Amstel Gold Race (1.WT) - Antevisão

Depois do pavé, chegam as Ardenas e a primeira das três famosas clássicas, que fazem parte das Clássicas das Ardenas é a Amstel Gold Race. Deve o seu nome ao patrocinador, a famosa cervejaria Amstel.
É a maior prova que decorre em solo holandês, corre-se desde 1966 no sul da província de Limburg e faz parte de um dos conjuntos de clássicas que mais apaixonam os fãs do ciclismo, as já referidas, Clássicas das Ardenas.
O percurso tem variado ao longo dos anos, em 2017 a organização decidiu alterar significativamente a rota, com o final a não ser no Cauberg.
Em 1966 a partida foi em Breda, de 1967 a 1970 a partida era da cidade de Helmond, 1971 a 1997 iniciava em Heereln e desde 1998 até aos dias de hoje, a partida é dada em Maastricht.
De 1966 até 1990 a chegada foi em Meerssen (exceptuando o ano de 1968, que foi em Elsloo). De 1991 a 2002 a chegada foi em Maastricht, de 2003 até 2012 a meta estava no topo do Cauberg e de 2013 a 2016 encontrava-se 1800 metros mais à frente. O número de subidas curtas e explosivas fazem com que seja uma prova bastante exigente. 
Um corredor da casa, é o recordista de vitórias, o holandês Jan Raas, conquistou a prova por cinco vezes. Mas um nome destaca-se nos últimos anos, é o de Philippe Gilbert, quatro vitórias, o segundo mais vitorioso e que procura este ano igualar Jan Raas.

História 

últimos 10 vencedores
2009 Serguei Ivanov (RUS) Team Katusha
2010 Philippe Gilbert (BEL) Omega Pharma–Lotto
2011 Philippe Gilbert (BEL) Omega Pharma–Lotto
2012 Enrico Gasparotto (ITA) Astana
2013 Roman Kreuziger (CZE) Saxo–Tinkoff
2014 Philippe Gilbert (BEL) BMC Racing Team
2015 Michał Kwiatkowski (POL) Etixx–Quick-Step
2016 Enrico Gasparotto (ITA) Wanty-Groupe Gober
2017 Philippe Gilbert (BEL) Quick-Step Floor
2018 Michael Valgren (DEN) Astana Pro Team

Edição 2018 (Top-10)
1    Michael Valgren (Den) Astana Pro Team    6:40:07    
2    Roman Kreuziger (Cze) Mitchelton-Scott         
3    Enrico Gasparotto (Ita) Bahrain-Merida    0:00:02    
4    Peter Sagan (Svk) Bora-Hansgrohe    0:00:19    
5    Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team         
6    Tim Wellens (Bel) Lotto Soudal         
7    Julian Alaphilippe (Fra) Quick-Step Floors         
8    Jakob Fuglsang (Den) Astana Pro Team    0:00:23    
9    Lawson Craddock (USA) EF Education First-Drapac p/b Cannondale    0:00:30    
10    Jelle Vanendert (Bel) Lotto Soudal    0:00:36
 
Percurso

Maastricht › Berg en Terblijt (265,7 Km)
subida acumulada: 3450 m

A partida será dada de Maastricht, bem perto da fronteira com a Bélgica. Os ciclistas vão subir o Cauberg, Geulhemmerberg e o Bemelerberg três vezes. O percurso em relação a 2016 tem alterações profundas, por exemplo, o Cauberg já não é a última subida, agora é o Bemelerberg, que tem a última passagem a 6,2 quilómetros da linha de meta.


Ao todo são 35 subidas, o que dá uma média de uma a cada 7,5 quilómetros. Seis destas subidas vão aparecer várias vezes ao longo do dia - o Sibergrubbe (duas vezes), Cauberg (três vezes), o Geulhemmerberg (três vezes), o Gulpenerberg (duas vezes) e o Bemelerberg (duas vezes).
Com a nova configuração do percurso, a combinação de subidas que pode ser a diferença é o Kruisberg/Eyserbosweg, a primeira tem 800 metros a 8,5% e a segunda tem 1000 metros a 8%. Logo a seguir aparece o Fromberg e o Keutenberg. Quando passarem o Keutenberg os corredores estarão a 29 quilómetros da meta.
As três subidas finais, Cauberg-Geulhemmerberg-Bemelerberg, farão a seleção final.


Startlist


Condições meteorológicas


Céu limpo, a temperatura variará entre os 10 ºC no inicio da prova e os 21ºC no final e vento vai soprar fraco a moderado de leste.

Favoritos

⭐⭐⭐⭐⭐ Mathieu van der Poel, Julian Alaphilippe
⭐⭐⭐⭐ Michael Matthews, Alejandro Valverde
⭐⭐⭐Maximilian Schachmann, Wout Van Aert, Peter Sagan, Tim Wellens, Philippe Gilbert
⭐⭐Greg Van Avermaet, Alberto Bettiol, Oliver Naesen, Michal Kwiatkowski
 ⭐Alexey Lutsenko, Matej Mohoric, Dylan Teuns, Romain Bardet, Michael Woods

A nossa aposta: Julian Alaphilippe
Se a escolha for pela forma, teríamos que ir com Mathieu Van der Poel, no entanto, temos de considerar outros factores, um deles é a equipa. O francês corre na equipa mais forte para este tipo de provas, apesar do conjunto não ser tão forte como no empedrado, ter Gilbert como companheiro permite que os belgas possam ter outras opções tácticas que a maioria das equipas não têm.
Alaphilippe é também um excelente finalizador, nesse aspeto perde para poucos dos presentes.

Outsider: Michael Matthews
O australianos apresentou-se em grande na Catalunha e deu continuidade na Brabantse Pijl, a prova que antecedeu a Amstel.
O seu sprint e a evolução que tem tido na leitura da corrida, faz dele um ciclista a ter cada vez mais em conta neste tipo de provas.


Seguir em directo: @Amstelgoldrace, #AGR19
   A partir das 14:15



Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário