Paris - Nice (2.UWT) - Antevisão


O Paris-Nice, ou "a corrida para o sol", é uma corrida realizada anualmente no mês de Março. A prova realizou-se pela primeira vez em 1933, e foi vencida por Alfons Schepers da Bélgica. O ciclista com mais sucesso no Paris-Nice é o Irlandês Sean Kelly que venceu sete corridas consecutivas, entre 1982-1988.

História:
1933 Alphonse Schepers (BEL) 1967 Tom Simpson (GBR) 1992 Jean-François Bernard (FRA)
1934 Gaston Rebry (BEL) 1968 Rolf Wolfshohl (GER) 1993 Alex Zülle (SUI)
1935 René Vietto (FRA) 1969 Eddy Merckx (BEL) 1994 Tony Rominger (SUI)
1936 Maurice Archambaud (FRA) 1970 Eddy Merckx (BEL) 1995 Laurent Jalabert (FRA)
1937 Roger Lapébie (FRA) 1971 Eddy Merckx (BEL) 1996 Laurent Jalabert (FRA)
1938 Jules Lowie (BEL) 1972 Raymond Poulidor (FRA) 1997 Laurent Jalabert (FRA)
1939 Maurice Archambaud (FRA) 1973 Raymond Poulidor (FRA) 1998 Frank Vandenbroucke (BEL)
1946 Fermo Camellini (ITA) 1974 Joop Zoetemelk (NED) 1999 Michael Boogerd (NED)
1951 Roger Decock (BEL) 1975 Joop Zoetemelk (NED) 2000 Andreas Klöden (GER)
1952 Louison Bobet (FRA) 1976 Michel Laurent (FRA) 2001 Dario Frigo (ITA)
1953 Jean-Pierre Munch (FRA) 1977 Freddy Maertens (BEL) 2002 Alexandre Vinokourov (KAZ)
1954 Raymond Impanis (BEL) 1978 Gerrie Knetemann (NED) 2003 Alexandre Vinokourov (KAZ)
1955 Jean Bobet (FRA) 1979 Joop Zoetemelk (NED) 2004 Jörg Jaksche (GER)
1956 Fred De Bruyne (BEL) 1980 Gilbert Duclos-Lassalle (FRA) 2005 Bobby Julich (USA)
1957 Jacques Anquetil (FRA) 1981 Stephen Roche (IRL) 2006 Floyd Landis (USA)
1958 Fred De Bruyne (BEL) 1982 Sean Kelly (IRL) 2007 Alberto Contador (ESP)
1959 Jean Graczyck (FRA) 1983 Sean Kelly (IRL) 2008 Davide Rebellin (ITA)
1960 Raymond Impanis (BEL) 1984 Sean Kelly (IRL) 2009 Luis León Sánchez (ESP)
1961 Jacques Anquetil (FRA) 1985 Sean Kelly (IRL) 2010 Alberto Contador (ESP)
1962 Joseph Planckaert (BEL) 1986 Sean Kelly (IRL) 2011 Tony Martin (GER)
1963 Jacques Anquetil (FRA) 1987 Sean Kelly (IRL) 2012 Bradley Wiggins (GBR)
1964 Jan Janssen (NED) 1988 Sean Kelly (IRL) 2013 Richie Porte (AUS)
1965 Jacques Anquetil (FRA) 1989 Miguel Indurain (ESP) 2014 Carlos Betancur (COL)
1965 Jacques Anquetil (FRA) 1990 Miguel Indurain (ESP)
1966 Jacques Anquetil (FRA) 1991 Tony Rominger (SUI)

Percurso:
Prólogo: Maurepas - Maurepas (6,7 Km)
1ª Etapa: Saint-Rémy-lès-Chevreuse – Contres, 192 km
2ª Etapa: ZooParc of Beauval Saint-Aignan – Saint-Amand-Montrond, 172 km
3ª Etapa: Saint-Amand-Montrond – Saint-Pourçain-sur-Sioule, 179 km
4ª Etapa: Varennes-sur-Allier – Croix de Chaubouret, 204 km
5ª Etapa: Saint-Étienne – Rasteau, 192 km
6ª Etapa: Vence – Nice, 181,5 km
7ª etapa: Nice – Col d’Èze, 9.6 km (Contrarrelógio individual) 




Prólogo (6,7 km)


Prólogo
Este prólogo não deve fazer praticamente nenhumas diferenças entre os favoritos, servirá quase exclusivamente para definir qual será o primeiro corredor a utilizar a camisola de líder na primeira etapa.

1ª Etapa:

1ª Etapa (192 km)

A etapa inaugural do Paris-Nice deste ano vai ser uma etapa para simplesmente ''aquecer'' as pernas. Muito provavelmente vai ser decidida ao sprint com Nacer Bouhanni a surgir à frente como favorito caso o pelotão chegue compacto.



2ª Etapa ( 172 km)

Esta segunda etapa vai ser mais uma etapa "sem história". Certamente será discutida ao sprint. Apenas tem uma terceira categoria, mas é ainda muito longe da meta, o que deve permitir que os sprinters cheguem à meta integrados no pelotão e sejam eles a discutir a vitória no final do dia.

3ª Etapa (179 km)

Esta terceira etapa já começa a dar para os homens do pelotão aquecer as pernas. Deve ser uma etapa típica antes do dia das decisões. A nossa aposta vai para uma fuga com um dos fugitivos a tentar destacar-se na montanha, mas a chegada à meta já deve mesmo ser feita de forma compacta sendo a etapa decidida ao sprint.

4ª Etapa (204 km)

A quarta etapa do Paris Nice deste ano vai ser A etapa! É o dia em que os ciclistas vão enfrentar os obstáculos mais duros. Vão ser cinco montanhas de 3ª categoria, duas de 2ª categoria e uma de 1ª categoria, que coincide com o final da etapa. A subida chega a alcançar 7,2% de inclinação, e é muito longa, com cerca de 17 kms de extensão.


5ª Etapa (192 km)

Etapa que começa a subir mas deve mesmo acabar ao sprint. Uma etapa que não deve fazer diferenças para nenhum dos homens da geral. Deve ser controlada pelas equipas dos sprinters.


6ª Etapa (181,5 km)


Etapa muito importante nas contas da geral. Embora não seja uma chegada em alto é um sobe e desce constante. Afinal de contas são três montanhas de 1ª categoria e três de 2ª categoria. É ao estilo do Rui! 



7ª Etapa (CR)

Esta etapa vai ser uma crono-escalada, tem zonas agressivas, tais como os primeiros dois quilómetros e depois torna novamente a ter uma zona mais agressiva sensivelmente a meia da subida. Estas zonas têm pendentes médias que se situam entre os 6 e os 9%.

Starlist:
Aqui.

Favoritos:
***** Richie Porte, Fabio Aru
**** Bradley Wiggins, Tejay Van Garderen,  Rui Costa;
*** Andrew Talansky, Rafael Majka, Michal Kwiatkowski, Warren Barguil
** Romain Bardet, Peraud, Jakob Fulgsang
* Frank Shleck, Wilco Kelderman


 

Também pode interessar:

jdragon cycling team

Adora ciclismo e tudo o que se relaciona com bicicletas. O mês de maio e julho são sagrados e tem um carinho pelas clássicas da primavera e pela Volta a Portugal. Ao longo dos anos aprendeu a apreciar a Vuelta.

Sem comentários:

Enviar um comentário