Guia Vuelta 2018 - Favoritos

Geral individual (camisola vermelha)


⭐⭐⭐⭐⭐
Nairo Quintana
O colombiano está numa fase muito negativa. Desde o Giro do ano passado que não consegue render durante três semanas seguidas a um nivel elevado.
O Tour deste ano foi uma desilusão, venceu uma etapa, mas foi pouco para as expectativas que tinha. A Vuelta pode-lhe salvar a temporada e sem Landa na equipa, a Movistar terá no colombiano a principal referência, com Valverde a ser a segunda opção.

Richie Porte
O australiano é um dos ciclistas que mais promete antes das Grandes Voltas, mas depois por uma ou outra razão, não consegue concluir a prova.
Este ano no Tour nova queda fez com que abandonasse, a equipa e ele decidiram apostar na Vuelta e mais uma vez are como um dos principais favoritos.
Antes da Vuelta anunciou que em 2019 correrá pela Trek e mais tarde não teve presente na apresentação das equipas da prova porque está com uma gastroenterite, a prova ainda nem começou e já está a correr bem para ele.

⭐⭐⭐⭐
Miguel Angel Lopez
O colombiano este ano conseguiu o pódio no Giro e arte para a Vuelta com legitimas ambições a repetir a façanha ou até mais.
Terá de ser mais consistente, este tem sido o maior problema do colombiano. Na preparação, mostrou boa forma em Burgos, mas acabou por ser batido de forma clara pela jovem sensação, Ivan Ramiro Sosa.

Simon Yates
Dominou o Giro até que quebrou por completo na 3ª semana. O britânico diz ter aprendido a lição e tem nesta Vuelta a oportunidade de mostrar que sabe gerir a energia despendida.
Se conseguir ser consistente é um dos grandes favoritos, ainda por cima, em 2018 melhorou no contrarrelógio. O irmão, Adam Yates, é outra carta importante da equipa australiana.

⭐⭐⭐
Rigoberto Uran
O colombiano este ano tem tido muito azar. Depois de em 2017 ter brilhado no Tour, em 2018 foi obrigado a abandonar devido às quedas.
Chega à Vuelta com o objetivo de salvar a temporada e por isso a motivação será grande.

Thibaut Pinot
O francês teve perto do pódio no Giro, mas acabou por abandonar devido a doença que também impediu que estivesse presente no Tour.
É mais que tem na Vuelta a oportunidade de salvar uma temporada difícil, em que falhou nos principais objetivos. 
O percurso é à sua medida, Pinot sente-se em casa na montanha.

⭐⭐
Wilco Kelderman
É mais que teve um ano muito dificil. O principal objetivo era o Tour, mas uma queda no campeonato holandês de estrada fez com que não estivesse presente em França.
Em 2017 esteve muito perto do pódio, foi 4º e parte para a edição deste ano com o objetivo de conseguir pelo menos o pódio.

Steven Kruijswijk
Andou que se fartou no Tour e está numa das equipas mais impressionantes deste ano. Deverá partilhar a liderança com George Bennett.
A grande questão é a fadiga que o pode afetar por ter estado no Tour. Em forma é um ciclista extraordinário, principalmente na montanha.


Fabio Aru
Venceu a prova em 2015 e nunca mais foi o mesmo. O italiano tem piorado de ano para ano e nem a mudança de ares melhorou.
No Giro ficou completamente apeado várias vezes, até desistir. A Emirates também tem no alinhamento, Daniel Martin que vem do Tour, mas a principal aposta é Aru.
É mais um que está na Vuelta para salvar o ano, mas a fé em Aru já é pouca, os sinais que tem demonstrado nos últimos 3 anos são muito negativos.

David de la Cruz
É a principal aposta da Sky para a geral individual. Fez uma preparação especifica para a Vuelta, para chegar aqui na melhor forma possivel.
O melhor resultado dele numa Grande Volta foi em 2016, precisamente na Vuelta, onde terminou em 7º lugar, desde aí nunca mais de sinais de evolução em 3 semanas. Um lugar no top-5, já é um excelente resultado para ele.


Outros: Alejandro Valverde, Enric Mas, Ilnur Zakarin, Adam Yates, George Bennett, Vincenzo Nibali, Emanuel Buchmann, Davide Formolo

Pontos
O número baixo de etapas para sprinters na Vuelta, faz com que esta classificação seja muitas vezes disputada entre os homens da geral. No ano passado o vencedor da geral, Chris Froome, venceu esta classificação também.
Este ano, pensamos que esta camisola irá ser disputada pelos homens da geral, ou então por alguém com um perfil tipo Peter Sagan, capaz de disputar sprints e também de se colocar em fugas.

Aqui ficam aqueles que achamos os principais candidatos a vencer esta classificação (excluindo os da geral): Peter Sagan, Elia Viviani e Matteo Trentin.

Montanha
A classificação da montanha é uma das mais complicadas de prever. A grande maioria das vezes é ganha não pelo melhor trepador, mas pelo ciclista que fixa como objetivo vencer esta camisola, colocando-se nas diversas fugas e arrecadando os pontos. Nas últimas edições, foi exatamente isso que se passou.
Os ciclistas que lutarem pela geral também são fortes candidatos a vencer esta classificação.

Aqui ficam aqueles que achamos os principais candidatos a vencer esta classificação (excluindo os da geral): Rafal Majka, Thomas de Gendt, Michael Woods, Gorka Izagirre, Sepp Kuss, José Gonçalves, Sérgio Pardilla e Igor Anton

Combinado
A classificação do combinado é aquela que junta a classificação geral, mais a da montanha e a dos pontos. Esta classificação calcula-se da seguinte forma: se um ciclista vencer a geral (1 ponto), fizer segundo na montanha (2 pontos) e quinto nos pontos (5 pontos), tem no total 1+2+5=8 pontos. 
Quem obtiver menos pontos ganha.
Habitualmente os grandes candidatos a vencer esta classificação são os homens da geral, por essa razão os candidatos não diferem daqueles apresentados acima, na classificação geral.

As nossas apostas

Pódio:
1. Nairo Quintana
2. Steven Kruijswijk
3. Miguel Angel Lopez

Os restantes do top-10 (sem ordem estabelecida): Simon Yates, Richie Porte, Wilco Kelderman, Ilnur Zakarin, George Bennett, Thibaut Pinot, Rigoberto Uran

Mais vitórias de etapas: Peter Sagan e Elia Viviani (entre 2 e 3 para cada um).

Revelação: Enric Mas irá lutar por um lugar no top-10. 

Melhor equipa: LottoNL-Jumbo (Kruijswijk, Bennett e Sepp Kuss irão fazer estragos na montanha)

Equipa com mais vitórias: Quick-Step Floors (Quem mais poderia ser?)

Qual será o papel de Vincenzo Nibali? Ganhar etapas e ritmo para os mundiais.

Portugueses: 
Tiago Machado: Irá trabalhar em prol de Zakarin.
Nélson Oliveira: Terá oportunidade de brilhar nos contrarrelógios. Irá trabalhar para Quintana e Valverde.
José Gonçalves: Também pode brilhar nos contrarrelógios. Terá liberdade para entrar em fugas.
José Mendes: Está numa das equipas mais fracas. O objetivo é estar presente em fugas.


#LV2018 #laVuelta #Vuelta2018 #laVuelta2018

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário