Análise da 4ª à 9ª etapa - Giro d'Itália 2016

O Giro chegou a Itália, depois de 3 dias na Holanda, em que as multidões acompanharam o pelotão por toda a parte. Devido à necessária deslocação de toda a caravana para o sul de Itália, a prova teve um dia sem competição.
Brambilla - Líder da classificação geral após a 9ª etapa do Giro d'Itália
O Giro chegou ao sul de Itália e o terreno alterou-se com as etapas a serem bem mais acidentadas do que aquilo que se viu na Holanda. Resultado mais substancial destas 'pequenas' dificuldades foi a mudança do dono da camisola rosa, com Tom Dumoulin a voltar a envergá-la e Marcel Kittel a desaparecer da luta pelas vitórias de etapas.

O Tom Dumoulin de rosa e depois...
Com a entrada do Giro em Itália, o terreno mudou e Marcel Kittel não aguentou muito tempo com a rosa vestida. Vestiu-a apenas um dia e cedeu-a para o anterior detentor da mesma, o holandês Tom Dumoulin. A etapa que acabou em Praia a Mare, revelou-se demasiado dura para Kittel, que chegou atrasado.
Na 6ª etapa, Dumoulin teve de se defender, na última subida, Nibali atacou sem grande efeito, foi então que o holandês decidiu ser ele a atacar, ganhando uns segundos a grande parte dos favoritos. Nada fazia prever que na 8ª etapa, na subida de sterrato, o ciclista da Giant, ficasse para trás, mas foi isso que aconteceu, num dia péssimo para dumoulin que perdeu a rosa para Brambilla. No contarrelógio da 9ª etapa esperava-se que o holandês dominasse a concorrência, mas nada disso aconteceu, pouco tempo ganhou aos rivais directos e ficou muito longe de recuperar a maglia rosa.

André Greipel, sem Kittel é ele quem domina
Neste período, entre a 4ª e 9ª etapas, haviam duas oportunidades para os sprinters, que Greipel dominou. Nessas etapas, Marcel Kittel na 5ª não conseguiu ficar no pelotão e na 7ª, teve o azar de ter uma avaria nos últimos Kms da etapa que o retirou da luta pela vitória da etapa.
Sem Kittel, Greipel demonstrou ser o melhor dos restantes, em duas exibições dominantes que elevaram o número de vitórias de etapa nas grandes voltas para 19.

Gianluca Brambilla e o'seu' sterrato rosa
Brambilla este ano já se tinha mostrado em grande no sterrato da Strade Bianche e na 8ª etapa desta edição do Giro, a prova contemplava uma subida nesse tipo de piso. Brambilla conseguiu entrar na fuga do dia e quando chegou o sector de sterrato, foi-se embora dos colegas de fuga, numa actuação fantástica do italiano, que lhe permitiu roubar a camisola rosa a Tom Dumoulin.
No dia seguinte, o italiano da Etixx voltou a ser protagonista, ao defender-se bem no contrarrelógio, ficando com 1 segundo de vantagem sobre o seu colega de equipa, Bob Jungels.

Mais uma para Diego Ulissi
Ulissi tinha 4 participações no Giro, venceu etapas em 2011, 2014 (2) e 2015, falhando apenas em 2012. Logo na 1ª etapa em solo italiano, o ciclista da Lampre, arrecadou mais uma etapa para o seu curriculum. 
O corredor italiano ainda terá mais oportunidades neste Giro para aumentar a conta pessoal na 'sua' prova favorita.

Uran e o estranho caso do contrarrelógio
O grande destaque do contarrelógio foi Primoz Roglic, um ex-saltador de esqui, que já tinha dados excelentes indicações noutras provas este ano, nomeadamente no Algarve e que no primeiro contrarrelógio já tinha brilhado. O esloveno arrasou no esforço individual da 9ª etapa, numa demonstração de força.
Mas o caso mais estranho e que já merece um estudo mais profundo, é o de Rigoberto Uran, que em 2014 estava a 'voar' nos contrarrelógios, com destaque para o realizado no Giro, onde venceu claramente, dando um verdadeiro recital. Mas apartir de 2015, os resultados do colombiano nesta especialidade caíram a pique e os dois já realizados nesta edição, foram verdadeiramente desastrosos, que podem 


Classificação Geral após a 9ª etapa (Top 10):
1 Gianluca Brambilla (Ita) Etixx - Quick-Step 34:33:04
2 Bob Jungels (Lux) Etixx - Quick-Step 0:00:01
3 Andrey Amador (CRc) Movistar Team 0:00:32
4 Steven Kruijswijk (Ned) Team LottoNl-Jumbo 0:00:51
5 Vincenzo Nibali (Ita) Astana Pro Team 0:00:53
6 Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team 0:00:55
7 Tom Dumoulin (Ned) Team Giant-Alpecin 0:00:58
8 Mikel Landa Meana (Spa) Team Sky 0:01:18
9 Rafal Majka (Pol) Tinkoff Team 0:01:45
10 Jakob Fuglsang (Den) Astana Pro Team 0:01:51
...
34 Andre Cardoso (Por) Cannondale Pro Cycling 0:10:25

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário