Análise da Ag2R La Mondiale 2015

As equipas francesas não fizeram propriamente uma grande temporada de 2015. A Ag2R La Mondiale no entanto foi a menos má, com 24 vitórias ao longo do ano e o 11º lugar no ranking UCI das equipas.
A maioria das vitórias aconteceram nas estradas francesas.

A primeira vitória da equipa, apareceu na 1ª etapa do Tour du Haut Var-matin, através de Ben Gastauer, que também arrecadou a classificação geral.
No primeiro dia de março, Samuel Dumoulin venceu a Drome Classic, vinte dias depois mais uma vez em França foi a vez de Alexis Gougeard, vencer a Classic Loire Atlantique.
A primeira vitória fora de França, foi através de Domenico Pozzovivo na 3ª etapa da Volta à Catalunha. Março foi o melhor mês para a equipa francesa, já que no final do mesmo, Jean-Christophe Peraud vence a 3ª etapa do Critérium International e também a classificação geral da prova.
Em abril a equipa apenas conseguiu uma vitória, na 3ª etapa do Giro del Trentino, através de Domenico Pozzovivo. O mês foi muito fraco, a equipa não conseguiu brilhar nas clássicas da primavera.

No mês de maio, as atenções estavam no Giro, onde a aposta era em Domenico Pozzovivo que tinha começado muito bem o ano. No entanto, o pequeno italiano na 3ªetapa tem uma queda muito grave que o retirou da prova e deixou a equipa sem ninguém para a geral. A equipa tentou várias vezes vitórias de etapa, nomeadamente por Carlos Betancur, mas sem sucesso.
Ainda em maio, a equipa venceu, o GP de la Somme, através de Quentin Jauregui, a 3ª etapa dos 4 dias de Dunquerque por Alexis Gougeard e o Grand Prix de Plumelec-Morbihan por Alexis Vuillermoz.
Chegava junho e o Critérium du Dauphiné com ele, numa prova que serve para preparar o Tour, Romain Bardet deu espectáculo na 5ª etapa, ao realizar uma descida épica que lhe valeu a vitória de etapa. Um dos melhores momentos do ano para a equipa.
Ainda em junho, Hugo Houle tornou-se campeão canadiano de contrarelógio.

O Tour chegou e a equipa tinha muitas expectativas, com dois corredores a serem a aposta para a geral individual, Peraud (2º em 2014) e Bardet. As coisas não correram como o esperado, com Bardet a ser o melhor da equipa, acabou na 9ª posição. Mas nem tudo foi mau, a equipa conseguiu duas vitórias, uma por Alexis Vuillermoz no Mur de Bretagne (8ª etapa) e a outra por Romain Bardet na 18ª etapa. Não foi brilhante, mas também não foi nada má a presença da Ag2R no Tour deste ano.
Enquanto decorria o Tour, Hugo Houle sagrava-se campeão Panamericano de contrarelógio.

Romain Bardet a vencer a 18ª etapa do Tour
Em agosto a equipa conseguiu duas vitórias, na 4ª etapa do Tour de L'Ain, através de Pierre Latour e Alexis Vuillermoz foi ao Rio de Janeiro, participar e vencer a prova que recriou o que os ciclistas vão encontrar nos Jogos Olímpicos do próximo ano.

Na Vuelta a equipa conseguiu uma vitória de etapa, com Alexis Gougeard a bater a concorrênca na 19ª etapa. A equipa não esteve em particular destaque em Espanha.
A parte final da temporada, ficou marcada por algumas vitórias, Alexis Vuillermoz venceu a 2ª etapa no Tour du Gévaudan Languedoc-Roussillon. Alexis Gougeard e Jan Bakelants estiveram em destaque. O primeiro venceu o prólogo do Tour de l'Eurométropole e a classificação geral e o segundo arrecadou em Itália, o Giro del Piemonte e o Giro Dell'Emilia.


Curiosidades e dados estatísticos
País: França
Classificação UCI 2015: 11º
Número de vitórias em 2015: 24 (14ª equipa com mais vitórias em 2015)
Melhor ciclista no ranking UCI 2015: Domenico Pozzovivo (18º)
Corredor com mais Kms em 2015: Rinaldo Nocentini (14 127 Kms, 30º entre todos os ciclistas em 2015)
Corredor com mais dias de competição: Mikael Cherel (87 dias, 36º entre todos os ciclistas em 2015)
Corredor com maior número de vitórias: Alexis Gougeard (5 vitórias, 57º entre todos os ciclistas em 2015)
Orçamento: 14 milhões de Euros
Fornecedor de bicicletas: Focus
Outros componentes: Shimano

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário