Os 5 Monumentos do ciclismo

No próximo sábado realiza-se a Milão-São Remo, o primeiro Monumento do ano.
Certamente todos os adeptos da modalidade já ouviram falar sobre os 5 Monumentos do ciclismo, para muitos as provas mais importantes do calendário internacional.
Mas afinal porque é que são estas provas consideradas como os Monumentos do ciclismo? De uma coisa temos certeza, são provas com grande história, prestígio e traçados exigentes.

Milão-São Remo

Milão-São Remo
Também conhecida como a clássica da primavera ou La Classicissima, a Milão-São Remo teve a sua primeira edição em 1907, tendo nascido do insucesso de uma outra prova realizada em 1906 a Milão-Acqui e Acqui-São Remo. A partir desse fracasso, o jornalista Tullo Morgagni idealizou a prova e apresentou o projecto ao director da Gazzetta dello Sport, Eugenio Costamagna. Desta forma, a 14 de Abril de 1907 teve lugar a primeira edição da Milão-São Remo.
Nesse ano foram 33 ciclistas que percorreram 281 quilómetros a uma média de 26,2 quilómetros/hora, num dia chuvoso e com muito frio do qual saiu vitorioso o francês Lucien Petit-Breton.
Este ano a prova realiza a sua 108ª edição. Ao longo destes mais de 100 anos muitos foram os ciclistas que festejaram na chegada a São Remo mas há nomes que se destacam. Eddy Merckx é o recordista de vitórias, tendo assinado o seu nome em 7 edições, o italiano Costante Girardengo é o segundo com mais vitórias (6).

Números e Curiosidades:
- No ano da edição inaugural, 1907, o vencedor foi Lucien Petit-Breton (France & Peugeot);
- Eddy Merckx é o recordista de vitórias com 7;
- Costante Girardengo, é o segundos mais vitorioso com 6;
- A equipe com mais vitórias na prova é a Bianchi com 17;
- Alfredo Binda (1931), Eddy Merckx (1972, 1975), Felice Gimondi (1974) e Giuseppe Saronni (1983) venceram a prova com a camisola de campeão do mundo;
- Giorgio Furlan em 1994, fixou o record da subida do Poggio em 5:46;
- Em 2001, Francesco Casagrande terminou a subida da Cipressa em 9:36;
- 16 ciclistas venceram a prova no ano em que se estrearam – o último foi Cavendish em 2009;
- A descida do Poggio tem exactamente 23 curvas;
- Na classificação das nações, os italianos estão na frente com 50 vitórias, em segundo lugar estão os belgas com 20;
- A subida ao Poggio foi introduzida no percurso em 1960;
- O vencedor o mais novo é Ugo Agostoni com 20 anos e 252 dias (1914); O mais antigo é Andrei Tchmil com 36 anos e 57 dias (1999);
- Em 1982 a subida a Cipressa passou a fazer parte do percurso;
- Fabian Cancellara foi o último foi o último ciclista a  vencer isolado, aconteceu em 2008.

Volta a Flandres

Volta a Flandres em 1952
De Itália viajamos até à Bélgica onde se realiza o segundo Monumento do ano, a Volta a Flandres (Ronde van Vlaanderen).
A 25 de Maio de 1913, um senhor chamado Karel van Wijnendaele organizou a primeira Volta a Flandres. A prova começou às seis da manhã em Gent e terminou em Mariakerke, num total de 330 quilómetros por estradas em péssimas condições. Contou com a participação de 37 ciclistas apoiados por 5 carros de assistência. Mais de 12 horas após a partida, um grupo de seis ciclistas chegou ao velódromo de madeira em Mariakerke para disputar o sprint. O vencedor foi o belga Paul Deman, de 25 anos que, anos mais tarde, foi considerado um herói da Primeira Guerra Mundial.
Na primeira edição da prova, para tentarem cobrir os prémios que seriam distribuídos pelos ciclistas, a organização vendeu bilhetes para o público que pretendesse assistir ao final da prova. Infelizmente a venda dos ingressos apenas rendeu o suficiente para metade dos prémios.
Este ano realiza-se a 101ª edição da prova. Ao longo destes 104 anos, a prova apenas não se realizou quatro vezes, entre 1915 e 1918, por causa da Primeira Guerra Mundial. 

Números e Curiosidades:
- A primeira edição aconteceu em 1913 e foi ganha por Paul Deman;
- A primeira edição também foi a mais longa com 324 quilómetros;
- Seis ciclistas dividem o recorde de vitórias: Tom Boonen, Achiel Buysse, Fabian Cancellara, Eric Leman, Fiorenzo Magni e Johan Museeuw;
- A Bélgica lidera a classificação das nações, com nada menos que 68 vitórias;
- Apenas 5 das 100 edições já realizadas não tiveram um ciclista belga no pódio: 1951, 1961, 1981, 1997 e 2001;
- Briek Schotte e Johan Museeuw partilham o recorde de maior número de pódios (vitórias incluídas): 8;
- Briek Schotte é também o ciclista com mais participações (20) tendo terminado a prova 16 vezes;
- O vencedor o mais novo de sempre é Rik Van Steenbergen, 19 anos e 206 dias, tendo ganho em 1944; o mais velho é Andrei Tchmil com 37 anos e 71 dias, vencedor em 2000;
- Só uma vez ao longo da história da prova esta teve menos de 200 quilómetros, foi em 1941 (198 km), quando Achiel Buysse venceu a corrida pela segunda vez;
- Cinco ciclistas com a camisola de campeão do mundo conquistaram a vitória da prova: Louison Bobet (1955), Rik Van Looy (1962), Eddy Merckx (1975), Tom Boonen (2006) e Peter Sagan (2016);
- O único ciclista a conquistar três vitórias consecutivas foi Fiorenzo Magni (1949-1951);
- Gent é a única cidade que recebeu tanto o início como o fim da prova;
- 1944 foi o último ano em que a Volta a Flandres terminou no velódromo.

Paris-Roubaix

Eddy Merckx no Paris-Roubaix 1970
Considerada a Rainha das Clássicas ou o Inferno do Norte, o Paris-Roubaix é sem dúvida a prova de um dia mais mediática do calendário internacional.
O Paris-Roubaix teve a sua primeira edição em 1896 e apenas não se realizou entre 1915/1918 (Primeira Guerra Mundial) e 1940/1942 (Segunda Guerra Mundial).
A prova foi idealizada por Théodore Vienne e Maurice Perez. Em Fevereiro de 1896 eles imaginaram uma corrida que começaria em Paris e terminaria em Roubaix mas tinham dois problemas: o primeiro era que Roubaix seria considerado um destino muito provinciano e o segundo era que eles ou conseguiam organizar a partida ou a chegada, mas não as duas.
Vienne e Perez apresentaram o seu projecto a Louis Minart, editor do Le Vélo, o único jornal desportivo da época. Minart ficou bastante entusiasmado com a ideia mas a decisão de apoiar tal organização caberia ao director do jornal, Paul Rousseau que imediatamente ordenou ao seu editor de ciclismo, Victor Breyer, que defini-se uma rota para a prova.
Breyer viveu uma verdadeira aventura. Partiu de bicicleta para criar aquele que seria o primeiro percurso do Paris-Roubaix. Debaixo de chuva, vento e muito frio, chegou ao destino exausto e com a certeza de convencer Minart a desistir da ideia. Mas após o jantar, algumas bebidas e conversa com os locais, Breyer mudou de opinião e assim nasceu o Inferno do Norte.

Hoje em dia os sectores de pavé sobrevivem graças à associação Les Amis de Paris-Roubaix que os preserva e garante que não desapareçam. Muitos são os entusiastas na beira da estrada para ver os ciclistas passar e no final, muitos são os que levam paralelos para casa como recordação. Todos os anos os voluntários da associação juntam-se para repor os paralelos em falta para que a prova decorra com toda a normalidade.

Números e Curiosidades:
- A primeira edição realizou-se em 1896 e foi ganha pelo alemão Josef Fischer;
- Paris-Roubaix foi a primeira clássica a ter transmissão televisiva, em 1960;
- Tom Boonen e Roger De Vlaeminck (2 belgas) detêm o recorde de vitórias, com 4 cada um;
- Roger De Vlaeminck é o ciclista com mais pódios (9);
- A Bélgica lidera a classificação nacional, com 55 triunfos em 112 edições;
- Frédéric Guesdon é o ciclista com mais participações (17);
- Dez ciclistas venceram a Volta a Flandres e Paris-Roubaix no mesmo ano: Tom Boonen, Fabian Cancellara, Fred De Bruyne, Roger De Vlaeminck, Romain Gijssels, Raymond Impanis, Gaston Rebry, Heiri Suter, Rik Van Looy e Peter Van Petegem;
- Em 1949, a vitória foi concedida a dois ciclistas: Serse Coppi e André Mahé;
- Em 1988 Dirk Demol venceu depois de ter estado em fuga durante 222 quilómetros;
- Último ciclista a vencer o Paris-Roubaix com a camisola de campeão do mundo foi Bernard Hinault em 1981;
- Entre 1986 e 1988, a prova terminou na cidade, porque o velódromo estava em obras;
- Em 1965 os ciclistas foram pela primeira vez autorizados a receber rodas sobressalentes dos seus companheiros de equipa;
- O vencedor o mais novo de sempre é Albert Champion com 20 anos e 362 dias, tendo ganho em 1899; O mais velho é Gilbert Duclos-Lasalle, com 38 anos e 229 dias, vencedor em 1993;
- O último francês a vencer foi Frédéric Guesdon, em 1997;
- Em 1977 foi a primeira vez que o vencedor da prova recebeu o troféu em formato de paralelepípedo;

Liège-Bastogne-Liège

Liège-Bastogne-Liège
Voltamos à Bélgica para a Liège-Bastogne-Liège, ou como é frequentemente chamada de La Doyenne ("a mais antiga").
Em 1892 realizou-se a primeira edição, sendo que era uma prova para amadores e em 1894 passou a ser para ciclistas profissionais.
Tal como várias provas de ciclismo, também a Liège-Bastogne-Liège foi organizada pela primeira vez por um jornal, o L'Expresse. Como o jornal era publicado em francês, o percurso da prova passava pela parte francófona da Bélgica.
O percurso de 1892 teve 250 quilómetros de distância e participaram 33 ciclistas, todos belgas e a maioria originais de Liège. Apenas terminaram 17 e o vencedor foi Léon Houa que chegou à meta 10 horas e 48 minutos depois da partida. O segundo classificado, Léon Lhoest chegou 22 minutos após o vencedor e o terceiro, Louis Rasquinet, 44 minutos. O último classificado chegou cerca de 5 horas depois do vencedor.
Na época o ciclismo era considerado um desporto para ricos e o evento foi apelidado de "um caso de cavalheiros".
No ano seguinte, 1893, a prova voltou a ser organizada para amadores, tendo ganho novamente Houa.
Em 1894 a prova passou a profissional e Houa conseguiu a sua terceira vitória com sete minutos de vantagem sobre Rasquinet. Em quarto lugar ficou o francês Maurice Garin que mais tarde se tornou no primeiro vencedor da Volta a França.
Após 1894 a corrida não foi organizada durante 14 anos tendo sido retomada em 1908.
Este ano realiza-se a 103ª edição. Na sua história conta com vencedores como Andy Schleck, Alejandro Valverde, Philippe Gilbert ou Daniel Martin. O último vencedor foi Wout Poels e o recordista de vitórias é Eddy Merckx, com 5 vitórias.

Números e Curiosidades: 
- A primeira edição aconteceu em 1892 e foi ganha por Leon Houa;
- Eddy Merckx detém o recorde de mais vitórias: 5, entre 1969 e 1975;
- Também Merckx é o recordista em número de pódios: 7;
- A Bélgica lidera a classificação das nações, com 59 vitórias, seguida da Itália (12) e da Suíça (10);
- Sete ciclistas venceram a Flèche Wallonne e Liège-Bastogne-Liège na mesma época: Moreno Argentin, Philippe Gilbert, Ferdi Kubler, Eddy Merckx, Stan Ockers, Davide Rebellin e Alejandro Valverde;
- Quatro ciclistas de fora da Europa conseguiram a vitória: Simon Gerrans (Austrália), Tyler Hamilton (EUA), Maxim Iglinskiy (Kazahstan) e Alexandre Vinokourov (Kazahstan);
- Moreno Argentin, em 1987, foi o último ciclista portador da camisola do arco-íris a terminar em primeiro;
- Até 1973, dez edições terminaram no Stade Vélodrome de Rocourt, uma arena de 40 000 lugares
- O maior intervalo de tempo sem uma vitória belga foi entre 2000 e 2011;
- Em 1957, a vitória foi concedida a dois ciclistas: Germain Derycke e Frans Schoubben;
- O vencedor mais jovem é Victor Fastre (18 anos e 362 dias); O mais velho é Alexander Vinokourov (36 anos e 221 dias);
- Davide Rebellin é o ciclista com mais edições concluídas, 14.

Giro da Lombardia

Ciclistas a passarem no Muro di Sormano
O único dos 5 Monumentos que não se realiza na primavera, O Giro da Lombardia é também o que mais alterações tem sofrido durante a sua história.
Chamado de Il Lombardia desde 2011, começou por ser Milão-Milão.
A prova foi criada em 1905 e nasceu da ideia do jornalista Tullo Morgagni que queria dar ao ciclista milanês Pierino Albini a oportunidade de se vingar da sua derrota contra Giovanni Cuniolo na Copa do Rei Italiana.
A Gazzetta dello Sport organizou a prova que se disputou, pela primeira vez a 12 de Novembro de 1905.
O vencedor acabou por ser Giovanni Gerbi, na altura uma das estrelas do ciclismo, que chegou 40 minutos à frente de Giovanni Rossignoli e Luigi Ganna.
Rapidamente se tornou numa atracção como sendo a prova de encerramento da temporada de ciclismo. E nos seus primeiros anos foi dominada pelo francês Henri Pélissier e pelos italianos Gaetano Belloni e Costante Girardengo, tendo vencido três vezes cada um.
Fausto Coppi é o recordista de vitórias. tendo vencido a prova por 5 ocasiões. 

Números e Curiosidades:
- A Il Lombardia foi criada em 1905, tendo a primeira edição sido ganha por Giovanni Gerbi após mais de 9 horas e 230 quilómetros;
- Fausto Coppi é o ciclista com mais vitórias, cinco, entre 1947 e 1954;
- Quando se trata do número de pódios, Gino Bartali é o recordista, tendo terminado nove vezes nos três primeiros lugares;
- 11 países tiveram um vencedor até agora, com a Itália a liderar a classificação das nações (68 vitórias);
- Apenas um ciclista de fora da Europa venceu a prova, Esteban Chaves em 2016;
- Paolo Bettini foi o último ciclista com a jersey de campeão do mundo a vencer a corrida (2006);
- A edição mais curta ocorreu em 1942 (184 quilómetros);
- Milão, Como, Monza, Varese, Cantu, Bergamo, Mendrisio e Lecco são as cidades que receberam o início ou o final da prova;
- Maior margem vencedora foi registada em 1905, quando Giovanni Gerbi e Giovanni Rossignoli ficaram separados por 40 minutos e 11 segundos;
- Giovanni Gerbi é também o mais jovem vencedor (20 anos e 176 dias), enquanto Gaetano Belloni é o mais velho (36 anos e 69 dias em 1928).

Também pode interessar:

Lola Cycling Team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

2 comentários:

  1. O Sagan também venceu com a camisola de campeão do mundo o ano passado a Flandres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Flávio, muito obrigado pela sua advertência. Foi de facto um lapso mas já está corrigido. Mais uma vez obrigado.

      Eliminar