Vuelta 2015 - Antevisão 13ª etapa

Da Catalunha a Vuelta dirige-se para Aragão, num dia que tem alguns pontos complicados, nomeadamente a meio da etapa. A parte final é relativamente fácil, mas as dificuldades da etapa e os dias acumulados ditarão a sua lei.
Os próximos dias serão terríveis, com muita montanha e hoje as equipas dos favoritos não deverão querer gastar muitas 'balas'.

Local de partida: Calatayud

Calatayud

Calatayud é um município da província de Saragoça que pertence à comunidade autónoma de Aragão.  
Fundada pelos mouros, Calatayud foi conquistada em 1120 por Afonso I de Aragão.
A cidade está dividida em duas partes, a velha e a nova cidade. Na cidade velha podemos encontrar os monumentos mais marcantes de Calatayud como a igreja de Santa Maria (património da UNESCO), San Andres e San Pedro de los Francos que são dois edifícios monumentais, os palácios renascentistas e a praça de Espanha com o seu estilo medieval. 

Local de chegada: Tarazona

Vista sobre Tarazona
O município de Tarazona pertence, tal como Calatayud, à província de Saragoça, na comunidade autónoma de Aragão.
Tarazona é a capital da região de Moncayo e está localizada a 86 quilómetros de Saragoça, entre as regiões de Navarra, La Rioja e Castilla.
As sucessivas ocupações, primeiro os romanos, depois visigodos, árabes, judeus, fizeram da cidade uma das mais emblemáticas de Aragão. A sua riqueza é complementada por um ambiente cheio de atrações. Desde a Catedral de Santa Maria de la Huerta, a Plaza de Toros Vieja, o bairro judeu, o Palácio Episcopal, a Câmara Municipal ou a festa de Cipotegato fazem de Tarazona um local de visita obrigatória. Para quem prefere natureza, a Sierra del Moncayo,  Parque Natural desde 1978 adequada a este tipo de turismo.

Percurso
Calatayud - Tarazona , 177,0 km 

Depois da etapa de ontem, que foi decidida ao sprint, hoje os homens rápidos voltam a ter uma excelente oportunidade para vencer. É uma etapa com o perfil ideal para ser uma etapa clássica das grandes voltas, uma fuga inicial, que será controlada pelas equipas com interesse na chegada em pelotão compacto deverá ser alcançada a poucos quilómetros da meta. Mas uma figa vingar também é uma possibilidade bem real, o cansaço acumulado e o perfil exigente de uma parte da etapa, pode fazer com que uma fuga vingue.
As subidas da etapa são:
- Alto Collado de Oseja, 8.4km a 3.6%, 3ª categoria;
- Alto de Beratón, 9.2km a 5.2%, 1ª categoria;
- Alto del Moncayo, 13.9k a 2.6%, 2ª categoria.

Favoritos
A etapa é quase desenhada para que uma fuga se forme. As subidas deverão encarregar-se disso mesmo e com os próximos dias de muita dureza, é expectável que a fuga tenha sucesso.
Se as equipas dos homens rápidos decidirem controlar a fuga e conseguir que o pelotão chegue junto, então aí teremos de ter em conta um nome, John Degenkolb. O alemão teima em não aparecer nesta Vuelta, mas tantas vezes o cantaro vai a fonte que terá de partir.
O alemão ainda não venceu nenhuma etapa nesta edição, o que é estranho, já que a Vuelta é uma das provas que ele mais aprecia. Outros nomes a ter em conta se houver uma chegada ao sprint são: Sbaragli, Rojas, Drucker e Van der Sande, Impey, Van Poppel e Jules Simon.

A nossa aposta: John Degenkolb ou fuga
Surpresa: Niki Terpstra

 

Também pode interessar:

jdragon cycling team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário