Cadel Evans Great Ocean Race (1.WT) - Antevisão

 
A influência de Cadel Evans no ciclismo australiano é tão grande que aquando da sua retirada, no ano imediatamente seguinte (2015), foi criada esta prova por um dia com o seu nome, que também serviu para a sua despedida final.
A prova decorre no Sul da Austrália, começa e acaba em Geelong, não muito longe da região de Melbourne e usa parte do circuito que foi usado para os Mundiais de ciclismo em 2010.
Com alguma surpresa, a UCI anunciou que em 2017 passaria a ser de categoria máxima, ou seja, World Tour.

História

vencedores
2015 Gianni Meersman (BEL) Etixx-Quick Step
2016 Peter Kennaugh (GBR) Team Sky
2017 Nikias Arndt (GER) Team Sunweb

Edição 2017 (Top-10)
1 Nikias Arndt (Ger) Team Sunweb 4:19:15
2 Simon Gerrans (Aus) Orica-Scott
3 Cameron Meyer (Aus) KordaMentha Real Estate Australian National Team
4 Jhonatan Restrepo (Col) Katusha-Alpecin
5 Luke Rowe (GBr) Team Sky
6 Petr Vakoc (Cze) Quick-Step Floors
7 Nathan Haas (Aus) Dimension Data
8 Gianluca Brambilla (Ita) Quick-Step Floors
9 Jay Mccarthy (Aus) Bora-Hansgrohe
10 Paul Martens (Ger) Team LottoNl-Jumbo

Percurso

Geelong - Geelong, 164 Kms

A prova decorre na região costeira de Geelong, com os ciclistas a percorrerem uma paisagem de grande beleza. O percurso tem uma parte que é comum àquele que serviu para a prova em linha dos mundiais de 2010 e é idêntico às três edições anteriores.Não há subidas de muita dificuldade em todo o percurso. Os primeiros 113 Kms são ao redor de Geelong, até entrar no circuito de 20,2 Kms de extensão, onde darão 3 voltas.Os primeiros Kms são na zona norte, depois seguem para o sul ao longo da costa, onde encontrarão as principais dificuldades. No ponto mais setentrional, os corredores irão para o interior, onde pequenas subidas e descidas marcam a maior parte do percurso. Depois seguem para norte, até encontrarem o circuito.Os primeiros 7 Kms são planos, até encontrarem a subida de Challambra Cres, são apenas 1100 metros a 8% de inclinação média. Segue-se uma descida, até iniciarem a subida de Hyland Road, com 800 metros de extensão, não temos dados de inclinação, mas pelas informações recolhidas, é uma subida mais suave, em relação à primeira.Apartir daí, é descida e terreno plano até à meta.





Startlist

Aqui

Condições meteorológias

A corrida é realizada numa região caracterizada pelo vento, até porque decorre numa zona costeira.Ao contrário da região de Adelaide (onde se realizou o Tour Down Under) Geelong é caracterizado por ter temperaturas mais baixas, porém este ano espera-se temperaturas elevadas. A temperatura durante a prova será acima dos 30ºC, podendo a chegar aos 36ºC. Existe a possibilidade precipitação, embora seja pequena.
Em relação ao vento, soprará de nordeste e gradualmente mudará para Este, com rajadas que podem atingir os 20 Km/h.


Favoritos

***** Daryl Impey
**** Jay McCarthy, Nikias Arndt
*** Nathan Haas, Tom-Jelte Slagter
** Jhonatan Restrepo, Ruben Guerreiro, Simon Gerrans, Elia Viviani
* Bjorg Lambrecht, Nathan Earle, Peter Kennaugh, Enric Mas, George Bennett, José Goncalves, Dries Devenyns, Rohan Dennis, Pierre Latour 

A nossa aposta: Daryl Impey
Venceu o Tour Down Under, aguentou-se bem na Willunga Hill, o que indica estar em grande forma. É um ciclista completo, que finaliza muito bem, o que lhe pode ser útil num grupo seletivo e também tem uma equipa que corre em casa e que quer ganhar mais uma prova no seu país. 

Outsider: Jay McCarthy
Surpreendentemente fraquejou na Willunga Hill, no entanto, nem tudo foi mau. Nas restantes etapas esteve bem e mostrou estar em boa forma. A sua capacidade de aceleração pode ser importante para o final em Geelong, num pequeno grupo, pode ser decisivo. No ano passado foi 9º.

Portugueses
São três, os portugueses que estarão presentes.
Ruben Guerreiro
Realizou um bom Tour Down Under e pode continuar a brilhar na Austrália. A prova tem um perfil menos adequado às suas caracetrísticas, se fosse um pouco mais duro, encaixava melhor.
Se estiver num bom dia, pode ficar nos primeiros lugares.
José Gonçalves e Tiago Machado
Os dois ciclistas da Katusha-Alpecin estiveram bastante discretos no Tour Down Under. Os dois estão na Austrália para ganhar ritmo.

Seguir em direto: @CadelRoadRace; #cadelroadrace

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário