Giro 2019 - Antevisão 20ª Etapa

Com a saída do Gavia do percurso, esta passou a ser a etapa rainha da prova. São mais de 5800 metros de subida acumulado em 194 Km, na última oportunidade para Nibali e Roglic tentarem se aproximar de Carapaz antes do contrarrelógio final.


É um dia brutal e com a fadiga acumulada pode proporcionar diferenças gigantescas. Os ciclistas pouco depois de partirem, começam a subir a primeira subida do dia, Cima Campo (2ª cat., 18,7 Km a 5,9%), ascensão longa e que servirá para moer as pernas. Descida longa, pelo meio há uma pequena subida. Em Telve começa a subida mais dura do dia, o Cima Coppi deste ano (era para ser o Gavia), o temível Passo Manghen (1ª cat., 18,9 Km a 7,6%), uma longa e penosa subida, com os últimos 6 Km a 10% de média. Bem cedo poderá existir uma selecção a sério do grupo de favoritos.
Descida técnica do Passo Manghen, segue-se uma zona com relativamente plana até Predazzo, onde começa a subida do Passo Rolle (1ª cat., 20,6 Km a 4,7%), é muito variável.
Segue-se uma longa descida, quase 40 Km até Ponte Oltra, onde se inicia o Croce D'Aune (2ª cat., 11,1 Km a 5,5%), a parte final é a mais dura, últimos 4 Km a 8,3%.
Curta descida e imediatamente os ciclistas começam a subir o Monte Avena (1ª cat., 6,9 Km a 7,3%), subida muito constante.



Cidade de partida: Feltre

Uma pérola cercada por montanhas de extraordinária beleza e empoleirada em uma pequena colina, Feltre é, desde há séculos, um importante centro de rotas de comunicação. Para quem vem do norte, esta localidade representa uma das primeiras cidades que lembra a arquitetura veneziana mas, para quem vem do sul, é o primeiro encontro com o mundo dos dolomitas.
Esta cidade de origem pré-romana foi sempre caracterizada pelo seu papel de ligação entre a planície veneziana e o setor alpino. É no coração da cidade velha que a maravilha de Feltre é revelada entre os edifícios com frescos e as vistas de tirar o fôlego: junto com o Teatro de La Sena - também chamado de "pequena fênix" - e os muitos museus, representa uma descoberta emocionante para o seu visitante, na surpresa de encontrar uma cidade de arte de tão alta qualidade em um contexto alpino e dolomítico.

Cidade de chegada: Croce d'Aune - Monte Avena

Devido ao fascinante cenário natural representado pelos picos dos Dolomitas e pela localização privilegiada, o Monte Avena sempre teve uma forte vocação turística. Isso é demonstrado pelos históricos elevadores de esqui, pelos inúmeros hotéis e pela cidade com vistas de tirar o fôlego sobre toda a Valbelluna. Monte Avena, tanto no verão quanto no inverno, atrai turistas em busca de um contato direto com o ambiente puro e a tranquilidade da montanha.
No que diz respeito às estações mais quentes, é o local ideal para caminhadas, passeios de bicicleta de montanha ou agradáveis ​​passeios de bicicleta com e-bikes pelas vastas pastagens. 
Durante o inverno, com a cor branca dos picos nevados, o Monte Avena é um resort familiar, onde você pode ser abraçado por uma atmosfera acolhedora e íntima para dias pacíficos na neve.

Condições meteorológicas

Dia com muito sol e temperaturas agradáveis. Vento vai soprar fraco.

Favoritos

⭐⭐⭐ Mikel Landa
⭐⭐ Miguel Angel Lopez
⭐ Vincenzo Nibali, Primoz Roglic, Richard Carapaz, Fuga

A nossa aposta: Mikel Landa
A lógica seria proteger o Carapaz, mas o equatoriano tem estado como o aço. Por essa razão, esta etapa é a ideal para Mikel Landa atacar um lugar do pódio.
Está em boa forma e até se guardou na 19ª etapa, limitou-se a impôr um ritmo confortável para si e para Carapaz.

Joker: Fuga
Esta é uma hipótese que consideramos difícil de acontecer, porque amanhã em principio a Astana ou Bahrain-Merida irão impôr ritmo forte desde o Km 0, para enfraquecerem a Movistar.
No entanto, dificil não quer dizer que seja impossível. Se uma fuga tiver sucessor acreditamos que ciclistas como Formolo, Zakarin ou Ciccone estarão nela.

Seguir em directo: #Giro102, #Giro, @giroditalia
(a partir das 12:05, hora de Portugal Continental)

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário