Vuelta a Burgos (2.HC) - Antevisão

O ciclismo aos poucos regressa com as devidas precauções devido à pandemia. A Vuelta a Burgos em 2020 disputa a sua 42ª edição, a primeira aconteceu no longínquo ano de 1946. A prova costuma servir como a última preparação para a Vuelta, este ano a situação é completamente diferente e servirá para o regresso à competição de uma parte das equipas do World Tour, depois de vários meses sem competirem.
A lista de participantes é de luxo, com um leque de velocistas e de voltistas de fazer inveja a muitas provas do World Tour.

História

últimos 10 vencedores
2010 Samuel Sánchez (ESP) Euskatel-Euskadi
2011 Joaquím Rodríguez (ESP) Katusha
2012 Daniel Moreno (ESP)  Katusha
2013 Nairo Quintana (COL) Movistar
2014 Nairo Quintana (COL) Movistar
2015 Rein Taaramäe (EST) Astana
2016 Alberto Contador (ESP) Tinkoff
2017 Mikel Landa (ESP) Team Sky
2018 Ivan Sosa (COL) Team Sky
2019 Ivan Sosa (COL) Team Ineos



Percurso

28/07 Etapa 1 Catedral de Burgos › Mirador del Castillo (157 Km)
29/07 Etapa 2 Castrojeriz › Villadiego (168 Km)

30/07 Etapa 3 Sargentes de la Lora › Picón Blanco (150 Km)
31/07 Etapa 4 Gumiel de Izán › Roa de Duero (163 Km)
01/08 Etapa 5 Covarrubias › Lagunas de Neila (158 Km)
Total: 796 Km

Um percurso pelas duas etapas com chegada em alto, que definirá o vencedor. A primeira etapa tem um final seletivo, que poderá dar para uma vitória de um sprinter ou de um homem da geral.
As 2ª e 4ª etapas são para os velocistas puros enquanto que a 3ª e 5ª etapas são para os trepadores, com chegadas a Picón Blanco e Lagunas del Neila.

Perfis
28/07 Etapa 1 Catedral de Burgos › Mirador del Castillo (157 Km)

É uma etapa que à primeira vista, parece ser ideal para os velocistas, mas a chegada é numa subida de 3ª categoria (1000 metros a 5.1%), que irá beneficiar os os sprinters mais versáteis e capazes.

Subidas categorizadas:
75.1 - Alto de Altotero (1C 7.7 Km a 5.7%)
142.9 - Alto del Castillo (3C, 0.9 Km a 5.4%)
META - Alto del Castillo (3C, 1.0 Km a 5.1%)

29/07 Etapa 2 Castrojeriz › Villadiego (168 Km)

Etapa plana, ideal para os velocistas.

30/07 Etapa 3 Sargentes de la Lora › Picón Blanco (150 Km)

A terceira etapa, termina na subida mais dura da edição deste ano, o Picón Blanco, são 8200 metros a 9,1% de inclinação média, as diferenças deverão ser grandes. 
É um dia de constante sobe e desce com 5 contagens de montanha categorizadas.

Subidas categorizadas:
20 - Alto de la Mota (3C, 3.6 Km a 5.1%)
39.2 - Alto Escaleron (3C, 3.8 Km a 6.9%)
64.1 - Alto de Ailanes (3C, 2.8 Km a 7.6%)
121.8 - Alto de Retuerta (3C, 0.9 Km a 8.3%)
META - Picón Blanco (HC, 8.5 Km a 8.9%)

31/07 Etapa 4 Gumiel de Izán › Roa de Duero (163 Km)

Tal como a 2ª etapa, dia para os velocistas puros.

01/08 Etapa 5 Covarrubias › Lagunas de Neila (158 Km)

Dia duro, principalmente os últimos 25 Km. Chegada clássica a Lagunas de Neila (4.2 Km a 11%), antecedida de pelo o Alto del Collado, se somarmos as duas ascensões, são cerca de 12 Km a 6,2%.

Subidas categorizadas:
102.5 - Alto del Cerro (3C, 2.7 Km a 4.7%)
134.2 - Alto del Collado de Vilviestre (3C, 3.1 Km a 4.5%)
154 - Alto del Collado (3C, 6.7 Km a 3.8%)
META - Lagunas de Neila (HC, 4.2 Km a 11.0%)


Startlist

Aqui

Favoritos

Sprint
⭐⭐⭐ Giacomo Nizzolo, Sam Bennett
⭐⭐ Fernando Gaviria, Matteo Trentin
⭐ Alex Aranburu, Arnaud Demare, Max Walscheid, Jon Aberasturi, Davide Cimolai

Geral
⭐⭐⭐⭐⭐ Richard Carapaz, Mikel Landa
⭐⭐⭐⭐ Ivan Ramiro Sosa, Alejandro Valverde
⭐⭐⭐ Remco Evenepoel, Simon Yates
⭐⭐ George Bennett, David Gaudu
⭐ Pello Bilbao, Jack Haig, Rafal Majka

A nossa aposta: Richard Carapaz
A Ineos conta com o vencedor das últimas 2 edições da prova, Ivan Sosa. No entanto, além do colombiano, este ano tem também Richard Carapaz que está em Burgos para testar as pernas.
O equatoriano tem como principal objetivo o Giro e se puder deixar já a sua marca não vai deixar de o fazer.

Joker: Remco Evenepoel
O jovem belga, começou a temporada a voar e não será surpresa se neste regresso estiver com a mesma pedalada. Sem contrarrelógio, será complicado fazer a diferença, até porque as duas chegadas são duras e mais adaptadas a outros ciclistas, mas nunca se deve colocar de parte um dos maiores talentos da atualidade.



Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Publicar um comentário