Queda no Giro atira vários candidatos 'ao tapete'

Imagem da queda
Ontem, a cerca de 15 quilómetros para a meta, aconteceu o que mais se teme numa prova de ciclismo, uma queda.
Uma moto da polícia parada do lado esquerdo da estrada provocou um verdadeiro caos. Wilco Kelderman (Sunweb) não conseguiu evitar e embateu na moto, o que provocou um efeito cascata. Alguns ciclistas da Sky foram ao chão, entre eles os líderes da equipa, Geraint Thomas e Mikel Landa. A Orica-Scott também foi das equipas mais afectadas, tendo visto o seu líder (Adam Yates) prejudicado pela queda.

No final da etapa o desalento estava estampado nos rostos dos ciclistas afectados. Yates acabou por perder 4:37 para o vencedor da etapa (Nairo Quintana), Thomas perdeu 5:06 e Landa quase 27 minutos. 
Wilco Kelderman acabou mesmo por abandonar a prova com uma fractura num dedo, o que se traduz numa baixa importante na ajuda a Tom Dumoulin.

Quando questionado se a prova tinha terminado para ele, Geraint Thomas respondeu que 'sim'.
"Consegui chegar ao fim mas no fundo sei que não há volta a dar. Estive no chão por muito tempo e ainda tive de esperar por uma bicicleta. Foi uma pena, coisas destas não deviam acontecer."
"Eu pensei que tinha alguma coisa de mal no meu ombro, mas quando o médico me levantou, ele estalou e foi ao sítio. Estava tudo bem mas tinha de pegar numa bicicleta. Foi o fim do jogo.
Vou para o hotel, descansar amanhã e planear o que vamos fazer no resto da prova."

Por sua vez, o director desportivo da Orica, criticou a Movistar por esta ter continuado a impor ritmo na frente do pelotão.
"O Adam tinha a bicicleta partida e alguns ferimentos superficiais. Estivemos a 50 metros de chegar à frente da corrida, por isso é muito decepcionante e também, uma má decisão da Movistar. Não havia necessidade de fazerem isto. 
A queda não se deu a 1 quilómetro do final, mas sim a 15. Eles não estavam a perseguir ninguém e sabiam o que se estava a passar. Então, o que deviam fazer era esperar um pouco que todos os ciclistas tivessem oportunidade para se levantarem."

Fonte:
http://www.cyclingweekly.com
http://www.cyclingnews.com

Também pode interessar:

Lola Cycling Team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário