Tour of Oman (2.HC) - Antevisão


O Tour of Oman nasceu em 2010 através da ASO e até 2016 era a terceira prova por etapas neste período do ano que se realiza na península arábica. Com o cancelamento do Tour of Qatar e a mudança do Abu Dhabi Tour para final deste mês, esta prova passou a ser a 2ª do calendário que se realiza nesta região do globo. 
Ao contrário do Dubai, o percurso no Oman beneficia outros ciclistas e não só os velocistas. A já clássica subida ao Green Moutain, na 5ª etapa, marcará a corrida e decidirá o vencedor da mesma.
A lista de participantes, mais uma vez é de luxo, com alguns dos melhores ciclistas do pelotão a marcar presença, apesar do calendário neste período já ser abundante em provas.
Chris Froome é o recordista de vitórias, com duas (2013 e 2014).

História
2010 Fabian Cancellara (SUI) Team Saxo Bank
2011 Robert Gesink (NED) Rabobank
2012 Peter Velits (SVK) Omega Pharma–Quick-Step
2013 Chris Froome (GBR) Team Sky
2014 Chris Froome (GBR) Team Sky
2015 Rafael Valls (ESP) Lampre–Merida
2016 Vincenzo Nibali (ITA) Astana

Edição 2016 (Top-10)
1    Vincenzo Nibali (Ita) Astana Pro Team    22:25:25   
2    Romain Bardet (Fra) AG2R La Mondiale    0:00:15   
3    Jakob Fuglsang (Den) Astana Pro Team    0:00:24   
4    Tom Dumoulin (Ned) Team Giant-Alpecin    0:00:40   
5    Rui Costa (Por) Lampre - Merida    0:00:54   
6    Edvald Boasson Hagen (Nor) Dimension Data    0:01:06   
7    Brendan Canty (Aus) Drapac Professional Cycling    0:01:31   
8    Domenico Pozzovivo (Ita) AG2R La Mondiale    0:01:38   
9    Merhawi Kudus (Eri) Dimension Data    0:01:56   
10  Gianluca Brambilla (Ita) Etixx - Quick-Step    0:01:59   

Percurso
Etapa 1 - 14 de fevereiro - Al Sawadi Beach › Naseem Park (176.5Km)
Etapa 2 - 15 de fevereiro - Nakhal › Al Bustan (145.5Km)
Etapa 3 - 16 de fevereiro - Sultan Qaboos University › Quriyat (162Km)
Etapa 4 - 17 de fevereiro - Yiti (Al Sifah) › Ministry of Tourism (118Km)
Etapa 5 - 18 de fevereiro - Samail › Jebel Akhdar (Green Mountain) (152.5Km)
Etapa 6 - 19 de fevereiro - The Wave › Muttrah Corniche (130.5Km)
Total: 885 Kms

O percurso é bastante diversificado, com oportunidades para os velocistas, para os puncheurs e para os trepadores.
As 1ª e 6ª etapas são ideais para os puro sangue do sprint, enquanto que a 3ª etapa é perfeita para os puncheurs. As 2ª e 4ª tiradas, são de transição, não é completamente plana, mas também não é muito dura. Mas a verdadeira luta para a geral, vai-se dar como é tradição no final na Green Mountain, que este ano, será na 5ª etapa.

Perfis
Etapa 1 - 14 de fevereiro - Al Sawadi Beach › Naseem Park (176.5Km)

A etapa começa na costa, em Al Sawadi Beach e vão em direção ao interior, para o deserto. A etapa pode ser dividida em duas parte, a primeira até aos 85,5, em que o terreno é sempre a subir apartir dos 21 Kms (a subida é muito suave e sem grande dificuldade) e a segunda parte é a descer até à meta em Naseem Park.
Etapa ideal para os velocistas. O vento é um fator a ter em atenção.

** Alexander Kristoff
* Sacha Modolo

Etapa 2 - 15 de fevereiro - Nakhal › Al Bustan (145.5Km)



A 2ª etapa já terá algumas dificuldades importantes, mas a influência na classificação geral final, deverá ser mínima. 
A etapa começa no meio do deserto, em Nakhal e termina nos subúrbios da capital Mascate, em Al Bustan. O pelotão desde o inicio dirige-se para a costa, onde encontrarão as dificuldades, a primeira delas, aparece aos 38 Kms, Fanja (1 km, 9,5%), em seguida o terreno é muito sobre e desce, mas sem grandes dificuldades.
Já na segunda parte da etapa, aparece a grande dificuldade do dia, Bousher Al Amerat (3,4 km, 8,8%), com o topo a situar-se aos 96,5 Kms. A dificuldade seguinte é uma ascensão curta, mas muito empinada, Al Hamriyah-rise (0,8 km, 9,8%), o topo fica apenas a 22,5 Kms da meta.
A subida final tem o seu topo apenas a 5 Kms do final, Al Jissah (1,4 Km, 9%), depois é descer até à meta.

** Greg Van Avermaet
* Sonny Colbrelli

Etapa 3 - 16 de fevereiro - Sultan Qaboos University › Quriyat (162Km)


A 3ª etapa termina num topo, ideal para os puncheurs brilharem. Os candidatos à geral terão de estar atentos, não se vai ganhar a prova neste dia, mas podem perdê-la.
A etapa tem a primeira dificuldade aos 30 Kms, com a subida de Al Aerat (3,4 km, 8,8%), depois até à subida final, que coincide com a meta, o terreno é acidentado, mas sem grandes dificuldades que possam fazer a diferença.
A subida final, Quriyat, tem 2,8 Kms de extensão a 6,5% de inclinação média.

** Sonny Colbrelli
* Nathan Haas

Etapa 4 - 17 de fevereiro - Yiti (Al Sifah) › Ministry of Tourism (118Km)


A 4ª etapa tem apenas 118 Kms, começa na cidade costeira de Yiti (Al Sifah) e terminará na zona leste da capital, Mascate, em frente ao Ministério do Turismo do Omã.
A primeira parte da etapa tem duas dificuldades: Al Jissah (1,4 Kms, 9%, topo aos 31,5 Kms) e Al Wadi Al Kabir (1,9 Kms, 6,3%, topo aos 38,5 Kms).
A segunda parte da tirada, é realizada na região da capital com destaque para as 3 passagens pela subida, Bousher al Amerat. A 1ª e 3ª passagem é por uma das vertentes (3,2 Kms, 6,8%) e a 2ª pela outra vertente (3,4 Kms, 8,8%).
Depois descem em direção à meta.

** Bob Jungels
* Fabio Aru

Etapa 5 - 18 de fevereiro - Samail › Jebel Akhdar (Green Mountain) (152.5Km)


Desde 2011 que a prova é decidida na Green Mountain, que já se tornou na imagem de marca da prova árabe.
A etapa começa em Sama'il e até à subida final, o terreno é praticamente plano. É um dia que faz lembrar a Vuelta, que costuma ter alguns dias bem parecidos a este, em termos de percurso.
A subida final, são 5,7 Kms de extensão a 10,5% de inclinação média e deve decidir o vencedor da prova.

** Romain Bardet
* Rui Costa

Etapa 6 - 19 de fevereiro - The Wave › Muttrah Corniche (130.5Km)

A última etapa, não é dura, apesar de apresentar duas subidas categorizadas, que são: Al Hamriyah (0,8 Kms, 9,8%) e a já bem conhecida de outros dias, Al Jissah (1,4 Kms, 9%).
A parte final, consiste num circuito de 7,5 Kms de extensão, com 3 passagens pela linha de meta.

** Alexander Kristoff
* Tom Boonen

Startlist
Aqui



Favoritos 
Romain Bardet em teoria é o grande favorito por ser o melhor trepador presente em prova. O francês só foi batido por Vincenzo Nibali em 2016. Esta é a primeira prova do ano, por isso, existem algumas dúvidas do seu estado físico.
Rui Costa, brilhou em San Juan, vencendo a etapa raínha e no Omã em 2016, foi 5º da geral. Este ano parece em melhor forma e já com competição nas pernas.
Outro que já brilhou em 2017, foi Merhawi Kudus, que apenas foi batido por Nairo Quintana, na brutal subida de Mas de la Costa, na Vuelta a Comunitat Valenciana.
A Astana terá como cabeças de cartazes, Fabio Aru e Jakob Fuglsang. O dinamarquês foi 6º na Comunitat Valenciana, enquanto que o italiano tentará esquecer o horrível ano de 2016. Aru que começa em Omã o seu caminho rumo ao seu grande objectivo este ano, o Giro.
Em 2016, Bob Jungels venceu a 1ª etapa desta prova. Foi um bom sinal para a excelente temporada do ciclista luxemburguês. Este ano, deve ser a principal aposta da Quick-Step Floors.
A BMC apresenta Ben Hermans como principal nome para lutar pela geral. O belga foi 2º em Valência, atrás de Nairo Quintana, o que indica estar num nível bom neste inicio de temporada.

***** Rui Costa, Romain Bardet
**** Fabio Aru, Jakob Fuglsang
*** Merhawi Kudus, Ben Hermans, Bob Jungels
** Tanel Kangert, David de la Cruz, Rein Taaramae, Mathias Frank
* Laurens De Plus, Giovanni Visconti, Nathan Haas

A nossa aposta: Rui Costa
Outsider: Ben Hermans

Seguir em directo: @tourofoman


Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário