Análise da Garmin-Sharp 2014


A Garmin-Sharp entrava para a temporada de 2014, com bastante ambição. A equipa apostava principalmente em 3 homens, Dan Martin, Ryder Hejesdal e Andrew Talansky. No entanto, Ramunas Navardauskas, Tom-Jelte Slagter, Jack Bauer, Tom Danielson e Tyler Farrar, também eram apostas da equipa para outras provas. O 'nosso' André Cardoso, seria um dos fieis gregários dos 3 líderes nas grandes voltas.

A temporada começou muito bem para a equipa Norte-Americana, com a vitória de Phillip Gaimon, na 1ª etapa da prova Argentina, Tour de San Luis. Phillip Gaimon acabaria a prova apenas atrás do Colombiano, Nairo Quintana.
Em Fevereiro, a equipa consegue 2 vitórias de etapa, no Herald Sun Tour, prova disputada na Austrália. A 1ª no prólogo, obtida no prólogo e na 1ª etapa por Nathan Haas.
Março, para a Garmin fica marcado pelas 2 vitórias de etapa, de Tom-Jelte Slagter numa das principais provas por etapa do mês, o Paris-Nice, a 4ª e 7ª etapas. Slagter acabou por ser o melhor da equipa na geral final, ao situar-se na 16ª posição, a mais de 1 minuto e meio do vencedor.

Em Abril, Navardauskas consegue vencer a geral do Circuit Cycliste Sarthe - Pays de la Loire, juntando a 4ª etapa. A equipa só voltaria às vitórias em Maio, na Volta a California, onde Rohan Dennis, venceu a 3ª etapa da prova. numa chegada em alto, ao conhecido Mount Diablo. Rohan Dennis, que sairia da equipa em Agosto, rumando à BMC.
Maio também foi mês de Giro, a equipa ia para a prova Italiana, com muitas esperanças depositadas em Dan Martin, no entanto, na primeira etapa, um contra-relógio de equipas, uma queda colectiva deitou tudo a perder, o líder Dan Martin é obrigado a abandonar. A equipa conseguiu no entanto colocar Ryder Hejesdal no top-10, muito por culpa da famosa etapa do Stelviogate, onde o Canadiano apenas não resistiu a um super-Quintana.
Ainda em Maio, Raymond Kreder, vence a clássica Alemã, Garmin Velothon Berlin.

Junho fica marcado, indiscutivelmente pelo Critérium Dauphiné, onde Talansky, aproveitou o embate Contador vs Froome, para conseguir o maior feito da sua carreira. Depois das primeiras batalhas na alta montanha entre Pistolero e o Queniano onde Talansky e mais alguns aproveitaram a marcação entre os dois para se manter perto. Na última etapa, Talansky e Hejesdal atacam muito cedo na etapa, Contador esperou que Froome a sua equipa reagissem, no entanto, o Queniano não estava bem e quando Contador partiu em busca dos homens da Garmin, era tarde demais. Talansky criava muita expectativa para o Tour.

Talansky de amarelo no pódio do Dauphiné
Antes do Tour, Navardauskas sagra-se campeão Lituano de contra-relógio e Sebastian Langeveld campeão Holandês de estrada.
O Tour arranca e ao longo da prova, a equipa afunda-se, Talansky abandona, no entanto, nunca esteve perto dos melhores. O único momento de alegria chegou na 19ª etapana chega a Bergerac, onde Navardauskas vence, batendo Degenkolb. O melhor colocado na geral da equipa foi Ben King, na 53ª classificação a 2 horas 41 minutos.

Em Agosto a equipa, consegue vencer a geral do Tour of Utah, onde também vence a 4ª etapa. Destaque também para a vitória da 1ª etapa, obtida através de Raymond Kreder no Tour de l'Ain e para a vitória na 7ª etapa de Alex Howes no USA Pro Challenge. 

A Vuelta estava à porta e a aposta voltava a ser em Dan Martin, já recuperado da queda no Giro. A prova Espanhola corre bem melhor que o Giro e Tour, Dan Martin consegue um excelente 7ª lugar na geral. O momento alto para a Garmin, aconteceu na chegada a La Camperona, 14ª etapa, quando Hejesdal venceu a etapa. 
Destaque ainda para o 24º e 25º lugar da geral final, de Hejesdal e de André Cardoso.

Setembro, além da Vuelta, também fica marcado para a equipa Norte-Americana, pela vitória final de Dylan Van Baarle, um momento muito importante para o jovem Holandês, que bateu Michal Kwiatkowski e Bradley Wiggins.

A temporada estava perto do seu fim e como sempre é a altura do 5º e último monumento da temporada, e também foi um dos melhores momentos da época, Dan Martin com um ataque espectacular no último Km, bate toda a concorrência, Valverde e Rui Costa completam o pódio.
Dan Martin, aproveitou o embalo e chega à última prova do calendário World Tour, Tour of Beijing e consegue vencer a 3ª e 4ª etapas. No entanto, o Irlandês não consegue vencer a prova, fica em 2º atrás de Phillipe Gilbert e à frente de Rui Costa.

Dan Martin a cruzar a meta na Lombardia
A última vitória do ano para a Garmin foi na Japan Cup, por Nathan Haas.

A época da Garmin-Sharp, não foi brilhante, no entanto, melhoraram em relação à temporada de 2013, foram 11º classificados do ranking UCI. A meio do ano de 2014, soube-se que a equipa em 2015 iria se juntar à Cannondale, tornando-se desta forma, no Team Cannondale-Garmin.




Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário