Giro. Talvez não seja ainda este ano que se mostre na prova, mas nunca se sabe.

Joe Dombrowski
Mais um ciclista da Cannondale-Drapac. O americano já está no limite da idade, mas ainda conta para esta classificação. Depois da passagem pela Sky, parecia perdido, mas lentamente tem recuperado e é um nome a ter em conta, principalmente quando o terreno começar a empinar.

Kenny Elissonde
É o representante da Sky nesta lista, também podia ser Sebastian Henao, mas o francês foi uma das principais contratações da equipa britânica e tem de justificar a aposta.
O principal objetivo passará por ajudar os líderes, mas se aparecer a oportunidade de vencer mais uma classificação, certamente a equipa e o ciclista francês não recusarão.

Outsiders: Valerio Conti, Jan Polanc, Davide Villella, Alexander Foliforov, Giulio Ciccone, Manuel Senni, Sebastian Henao, Carlos Verona

Top 10 Edição 2016:
1    Bob Jungels (Lux) Etixx - Quick-Step    86:41:20   
2    Sebastian Henao (Col) Team Sky    0:29:38   
3    Valerio Conti (Ita) Lampre - Merida    1:10:07   
4    Davide Formolo (Ita) Cannondale Pro Cycling    1:18:48   
5    Joe Dombrowski (USA) Cannondale Pro Cycling    1:24:25   
6    Merhawi Kudus (Eri) Dimension Data    1:46:03   
7    Carlos Verona (Spa) Etixx - Quick-Step    1:57:26   
8    Alexander Foliforov (Rus) Gazprom-Rusvelo    1:58:06   
9    Nathan Brown (USA) Cannondale Pro Cycling    2:06:47   
10    Tobias Ludvigsson (Swe) Team Giant-Alpecin    2:12:42   
 

 

Classificação por equipas

*** 3 estrelas

Team Sky
Com Thomas e Landa a liderar e homens como Sebastian Henao, Kenny Elissonde e Diego Rosa para trabalhar na montanha. Vasil Kiryienka, Philip Deignan, Michal Golas e Salvatore Puccio tratarão de os proteger no plano.
Se Landa e Thomas conseguirem estar no top-10 e um dos gregários estiver entre os 15/20 primeiros, poucos farão melhor na classificação coletiva.

Movistar
A equipa espanhola costuma dar importância a esta classificação. O alinhamento da equipa é muito interessante, com Quintana a ser o claro líder, mas também tem Andrey Amador, que nas últimas duas edições foi 4º e 8º, respetivamente. Além disso, para a montanha levam Gorka Izagirre, Winner Anacona, Victor de la Parte e Jose Herrada. Para o terreno plano, Rory Sutherland, Daniele Bennati e Joaquin Rojas, protegerão o pequeno colombiano.

** 2 estrelas


Orica-Scott
Equipa dividida entre o apoio a Adam Yates para a geral e Caleb Ewan para as etapas ao sprint. Os australianos apresentam um conjunto muito forte para todo o tipo de terrenos.
Caleb Ewan e Adam Yates, estão bem rodeados, porém temos duvidas que tenham gente suficiente para as etapas de montanha.

* 1 estrela

BMC
Equipa liderada por Tejay Van Garderen, com Rohan Dennis como principal apoio. Ben Hermans teve um inicio do ano brilhante, depois teve alguns problemas de saúde, mas apresenta-se no Giro com algumas ambições, apesar de ter de trabalhar para o líder. Manuel Senni, Silvan Dilier, Manuel Quinziato, Joey Rosskopf, Francisco Ventoso e Dylan Teuns, serão a força de trabalho e completam uma equipa muito homogénea.

Cannondale-Drapac
Uma equipa muito jovem, construída para a montanha, além de Formolo, Dombrowski e Carthy, a equipa será constituída por: Alex Howes, Davide Villella, Michael Woods, Tom-Jelte Slagter, Kristjan Koren e o também já referido Pierre Rolland.
O problema poderão ser as etapas planas, caso haja vento, já que não há nenhum rolador nato nesta equipa.

Top 10 Edição 2016:
1    Astana Pro Team    260:02:35   
2    Cannondale Pro Cycling    0:06:57   
3    Movistar Team    0:21:00   
4    AG2R La Mondiale    0:53:52   
5    Team Sky    1:04:21   
6    Etixx - Quick-Step    1:37:53   
7    Tinkoff Team    1:40:44   
8    Team Katusha    2:06:36   
9    Dimension Data    2:53:26   
10    Lampre - Merida    3:15:00   
11    Team LottoNl-Jumbo    3:15:49   
12    Orica-GreenEdge    3:35:52   
13    BMC Racing Team    3:51:21   
14    Team Giant-Alpecin    4:38:16   
15    Gazprom-Rusvelo    5:03:19   
16    Lotto Soudal    5:18:02   
17    Trek-Segafredo    5:51:12   
18    IAM Cycling    6:02:34   
19    Bardiani CSF    6:14:22   
20    Nippo - Vini Fantini    8:03:49   
21    Wilier Triestina-Southeast    8:04:38   
22    FDJ    11:26:38 

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário