Paris-Roubaix (1.WT) - Antevisão


A rainha das clássicas, a clássicas das clássicas, o inferno do norte, o infame Paris-Roubaix celebra este domingo a sua 113ª edição.
A sua grandeza e misticismo é algo único no ciclismo mundial, que apaixona o mundo do ciclismo, desde ciclistas até ao público. O Tour é provavelmente a única prova mais popular e com mais interesse mediático.
Desde 1896 que se corre a prova no norte de França, apesar de se chamar Paris-Roubaix, desde 1968 que a partida não é de Paris, mas sim de uma cidade a norte da cidade Luz, Compiègne, que pertence à região de Picardie.
Não há prova igual a esta, é uma das provas mais antigas, criada em 1986, quando Théodore Vienne e Maurice Perez, construíram o velódromo em Roubaix e propuseram ao editor da Le Vélo, Louis Minart, a realização de uma prova que começaria em Paris e terminaria no seu velódromo em Roubaix. Minart deixou a decisão final para o director da publicação, Paul Rousseau. A abordagem foi no sentido da prova ser de preparação para o Bordéus-Paris.
Paul Rousseau mostrou-se a favor da ideia e para definir o percurso, pediu ao editor de ciclismo Victor Breyer que o fizesse. Breyer foi reconhecer o percurso e chegou imundo e completamente de rastos a Roubaix, a intenção era enviar por carta uma recomendação a Minart para desistir da ideia, porém, tal não aconteceu e o Breyer concordou em dar o seu aval à realização da prova. Definindo um percurso por meio de florestas, campos agrícolas e muito pavé.
O alemão, Josef Fischer foi o primeiro vencedor da prova.

Desde daí a prova realiza-se até aos dias de hoje, apenas teve dois interregnos, durante a primeira e segunda grande guerra.
Em termos de vitórias, Roger de Valemink e Tom Boonen são os recordistas com quatro vitórias. Aqui fica a lista dos mais vitoriosos:
4 - Roger De Vlaeminck, BEL
4 - Tom Boonen, BEL 
3 - Octave Lapize, FRA 
3 - Gaston Rebry, BEL
3 - Rik Van Looy, BEL
3 - Eddy Merckx, BEL
3 - Francesco Moser, ITA 
3 - Johan Museeuw, BEL 
3 - Fabian Cancellara, SUI

Roger de Valemink, é conhecido por Monsieur Paris-Roubaix, nãosó pelas vitórias mas também pela quantidade de pódios, foram 9. Aqui fica a lista dos que fizeram mais pódios na prova:
9 - Roger De Vlaeminck, BEL
7 - Francesco Moser, ITA
6 - Rik Van Looy, BEL 
6 - Johan Museeuw, BEL 
6 - Tom Boonen, BEL 
6 - Fabian Cancellara, SUI

A prova é francesa, mas é a Bélgica a grande dominadora da prova:
1 - Bélgica 55
2 - França 28
3 - Itália 13
4 - Holanda 5
5 - Suíça 4
6 - Irlanda 2
7 - Alemanha 1
7 - Luxemburgo 1
7 - Suécia 1
7 - Ucrânia 1
7 - Austrália 1

Historial:
1896 Josef Fischer (GER) 1960 Pino Cerami (BEL)
1897 Maurice Garin (FRA) 1961 Rik van Looy (BEL)
1898 Maurice Garin (FRA) 1962 Rik van Looy (BEL)
1899 Albert Champion (FRA) 1963 Emile Daems (BEL)
1900 Émile Bouhours (FRA) 1964 Peter Post (NED)
1901 Lucien Lesna (FRA) 1965 Rik van Looy (BEL)
1902 Lucien Lesna (FRA) 1966 Felice Gimondi (ITA)
1903 Hippolyte Aucouturier (FRA) 1967 Jan Janssen (NED)
1904 Hippolyte Aucouturier (FRA) 1968 Eddy Merckx (BEL)
1905 Louis Trousselier (FRA) 1969 Walter Godefroot (BEL)
1906 Henri Cornet (FRA) 1970 Eddy Merckx (BEL)
1907 Georges Passerieu (FRA) 1971 Roger Rosiers (BEL)
1908 Cyrille van Hauwaert (BEL) 1972 Roger De Vlaeminck (BEL)
1909 Octave Lapize (FRA) 1973 Eddy Merckx (BEL)
1910 Octave Lapize (FRA) 1974 Roger De Vlaeminck (BEL)
1911 Octave Lapize (FRA) 1975 Roger De Vlaeminck (BEL)
1912 Charles Crupelandt (FRA) 1976 Marc Demeyer (BEL)
1913 François Faber (LUX) 1977 Roger De Vlaeminck (BEL)
1914 Charles Crupelandt (FRA) 1978 Francesco Moser (ITA)
1915 Não se realizou 1979 Francesco Moser (ITA)
1916 Não se realizou 1980 Francesco Moser (ITA)
1917 Não se realizou 1981 Bernard Hinault (FRA)
1918 Não se realizou 1982 Jan Raas (NED)
1919 Henri Pélissier (FRA) 1983 Hennie Kuiper (NED)
1920 Paul Deman (BEL) 1984 Sean Kelly (IRL)
1921 Henri Pélissier (FRA) 1985 Marc Madiot (FRA)
1922 Albert Dejonghe (BEL) 1986 Sean Kelly (IRL)
1923 Heiri Suter (SUI) 1987 Eric Vanderaerden (BEL)
1924 Jules van Hevel (BEL) 1988 Dirk Demol (BEL)
1925 Félix Sellier (BEL) 1989 Jean-Marie Wampers (BEL)
1926 Julien Delbecque (BEL) 1990 Eddy Planckaert (BEL)
1927 Georges Ronsse (BEL) 1991 Marc Madiot (FRA)
1928 André Leducq (FRA) 1992 Gilbert Duclos-Lassalle (FRA)
1929 Charles Meunier (BEL) 1993 Gilbert Duclos-Lassalle (FRA)
1930 Julien Vervaecke (BEL) 1994 Andrei Tchmil (UKR)
1931 Gaston Rebry (BEL) 1995 Franco Ballerini (ITA)
1932 Romain Gijssels (BEL) 1996 Johan Museeuw (BEL)
1933 Sylvère Maes (BEL) 1997 Frédéric Guesdon (FRA)
1934 Gaston Rebry (BEL) 1998 Franco Ballerini (ITA)
1935 Gaston Rebry (BEL) 1999 Andrea Tafi (ITA)
1936 Georges Speicher (FRA) 2000 Johan Museeuw (BEL)
1937 Jules Rossi (ITA) 2001 Servais Knaven (NED)
1938 Lucien Storme (BEL) 2002 Johan Museeuw (BEL)
1939 Émile Masson Jr. (BEL) 2003 Peter Van Petegem (BEL)
1940 Não se realizou 2004 Magnus Bäckstedt (SWE)
1941 Não se realizou 2005 Tom Boonen (BEL)
1942 Não se realizou 2006 Fabian Cancellara (SUI)
1943 Marcel Kint (BEL) 2007 Stuart O'Grady (AUS)
1944 Maurice Desimpelaere (BEL) 2008 Tom Boonen (BEL)
1945 Paul Maye (FRA) 2009 Tom Boonen (BEL)
1946 Georges Claes (BEL) 2010 Fabian Cancellara (SUI)
1947 Georges Claes (BEL) 2011 Johan Vansummeren (BEL)
1948 Rik Van Steenbergen (BEL) 2012 Tom Boonen (BEL)
1949 André Mahé (FRA) 2013 Fabian Cancellara (SUI)
1949 Serse Coppi (ITA) 2014 Niki Terpstra (NED)
1950 Fausto Coppi (ITA)
1951 Antonio Bevilacqua (ITA)
1952 Rik Van Steenbergen (BEL)
1953 Germain Derycke (BEL)
1954 Raymond Impanis (BEL)
1955 Jean Forestier (FRA)
1956 Louison Bobet (FRA)
1957 Fred De Bruyne (BEL)
1958 Leon Vandaele (BEL)
1959 Noël Foré (BEL)

Percurso:
Compiegne – Roubaix  (253 km)

Paris-Roubaix é sinónimo de muitos sectores de pavé, o primeiro surge aos 98,5 quilómetros e depois serão mais 26 sectores. Todos eles são avaliados de duas a cinco estrelas, definindo a dificuldade dos mesmos, com cinco estrelas a significar que a secção é mais complicada. A definição da dificuldade é dado pela qualidade do pavé e extensão do sector.

Sectores de pavé:

PRX15_carte_A3_NATIF
Mapa do percurso

O percurso é praticamente plano, ao contrário da Volta à Flandres, mas dificuldade está na quantidade de pavé, serão cerca de 52.7 quilómetros, com os famosos e infames sectores da floresta de Arenberg e o Carrefour de l'Arbre, este último já bem perto do final e que pode decidir a corrida.

PROFILroubaix215
Perfil da prova

Startlist:

Favoritos:
***** Alexander Kristoff, Niki Terpstra
**** John Degenkolb, Peter Sagan, Greg Van Avermaet
*** Sep Vanmarcke, Lars Boom, Zdenek Stybar
** Bradley Wiggins, Geraint Thomas, André Greipel
* Jurgen Roelandts, Tiesj Benoot, Stijn Vandenbergh,  Arnaud Démare, Filippo Pozzato, Daniel Oss, Stijn Devolder, Luca Paolini

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário