Scheldeprijs (1.HC) - Antevisão

  

Esta é a mais antiga clássica flamenga, disputa-se desde 1907 e este ano comemora a sua 105ª edição. Até 2009 era conhecida por Scheldeprijs Schoten e Scheldeprijs Vlandeeren. É uma clássica que privilegia os sprinters, o seu percurso é completamente plano e o pavé faz poucas aparências prova.
Em 2010 trocou de data com a Brabantse Pijl, de forma a atrair mais e melhores corredores, passando a realizar-se antes do Paris-Roubaix.
Marcel Kittel é o recordista, com quatro vitórias, seguido de Mark Cavendish, Piet Oellibrandtcom três triunfos.

História
últimos 10 vencedores
2007 Mark Cavendish (GBR) T-Mobile Team
2008 Mark Cavendish (GBR) Team High Road
2009 Alessandro Petacchi (ITA) LPR Brakes–Farnese Vini
2010 Tyler Farrar (USA) Garmin–Transitions
2011 Mark Cavendish (GBR) HTC–Highroad
2012 Marcel Kittel (GER) Argos–Shimano
2013 Marcel Kittel (GER) Argos–Shimano
2014 Marcel Kittel (GER) Giant–Shimano
2015 Alexander Kristoff (NOR) Team Katusha
2016 Marcel Kittel (Ger) Etixx - Quick-Step

Edição 2016 (Top-10)
1 Marcel Kittel (Ger) Etixx - Quick-Step 4:54:05   
2 Mark Cavendish (GBr) Dimension Data        
3 André Greipel (Ger) Lotto Soudal        
4 Edward Theuns (Bel) Trek-Segafredo        
5 Niccolo Bonifazio (Ita) Trek-Segafredo        
6 Danny Van Poppel (Ned) Team Sky        
7 Nikias Arndt (Ger) Team Giant-Alpecin        
8 Wouter Wippert (Ned) Cannondale Pro Cycling        
9 Dylan Groenewegen (Ned) Team LottoNl-Jumbo        
10 Daniel Mclay (GBr) Fortuneo - Vital Concept

Percurso

Mol › Schoten (202 Kms)
Prova praticamente plana, adequada aos sprinters e que deverá ser controlada pelas equipas dos mesmos, o historial indica isso mesmo.
Não há grandes pontos de interesse, o percurso é praticamente plano, com quatro passagens pela meta. A primeira delas aos 151 Kms de corrida, ainda antes dessa passagem, os corredores enfrantam uma das zonas mais complicadas do percurso, o sector de pavé, Broekstraat, com 1,7 kms de extensão.


Startlist
Aqui

Condições meteorológicas
As condições meteorológicas são dos poucos fatores que podem tornar esta corrida mais movimentada e evitar que se produza uma chegada em pelotão compacto. 
Não se espera chuva para a prova e a temperatura vais rondar os 14ºC. O vento soprará moderadamente de Noroeste, o que quer dizer que até ao circuito final, os corredores enfrentarão vento de frente.

Favoritos
Marcel Kittel tem de ser considerado o grande favorito, já venceu esta prova por cinco vezes, a última das quais, a edição do ano passado. Este ano tem ganho com alguma regularidade, parece em boa forma e terá uma boa equipa para o ajudar.
André Greipel em teoria será o grande rival de Kittel, no ano passado foi 3º. Na Flandres mostrou estar num estado de forma interessante e num sprint neste período da sua carreira é sempre um dos favoritos.
A quantidade velocistas é notável, os franceses apresentam Arnaud Dèmare, que este ano tem estado muito forte e Nacer Bouhanni, que nas últimas semanas tem vindo a melhorar.
A Sky tem Elia Viviani e Danny Van Poppel, não sabemos quem será a aposta da equipa. O italiano, este ano ainda não apareceu ao melhor nível, mas não era de estranhar que andasse pelos primeiros lugares. Em relação a Danny Van Poppel, em 2016 evoluiu tremendamente e achamos que está perto de dar mais um passo na sua evolução, é um corredor a seguir.
A Trek-Segafredo será liderada por Edward Theuns, que em duas participações foi 2º e 4º. É um ciclista fiável, embora não seja um dos melhores sprinters presentes.

***** Marcel Kittel
**** André Greipel, Dylan Groenewegen
*** Nacer Bouhanni, Elia Viviani, Arnaud Demare, Edward Theuns
** Matteo Pelucchi, Niccolo Bonifazio, Riccardo Minali
* Dan McLay, Roy Jans, Baptiste Planckaert, Rudy Barbier, Peter Sagan, Max Walscheid

A nossa aposta: Marcel Kittel
Outsider: Dylan Groenewegen

Seguir em directo: Sporza, @Scheldeprijs, #Scheldeprijs 

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário