Tour 2015 - Antevisão 4ª etapa

A quarta etapa da edição deste ano é uma das mais esperadas e temidas pelos candidatos à geral. A etapa é longa e tem pavé, serão sete sectores, sendo que seis estão nos últimos 50 quilómetros.
No ano passado, o caos foi total, com muita chuva à mistura a tornar a corrida épica, este ano, não se espera chuva, mas prevê-se espectáculo.
Perfil da 4ª etapa

Cidade de partida: Seraing
Câmara municipal de Seraing
Cidade vizinha de Liège, zona de muita indústria do aço. Tem também no fabrico de cristais uma fonte importante de rendimento.
A cidade tem uma forte comunidade de 'italianos', imigrante e descendentes de imigrantes, o que fez com que em 2006 a cidade se candidata-se para receber o Giro.

Cidade de chegada: Cambrai
Centro de Cambrai
Será a primeira cidade francesa a receber o Tour este ano. Situado no norte de França, está na zona do típico pavé, um dos terrenos mais idolatrado pelos fãs do ciclismo, principalmente desta região da europa.

A etapa não terá grandes dificuldades em termos de relevo, apenas uma contagem de 4ª categoria à passagem dos 53 quilómetros.
O grande problema desta etapa será o pavé, são sete sectores, perfazendo um total de 13,3 quilómetros de empedrado.
O primeiro sector encontra-se aos 103,5 quilómetros, depois os últimos 6, estão nos últimos 50 quilómetros. O último sector está a cerca de 10 quilómetros da meta, sendo um dos mais complicados.

Sectores de Pavé:
7 – Pont-à-Celles à Gouy-lez-Piéton (1800m, km 103,5)
6 - Artres à Famars (1 200 m, km 177,5)
5- Quérénaing à Verchain-Maugré (1600m, km 183)
4- Verchain-Maugré à Saulzoir (1200m, km 187,5)
3- Saint-Python (ou sector Édouard Delberghe, 1500m, km 197,5)
2- Fontaine-au-Tertre à Quiévy (3700m, km 200)
1 – Avesnes-lès-Aubert à Carnières (2300m, km 213 )

Os favoritos: 
Peter Sagan encontra-se em boa forma, a questão que se coloca é se o eslovaco irá tentar a etapa ou terá de ajudar o seu colega de equipa e líder, Alberto Contador.
Alexander Kristoff ainda não apareceu neste Tour, mas esta pode ser a oportunidade de o fazer. Estará num dos terrenos que mais gosta e pode dar a segunda vitória consecutiva para a equipa russa da Katusha.
John Degenkolb, vencedor do Paris-Roubaix deste ano, tem aqui uma oportunidade de se estrear a vencer no Tour e nada melhor que fazê-lo na etapa de pavé.
Greg Van Avermaet é o eterno segundo, a quantidade de vezes que esteve à porta de vitórias é qualquer coisa digna de um caso de estudo. Hoje estará no seu quintal, que é o pavé.
Lars Boom, vencedor da etapa épica do ano passado, é um dos melhores neste terreno e os resultados na primavera deste ano comprovam-no. Este ano pode ser uma ajuda preciosa para Nibali.
Zdenek Stybar é um dos ciclistas que tem uma adoração por este terreno, o ex-campeão do mundo de ciclocross, tem aqui a oportunidade de se estrear no Tour com uma vitória de etapa.
Sep Vanmarcke é uma das grandes vedetas dos 'homens do pavé', mas curiosamente o belga nunca venceu uma prova importante no 'seu' terreno. É um dos homens a seguir com atenção na etapa.

***** Peter Sagan, Alexander Kristoff, John Degenkolb
**** Greg Van Avermaet, Lars Boom, Zdenek Stybar
*** Sep Vanmarcke, André Greipel, 
** Ian Stannard, Geraint Thomas
* fuga

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário