Tour 2015 - Antevisão 16ª Etapa

Com o dia de descanso quase a chegar mas ainda sem poderem descansar, hoje os ciclistas terão de enfrentar uma etapa de média montanha com mais de 200 quilómetros. 
Gap é uma das cidades que mais alegrias deu ao ciclismo português. Rui Costa venceu em Gap em 2013. Infelizmente o ciclista português já abandonou esta edição do Tour e não poderá tentar voltar a ganhar num local onde já foi tão feliz. Sérgio Paulinho também venceu uma etapa com final em Gap, em 2010.
Perfil 16ª etapa

Cidade de partida: Bourg de Péage

Ponte que liga Bourg de Péage a Romans-sur-Isère
Cidade conhecida pelos chapéus de feltro, actividade que durante muitos anos foi o principal motor da economia local. Chegaram a ser 16 oficinas que empregavam mais de 1200 pessoas. Mas a moda dos chapéus teve um grande declínio e desde 1985, poucas oficinas que continuaram a trabalhar.
Esta é a segunda vez que Bourg de Péage é palco de uma etapa do Tour. A primeira vez decorria o ano de 2010 e a etapa terminava em Mende. De realçar que o vencedor da etapa foi Joaquim Rodriguez.

Cidade de chegada: Gap

Vista aérea de GAP
Gap tem uma localização perfeita na entrada dos Alpes. Em pleno II Guerra Mundial, Gap fazia parte da zona livre. Mas a sua localização fez com que passa-se a fazer parte da zona ocupada em 1942, altura em que os alemães colocaram cerca de mil soldados na cidade para assegurar o controlo daquele ponto-chave de entrada nos Alpes. Gap só voltou a fazer parte da zona livre graças à resistência de alguns combatentes franceses apoiados pela população local.
No Tour, Gap tem já uma forte tradição. Esta será a 18ª vez que Gap é palco de uma etapa do Tour. Para nós portugueses é sinónimo de muitas alegrias. Sérgio Paulinho venceu ali em 2010 e Rui Costa também venceu em 2013. 



A etapa tem um perfil duro. Os primeiros 130 quilómetros são praticamente sempre a subir até Col de Cabre, a primeira contagem de montanha do dia. A contagem de montanha seguinte, e última do dia, situa-se a 12 quilómetros do final da etapa. Trata-se de Col de Manse. 
Os ciclistas vão encontrar descidas bastante acentuadas e técnicas, mas prevê-se bom tempo, ou seja, uma preocupação a menos. É verdade que muitos ciclistas dão-se bem com a chuva, mas não é menos verdade que descidas acentuadas aliadas a chuva são um enorme perigo. 

Resumo das subidas do dia:
Km 130 - Col de Cabre 9,1km a 4,6% - 2 categoria
Km 189 - Col de Manse 8,9km a 5,6% - 2 categoria


Perfil dos últimos 5km

Favoritos:

Como é habitual, a chegada a Gap é propícia a fugas. De entre os favoritos, destacamos:
-Tony Gallopin, ainda faz parte do top-10 e tem estado bem, apesar de poder estar bastante marcado pelo lugar que ocupa, é um dos homens a acompanhar amanhã.
-Michal Kwiatkowski tem aqui uma oportunidade de chegar ao principal objectivo deste ano, uma vitória de etapa. Excepcional a descer, tem aqui um perfil à sua medida.
-Samuel Sanchéz, é um dos outsiders para amanhã, a etapa é ao seu estilo e poderá surpreender.
-Vincenzo Nibali já está longe do pódio, pelo o que o objectivo pode  passar por vitórias de etapa. Amanhã tem uma etapa bem ao seu gosto, com média montanha e descidas complicadas.

***** Fuga
**** Tony Gallopin, Michal Kwiatkowski
*** Samuel Sanchéz, Vincenzo Nibali
** Edvald Boasson Hagen, Jan Bakelants
* Dan Martin, Peter Sagan, Rydes Hejesdal, Alexis Vuillermoz

A nossa aposta: Fuga
Surpresa: Edvald Boasson Hagen

Também pode interessar:

Lola Cycling Team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário