Guia Jogos Olímpicos - Ciclismo de estrada [Contrarelógio individual Masculino]

Contrarelógio individual - Masculina

A especialidade de contrarelógio individual é uma disciplina recente no programa olímpico, embora tenha estado nos programas de 1912, 1916 e 1920. Regressou em 1996, com Miguel Indurain a vencer o ouro.
Viatcheslav Ekimov venceu o ouro duas vezes e as 'lendas' Fabian Cancellara e Bradley Wiggins conquistaram as duas últimas edições.

História
1996 Atlanta Ouro-Miguel Indurain (ESP) Prata-Abraham Olano (ESP) Bronze-Chris Boardman (GBR)
2000 Sidney Ouro-Viatcheslav Ekimov (RUS) Prata-Jan Ullrich (GER) Bronze-Não atribuída
2004 Atenas Ouro-Viatcheslav Ekimov (RUS) Prata-Bobby Julich (USA) Bronze-Michael Rodgers (AUS)
2008 Pequim Ouro-Fabian Cancellara (SUI) Prata-Gustav Larsson (SWE) Bronze-Levi Leipheimer (USA)
2012 Londres Ouro-Bradley Wiggins (GBR) Prata-Tony Martin (GER) Bronze-Chris Froome (GBR)

Percurso
Rio de Janeiro – Rio de Janeiro, 54,6 kms 

O percurso é constituído por um circuito, que já foi percorrido na prova de estrada. Serão duas voltas e no circuito consta uma zona de empedrado e duas subidas:
Grumari (1,2Km@7%) e Grota Funda (2,1Km@4,5%).



Startlist


Favoritos

***
Tom Dumoulin
O holandês voou no contrarelógio individual plano do Tour e depois apenas foi batido na cronoescalada. Em condições normais é o grande favorito, mas depois dos problemas no pulso que tem tido, existem dúvidas do estado que se vai apresentar.

Chris Froome
No Tour foi batido por Dumoulin no contrarelógio plano e ganhou a cronoescalada. Em Londres foi bronze e chega aqui como um dos favoritos. Porém na prova de fundo não deu sinais positivos, veremos se consegue suceder a Bradley Wiggins, quem em 2012 ganhou o ouro.

**
Tony Martin
Este ano ainda não ganhou nenhum contrarelógio individual contra os principais rivais. Não parece estar em grande forma, além de ter tido alguns problemas físicos nos últimos tempos.
No entanto, é sempre um nome a ter em conta, sendo um dos melhores de sempre na especialidade, por essa razão

Fabian Cancellara
Serão os últimos jogos olímpicos da lenda suiça. É um dos melhores da história nesta especialidade, mas os melhores tempos já lá vão. O ano de 2016 começou muito bem, com o suiço a vencer vários contrarelógios, mas ao longo da temporada foi piorando.
Tal como Tony Martin, apesar de não estar no seu melhor, tem estatuto e capacidade para num qualquer dia fazer um brilharete.

Vasil Kiriyenka
O actual campeão mundial da especialidade, não tem tido um ano fácil. Ainda não venceu qualquer contrarelógio, mas o percurso destes jogos olímpicos beneficiam-no. É uma distância longa, coisa que agrada ao bielorrusso.

Rohan Dennis
O campeão australiano é um dos melhores da especialidade. Tem realizado um ano mais discreto em comparação a 2015, porém, não deixa de ser um dos grandes candidatos às medalhas no Rio de Janeiro.

Nélson Oliveira
O campeão português tem estado muito forte este ano, prova disso foi a excelente prestação no contrarelógio plano do Tour. Na nossa opinião é um dos candidatos às medalhas e desejamos que confirme todas as indicações que tem dado em 2016.

*
Primoz Roglic
Esteve fortíssimo no Giro nesta especialidade. Depois disso tem andado discreto, provavelmente a preparar afincadamente a presença nos Jogos Olímpicos.o longo.
Se estiver num bom dia, é um adversário muito perigoso. A distância poderá não o beneficiar, já é um esforço muito longo.

Ion Izagirre
Este ano tem estado em grande nos contrarelógio e só não o colocamos mais acima nos favoritos, pela distância. Sabemos que dá-se bem em distâncias mais curtas do que em longas, no entanto, é um dos outsiders a ter muito em conta.

Jonathan Castroviejo
Ao contrário de Ion Izagirre, Castroviejo dá-se melhor neste tipo de distâncias. Este ano tem realizado alguns resultados interessantes e outros nem tanto. É uma incógnita.

Outros: Taylor Phinney, Jan Barta, Edvald Boasso Hagen,  Michal Kwiatkowski, Maciej Bodnar

A nossa aposta: Tom Dumoulin
Outsider: Nélson Oliveira

Seguir em directo: RTP1/2, apartir das 14h

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário