Guia Giro d'Italia 2020 - Equipas e Favoritos

 


Um Giro muito especial por ser em outubro e por estar colocado num calendário comprimido. Por essas duas razões a lista de participantes sofreu um pouco.

Equipas


Equipa mais Homogénea: Trek-Segafredo
Este Giro não tem uma equipa super dominadora, Astana no papel é a equipa com mais potencial.
A Trek-Segafredo não tem um alinhamento luxuoso como a Astana, mas é aquela que apresenta um conjunto completamente focado num ciclista, o tubarão. 
Brambilla e Ciccone são gregários de luxo para Nibali e não é de espantar se um deles conseguir estar no top-10. Conci também é um ciclista interessante, mas algo irregular.

Melhor equipa para a montanha: Astana
Um luxo poder contar com Vlasov, Fuglsang e Lopez para a montanha, ainda têm Oscar Rodriguez. Felline é um ciclista útil para as primeiras rampas, já fazia esse trabalho na Trek.

A desilusão: Movistar
A única curiosidade que temos em relação aos espanhóis, é saber como vai ser a primeira grande volta de Einer Rubio, um jovem colombiano de enorme talento. Pedrero e Carretero são ciclistas que já mostraram qualidade e não sabemos que papel terão. Ganharam o último Giro, também por isso é uma desilusão este alinhamento. 
O principal objetivo é a classificação coletiva?

Quem será a equipa surpresa: Team Sunweb
Depois do Tour estrondoso, a equipa alemã está no Giro com o principal objetivo de ter um bom resultado com Kelderman. No entanto, Matthews também terá liberdade para procurar ganhar e etapas e quem sabe lutar pela camisola Ciclamino.
Sam Oomen, Chris Hamilton e Jai Hindley são ciclistas de qualidade que apoiarão Kelderman, mas não era de admirar que estejam presentes nas fugas.

Favoritos

⭐⭐⭐⭐⭐
Simon Yates
A sua quebra em 2018 foi uma das maiores marretadas no ciclismo recente. Parece ter aprendido a lição, venceu a Vuelta nesse mesmo ano.
Em 2019 voltou ao Giro e esteve muito longe dos melhores, no Tour melhorou e venceu etapas. Esta ano aparece em grande forma, acaba de vencer o Tirreno-Adriático com autoridade e mostrou grandes pernas na montanha.

⭐⭐⭐⭐
Vincenzo Nibali
Se há ciclista que sabe construir a sua forma, é o tubarão. Tem uma boa equipa à disposição e mesmo não estando na melhor forma da carreira, é um ciclista que quando pressente sangue, morde.
No Tirreno-Adriático esteve longe do melhor, no mundial, já mostrou estar melhor e vai chegar ao Giro em fase ascendente.

Steven Kruijswijk
Tem uma conta pendente com o Giro. Era para estar no super-conjunto das abelhas no Tour, mas uma queda no Dauphiné retirou-o da ronda francesa.
Defende-se bem no contrarrelógio e na montanha é um dos melhores. É um maratonista, na 3ª semana está no seu quintal e última semana deste Giro é brutal.

⭐⭐⭐
Geraint Thomas
A favor de Thomas joga a favor os 3 contrarrelógios onde vai ter de fazer diferença. A 3ª semana é muito dura e Thomas vai precisar de estar na melhor forma, até porque a Ineos não apresenta uma equipa muito forte para a montanha. Castroviejo, Hart e Narvaez são as ajudas nesse terreno, parece-nos curto.
Mostrou estar no caminho certo no Tirreno-Adriático.

⭐⭐
Jakob Fuglsang
Um dos melhores ciclistas da atualidade. Vencedor da última Lombardia, mas nas grandes volta tem falhado sempre. No Tirreno-Adriático preferiu dosificar a energia, mas no mundial já mostrou pergaminhos, esteve no grupo dos melhores.
A Astana apresenta um alinhamento de luxo e o dinamarquês parte como líder, mas na estrada a coisa pode mudar.


Alexander Vlasov
Tem estado a voar em 2020, no entanto a Astana anunciou que Fuglsang será o líder. O russo não tem experiência em 3 semanas, não sabemos como vai reagir a uma 3ª semana tão exigente, por isso leva apenas 1 estrela.

Rafal Majka
Em 4 participações, o pior que fez no Giro foi um 7º lugar. Dificilmente ganhará, mas andará no top-5 ou perto dele.

Wilco Kelderman
O holandês quer-se despedir da melhor forma da equipa. Os contrarrelógios jogam a seu favor, já que se defende bem, resta saber como se vai apresentar na montanha, no Tirreno-Adriático deu bons sinais.

Outros ciclistas a seguir

Diego Ulissi
O italiano tem uma série de etapas ideais para si na 1ª semana. Não costuma falhar no Giro, a probabilidade ganhar uma etapa é elevada.

João Almeida
Uma das sensações da temporada. O jovem português vinha ao Giro como gregário de Evenepoel, com a ausência dele, a equipa tem em Almeida e Knox a duas melhores cartas para um top-10, já que Masnada deverá optar por etapas e classificação da montanha.

Giulio Ciccone
Esteve Covid há umas semanas, o que complicou a preparação para o Giro. Mas Ciccone é um dos ciclistas mais talentosos na montanha presentes em prova.
Será um gregário de luxo para Nibali e se estiver bem, é candidato a estar no top-10.

Fausto Masnada
Venceu uma etapa em 2019, este ano esteve na CCC, mas decidiu abandonar a equipa polaca para ir para a Deceuninck-QuickStep, uma decisão sábia já que desde dessa troca, tem andado nas horas.
Pensamos que o objetivo de Masnada évoltar a ganhar etapas através de fugas e atacara a classificação de montanha.

Ilnur Zakarin
Os dias de Zakarin para a geral terminaram. O russo deve tentar ganhar etapas através de fuga, mas tem um grande entrave, a sua falta de técnica. Um dos piores ciclistas a nível técnico, vê-lo a descer é penoso.

Miguel Angel Lopez
Chega do Tour muito cansado, por essa razão, o objetivo deverá passar por apoiar Fuglsang e Vlasov, no entanto, estamos a falar de um dos melhores trepadores do pelotão.
Na 3ª semana estará no seu quintal, uma vitória de etapa não será surpreendente.

Thomas De Gendt
Está no Giro para ganhar etapas através de fugas, veremos se consegue compensar o Tour discreto que fez.

Sprinters

⭐⭐⭐
Fernando Gavíria
O colombiano tem ao seu dispor um comboio poderoso com Richeze e Molano. As oportunidades para os puro sprinters não são muitas, mas o colombiano nesses dias estará na primeira linha dos favoritos.

Arnaud Démare
Está a realizar uma excelente temporada, não foi ao Tour porque a equipa colocou todos os ovos na cesta de Pinot. Démare e Gaviria estão um escalão acima dos outros sprinters presentes.

⭐⭐ 
Peter Sagan
Fez o pior Tour da sua carreira, chega ao Giro com dois claros objetivos: vencer a camisola Ciclamino e etapas.
Em relação a Démare e Gaviria, tem vantagem em chegadas um pouco mais seletivas, que são muitas neste Giro, porque é um ciclista muito mais versátil.

Michael Matthews
Já deixou de ser sprinter, mas com esta concorrência não será anormal vê-lo na disputa. Tal como Sagan vai estar na disputa nas etapas um pouco mais seletivas.

Davide Ballerini/Álvaro Hodeg
A Deceuninck-QuickStep tem um dilema para resolver. Hodeg ou Ballerini? O italiano teme stado melhor em 2020. 

  Elia Viviani, Rudy Barbier, Davide Cimolai

 As nossas apostas

Vencedor:
CR: Steven Kruijswijk
BD: Simon Yates

Restante pódio (sem ordem)
CR: Yates, Nibali
BD: Kruijswijk, Nibali

Restante Top-10 (sem ordem)
CR:  Majka, Kelderman, Fuglsang, Vlasov, Thomas, Almeida, Lopez 
BD:  Majka, Kelderman, Fuglsang, Vlasov, Thomas, Ciccone, Bilbao

Maglia ciclamino
CR: Démare
BD: Sagan

Classificação da montanha

CR: Ciccone
BD: Masnada 

Classificação da juventude
CR: Vlasov
BD: Vlasov

Classificação por equipas
CR: Astana
BD: Astana 

  

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Publicar um comentário