Guia das Clássicas da Primavera 2017


No próximo sábado, dia 25, começa a temporada das clássicas da primavera, com  a Omloop Het Nieuwsblad a abrir as hostilidades. Esta é uma das alturas do ano mais excitantes e esperada pelos adeptos de ciclismo, principalmente os belgas, que consideram este período o mais importante durante a época ciclistica.
Quando se pensa em clássicas, pensa-se nos monumentos do ciclismo, quatro dos cinco realizam-se na primavera (Milão-São Remo, Volta à Flandres, Paris-Roubaix e Liège-Bastogne-Liège), o quinto, é o Giro da Lombardia, que se situa no final da temporada. Estas são as provas de um dia mais importantes, grandiosas e que representam a verdadeira essência do ciclismo. 
Um dos fatores que tornam estas provas fascinantes, é a imprevisibilidade, basta um azar ou um momento de sorte, para que a corrida se modifique. Ao longo dos anos, as histórias e 'mitos' criados à volta destas cinco clássicas foram muitos e fazem parte do legado da modalidade, que encantaram e encantam milhões.
Ao longo dos tempos foram-se dando 'nomes carinhosos' a estas provas, aqui ficam os mais comuns:
- Milão-São Remo- La Primavera, Clássica dos sprinters, La Classicissima
- Volta à Flandres- De Ronde, Flanders' Finest
- Paris-Roubaix - A rainha das clássicas, O inferno do Norte
- Liège-Bastogne-Liège - La Doyenne (a mais antiga)
- Giro da Lombardia - clássica das folhas caídas (realiza-se no Outono)

Mas este período não vive só dos quatro monumentos, também conta com outras clássicas de grande importância. Começa habitualmente no final de fevereiro, com a Omloop e a Kuurne-Bruxelles-Kuurne e depois no inicio de março dá-se um salto a Itália, para a mais recente mas já carismática clássica toscana, Strade Bianche. Ainda em Itália, disputa-se o primeiro monumento do ano, a Milão-São Remo e depois volta para a Bélgica, mais concretamente para aquela que é considerada a 'capital espiritual do ciclismo', a Flandres. Curiosamente, a rainha das clássicas, não se disputa na Flandres, mas no Norte de França. O Paris-Roubaix ganhou destaque entre todas as provas de um dia, a paixão existente por esta clássica é única e a grandeza da mesma é ímpar.
As clássicas deste período do ano podem ser divididas em grupos, que somados dão origem ao que com o tempo foi-se designando por 'clássicas da primavera'. Ou seja:
Clássicas da primavera=Clássicas de pavé+Clássicas das Ardenas+Clássicas Italianas (Milão-São Remo e Strade Bianche).


As clássicas de pavé são:

Omloop Het Nieuwsblad
Kuurne-Bruxelles-Kuurne
Dwars door Vlaanderen
E3 Harelbeke
Gent - Wevelgem
Volta à Flandres
Scheldeprijs
Paris-Roubaix


As clássicas das Ardenas são:

Amstel Gold Race
La Flèche Wallonne
Liège - Bastogne - Liège

Das provas mencionadas a mais recente e que tem ganho importância ano após ano, é a Strade Bianche, que se corre na bela região da Toscânia em Itália. A principal característica desta clássica são as estradas 'brancas', que não são mais que secções em sterrato (uma mistura de terra batida com gravilha). A prova começou em 2007 com o nome de Monte Paschi Eroica e desde daí, encanta os adeptos de ciclismo. A lista de participantes também tem ajudado e muito à qualidade da prova, com algumas das grandes figuras a serem presença assídua na prova.
Curiosamente em França, também se corre uma prova com algumas parecenças com a clássica toscana (vez de sterrato, há secções de ribinoù, que não é mais do que um termo para definir uma estrada não asfaltada), a Tro-Bro Léon, que se disputa na Bretanha e é uma das pérolas do ciclismo francês.

Portugal

Em Portugal, não existe tradição de se correr clássicas, tirando a mítica Porto-Lisboa, que se disputava a 10 de junho, poucas corridas de um dia foram marcantes no ciclismo português. Porém na última década, a Clássica da Primavera da Póvoa de Varzim, tem marcado o calendário velocipédico nacional e neste período é a prova de um dia que consistentemente aparece no calendário português. A presença da subida de empedrado ao Monte São Félix já se tornou numa tradição no calendário do ciclismo Português.
No entanto nos últimos anos têm aparecido outras provas, nomeadamente aquelas que contam para a taça de Portugal. Em 2017, serão 3 neste período: Clássica de Amarante, Volta à Bairrada e G.P. Mortágua.
Este ano, o projeto Cyclin'Portugal, também organizará duas provas de um dia na primeira metade do mês de março, a Clássica d'Arrábida e a Clássica Aldeias de Xisto.

Calendário das principais clássicas da primavera (inclui Portugal)

Fevereiro 2017
25 fevereiro: Omloop Het Nieuwsblad, Bélgica, 1.WT
26 fevereiro: Kuurne-Bruxelles-Kuurne, Bélgica, 1.HC

Março 2017
04 março: Strade Bianche, Itália, 1.WT
05 março: Clássica d'Arrábida, Portugal, 1.12 
12 março: Clássica Aldeias de Xisto, Portugal, 1.12
18 março: Milão - São Remo, Itália, 1.WT
19 março: Clássica da Primavera, Póvoa de Varzim, Portugal, 1.12
22 março: Dwars door Vlaanderen, Bélgica, 1.WT
24 março: E3 Harelbeke, Bélgica, 1.WT
26 março: Gent - Wevelgem, Bélgica, 1.WT
26 março: Clássica de Amarante, Portugal, 1.12 

Abril 2017
02 abril: Ronde van Vlaanderen / Volta à Flandres, Bélgica, 1.WT
05 abril: Scheldeprijs, Bélgica, 1.HC
09 abril: Paris - Roubaix, França, 1.WT
12 abril: De Brabantse Pijl, Bélgica, 1.HC
16 abril: Tro-Bro Léon, França, 1.1
16 abril: Amstel Gold Race, Holanda, 1.WT
19 abril: La Flèche Wallonne, Bélgica, 1.WT
22 abril: Volta à Bairrada, Portugal, 1.12 
23 abril: Liège - Bastogne - Liège, Bélgica, 1.WT
25 abril: G.P. Mortágua, Portugal, 1.12 

O blog irá acompanhar as clássicas da primavera, com a antevisão de todas estas provas. Apenas os monumentos terão análise e rescaldo.
A imagem é uma colagem retirada de várias fontes: 
https://www.behance.net/gallery/16194265/Spring-Classic-Cycling-Prints
http://visual.ly/ronde-van-vlaanderen-tour-flanders
thehandmadecyclist.com/collections/monuments/products/copy-of-la-doyenne-liege-bastogne-liege

Também pode interessar:

Bruno Dias

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário